CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
9, 43b-45)

Naquele tempo, como todos se admirassem de tudo o que Jesus fazia, disse ele a seus discípulos: "Gravai nos vossos corações estas palavras: O Filho do homem há de ser entregue às mãos dos homens!" Eles, porém, não entendiam esta palavra e era-lhes obscura, de modo que não alcançaram o seu sentido; e tinham medo de lhe perguntar a este respeito.

O Evangelho de hoje nos apresenta o segundo anúncio da Paixão de Jesus Cristo. São Lucas faz dele um relato tão sucinto que Nosso Senhor sequer alude à Ressurreição. O Evangelista, em todo caso, menciona o fato de que os discípulos não só não compreenderam o que Cristo lhes estava a dizer como também temiam perguntar-lhe o sentido de suas palavras. Ora, é o próprio São Lucas que, uns capítulos à frente (cf. Lc 24, 13-35), nos oferece a chave de leitura para essa passagem. Os dois discípulos que caminhavam, cabisbaixos e desconsolados, para a aldeia de Emaús, com efeito, encontravam-se na mesma situação de perplexidade e temor que os apóstolos: assim como estes, eles não entendem o "fracasso" que parece ser a morte de Cristo. Eles esperavam, pois, a mesma figura do Messias triunfante, libertador de Israel, e no entanto há já três dias que a sua esperança fora humilhada e crucificada.

Cristo porém lhes cruza o caminho e, rompendo aos poucos aquela tristeza, diz: "Ó gente sem inteligência. Como sois tardos de coração para crerdes em tudo o que anunciaram os profetas" (Lc 24, 25). Lendo as profecias numa visão unilateral, os discípulos, revela-o Jesus, esqueceram-se de que o Messias prometido é também o Servo sofredor anunciado por tantos profetas. Unção e sofrimento, dor e vitória; trata-se aqui da mesma realidade, só que olhada por ângulos diversos. "Porventura não era necessário", prossegue o Senhor, "que o Cristo sofresse essas coisas e assim entrasse na sua glória?" (Lc 24, 26). Esta realidade, contudo, não é tão óbvia. Afinal, por que teria Cristo de sofrer? Esta dor não deveria cair antes sobre nós? Mas era necessário que Ele sofresse em nosso lugar, a fim de associar-se o mais possível à nossa condição mortal e miserável; era preciso, assim, que Jesus fosse aquele que sofre conosco, que se compadece de nós.

Esta aparente impotência de Deus se manifesta, na verdade, como um grande poder: o poder de diminuir-se a si mesmo, de se esconder no fracasso quando tudo parece ter dado errado. O Evangelho de hoje nos convida, pois, a meditar esta misteriosa presença de Deus no sofrimento e nas cruzes de cada dia; chama-nos a reconhecer que a misericórdia divina nos espreita, silenciosa e paciente, atrás de fracassos e doenças, de dificuldades e inclusive da morte. Mas em tantas dores, em tantas cruzes, Jesus se faz sempre presente, glorioso e triunfante, a preparar-nos uma feliz ressurreição.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.