CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Pregações Seletas
25 Fev 2020 - 34:19

O jejum e a abstinência na lei da Igreja

O mandamento da Igreja a respeito do jejum e da abstinência nunca foi tão mal vivido e tão pouco ensinado. Por isso, às portas da Quaresma, Padre Paulo Ricardo faz um esclarecimento aos católicos, explicando a que penitências a lei eclesiástica nos obriga e com que espírito devemos fazer nossos propósitos pessoais diante de Deus. Esta homilia foi feita no dia 23 de fevereiro de 2020, domingo anterior à Quarta-feira de Cinzas, durante Missa na Paróquia Cristo Rei, de Várzea Grande (MT).
00:00 / 00:00
Pregações Seletas - 25 Fev 2020 - 34:19

O jejum e a abstinência na lei da Igreja

O mandamento da Igreja a respeito do jejum e da abstinência nunca foi tão mal vivido e tão pouco ensinado. Por isso, às portas da Quaresma, Padre Paulo Ricardo faz um esclarecimento aos católicos, explicando a que penitências a lei eclesiástica nos obriga e com que espírito devemos fazer nossos propósitos pessoais diante de Deus. Esta homilia foi feita no dia 23 de fevereiro de 2020, domingo anterior à Quarta-feira de Cinzas, durante Missa na Paróquia Cristo Rei, de Várzea Grande (MT).
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Na próxima Quarta-feira de Cinzas, a Igreja inicia um tempo de oração e penitência, a fim de intensificarmos nosso processo de conversão e prepararmo-nos para a Páscoa do Senhor. Tal ocasião é propícia para fazermos uma catequese sobre o quarto mandamento da Igreja, que consiste em “jejuar e abster-se de carne, quando manda a Santa Mãe Igreja”.

Primeiramente, vamos definir o que é a “abstinência de carne”. No contexto do direito canônico, não há nenhuma referência ao termo “carne vermelha”, que é veiculado de forma errônea no senso comum e, às vezes, até no âmbito eclesiástico. Por isso, é importante entendermos que alimentos se enquadram no conceito jurídico de “carne”. Aves, carne bovina, suína e de caça são considerados como “carne” e deles devemos nos abster nos dias penitenciais estabelecidos pela Igreja. Já ovos, leite e seus derivados, peixes e frutos do mar não são considerados como carne para fins de abstinência. Tal distinção ocorre por razões práticas, pois a Igreja constatou, ao longo da história, que alguns alimentos são de fácil e rápida digestão, de modo que, em pouco tempo, a fome retorna. Assim, nos dias penitenciais, a Igreja orienta que, em vez das “carnes”, que geram saciedade por longo período, os fiéis consumam esses alimentos de rápida digestão.

Os dias de abstinência de carne são a Quarta-feira de Cinzas e todas as sextas-feiras do ano. No Brasil, por solicitação da Conferência Episcopal, a Santa Sé concedeu a possibilidade de que, nas sextas-feiras, exceto na Semana Santa, seja feita uma comutação, realizando-se, ao invés da abstinência de carne, uma penitência, oração ou obra de caridade a mais do que a pessoa está habituada.

A obrigatoriedade da abstinência aplica-se a todas as pessoas a partir dos 14 anos de idade. Mas, obviamente, os pais devem instruir e educar seus filhos, desde pequenos, acerca dessa prática. Estão dispensadas as pessoas que tenham algum problema de saúde que impossibilite a realização de tal abstinência. 

Já o jejum eclesiástico, que deve ser observado na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa, consiste em fazer uma refeição até a saciedade — normalmente o almoço — e as outras duas refeições de forma ponderada, ou seja, comendo menos.

Essa prática do jejum, no Código de Direito Canônico de 1917, era observada durante todo o período da Quaresma. A partir do Código de 1983, tornou-se obrigatória apenas na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa, para todas as pessoas que tenham entre 18 e 60 anos.

Embora seja um dia de jejum e abstinência de carne, a Quarta-feira de Cinzas não é um dia santo de guarda, ou seja, nesse dia não é obrigatória a participação na Santa Missa. Porém, não fazemos somente o que é obrigatório, isso seria uma mediocridade espiritual. Com esta pregação queremos ensinar o que é obrigatório, a fim de que possamos de forma livre e generosa fazer muito mais do que aquilo a que somos obrigados.

São nesses atos livres e generosos que o amor se manifesta. O próprio fundamento do jejum e da abstinência é o nosso amor a Cristo, pois, assim como Ele morreu na Cruz por nós, também podemos nos mortificar por Ele. Sejamos, pois, generosos. Observemos o jejum e a abstinência e assumamos propósitos quaresmais por amor a Nosso Senhor Jesus Cristo, a fim de que, unindo-nos a Ele nas penitências desta vida, possamos estar ao seu lado na glória celeste.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.