CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1254. “O Espírito do Senhor está sobre mim”

“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor”.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 4, 16-30)

Naquele tempo, veio Jesus à cidade de Nazaré, onde se tinha criado. Conforme seu costume, entrou na sinagoga no sábado, e levantou-se para fazer a leitura. Deram-lhe o livro do profeta Isaías. Abrindo o livro, Jesus achou a passagem em que está escrito: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e para proclamar um ano da graça do Senhor”.

Depois fechou o livro, entregou-o ao ajudante e sentou-se. Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele. Então começou a dizer-lhes: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?”

Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia.

E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o Sírio”. Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.

São duas as verdades fundamentais de que nos fala o Evangelho desta segunda-feira, extraído não mais do texto de S. Mateus, mas do de S. Lucas. Hoje, encontrando-se na sinagoga de Nazaré, sua própria terra, o Senhor lê do profeta Isaías o seguinte vaticínio: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres”, que nele se cumpre plenamente:

a) “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção”. Neste pequeno versículo, de riquezas inesgotáveis, afirma-se a presença especial do Espírito Santo em Cristo. Nele, com efeito, o amor de Deus está presente não como em qualquer outro justo, mas por ser Cristo o próprio Verbo encarnado. A natureza humana de Nosso Senhor está, pois, unida substancialmente à pessoa do Filho de Deus por uma graça chamada de união, que é como uma unção que comunica a toda a humanidade santíssima de Jesus, em corpo e alma, a santidade incriada e infinita do próprio Verbo divino. Jesus é o Cristo, isto é, o Ungido pelo Espírito Santo, porque Deus nele está presente, não por uma consagração cerimonial, mas por ser Ele mesmo o próprio Deus, em cuja humanidade assunta o Espírito Santo está como que em sua morada própria. Eis por que o Pai, ao vê-lo batizado no Jordão, pode dizer: “Eis meu Filho muito amado em quem ponho minha afeição” (Mt 3, 17).

b) “Para anunciar a Boa Nova aos pobres”. Este versículo, por seu turno, afirma não só a missão pública que Cristo foi encarregado de realizar, mas uma realidade ainda mais profunda, intimamente vinculada ao mistério da união hipostática: Cristo, sendo Homem-Deus, possui também uma graça chamada capital, que faz dele Cabeça do Corpo místico, que é a Igreja, de maneira que é dele, e somente dele, que recebemos por participação a unção do Espírito Santo: “Todos nós recebemos da sua plenitude graça sobre graça” (Jo 1, 16). Com efeito, toda a humanidade de Nosso Senhor, em sua alma e em seu corpo, assumidos em unidade de pessoa pelo Verbo de Deus, influi beneficamente em todos os homens do mundo, que dele recebem todas as riquezas da graça, “toda dádiva boa e todo dom perfeito” (Tg 1, 17), “como um óleo suave derramado sobre a fronte, e que desce para a barba, a barba de Aarão, para correr em seguida até a orla de seu manto” (Sl 132, 2).

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.