CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
30 Set 2015 - 26:32

O que Deus uniu o homem não separe

Em tempos de crise e confusão a respeito da sexualidade e do casamento, vale a pena recordar as exigências irrenunciáveis do evangelho de Cristo sobre a família. Será verdade que “os tempos são outros”? Que é impossível ao homem moderno viver o sacramento do matrimônio, tal como consta nos Evangelhos? Descubra a resposta nesta pregação e receba em sua casa o que a Igreja sempre ensinou a respeito do amor e da família.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 30 Set 2015 - 26:32

O que Deus uniu o homem não separe

Em tempos de crise e confusão a respeito da sexualidade e do casamento, vale a pena recordar as exigências irrenunciáveis do evangelho de Cristo sobre a família. Será verdade que “os tempos são outros”? Que é impossível ao homem moderno viver o sacramento do matrimônio, tal como consta nos Evangelhos? Descubra a resposta nesta pregação e receba em sua casa o que a Igreja sempre ensinou a respeito do amor e da família.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos 

(Mc 10, 2-16)

Naquele tempo, alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher. Jesus perguntou: "O que Moisés vos ordenou?" Os fariseus responderam: "Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la". Jesus então disse: "Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento. No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu o homem não separe!" Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. Jesus respondeu: "Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. E se a mulher se divorciar de seu marido e se casar com outro, cometerá adultério". Depois disso, traziam crianças para que Jesus as tocasse. Mas os discípulos as repreendiam. Vendo isso, Jesus se aborreceu e disse: "Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas. Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele". Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos.

*

O Evangelho começa narrando que "alguns fariseus se aproximaram de Jesus" e "perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher" (v. 2). O fato de eles terem se aproximado de Cristo com a intenção de "pô-lo à prova" (πειράζοντες αὐτόν, em grego) revela que a doutrina de Nosso Senhor sobre a família, assim como toda a Sua vida, "será causa de queda e de reerguimento para muitos", i.e., "sinal de contradição" (Lc 2, 34). De fato, quem é posto à prova, é peneirado: ou passa (e ascende), ou fica (e descende).

A resposta incisiva de Jesus (v. 5-9) revela uma mudança na ordem das coisas. O que no Antigo Testamento fôra perturbado por causa do pecado original, agora, com a Nova Lei, é restaurado e elevado à dignidade de sacramentum (cf. Ef 5, 32). Antes, predominava a "dureza do vosso coração" – o casamento, rodeado pelas paixões impetuosas, pelos ciúmes possessivos e pelos prazeres desordenados; agora, porém, se restaura o que era "desde o começo da criação" – o amor entre homem e mulher é alçado à condição de sinal entre o amor de Cristo pela Igreja. O que era meramente natural é elevado ao nível sobrenatural. O amargo vinho velho do amor simplesmente humano (ἔρως) é substituído pelo saboroso vinho novo do amor divino (αγάπη) (cf. Jo 2, 1-12).

Mas, o que significa, na prática, essa mudança? Significa amar o outro como sacramento, i.e., enxergando no cônjuge a própria pessoa de Cristo: esposo e esposa devem aproximar-se um do outro como se aproximam do Santíssimo Sacramento. Se isso parece difícil, é preciso lembrar que: (a) quando celebram o matrimônio, homem e mulher recebem um especial auxílio divino exatamente para isso, chamado de graça sacramental; (b) é deste modo que Cristo nos trata em Sua misericórdia, fazendo-nos o bem, mesmo quando Lhe voltamos as costas e O maltratamos pelo pecado. Portanto, ao invés de desculparmo-nos, dizendo que é "impossível" amar o cônjuge com que se vive, meditemos no fato de que "Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores" (Rm 5, 8) e, de servos, transformou-nos em Seus amigos (cf. Jo 15, 15).

Que a mensagem de um amor indissolúvel, e que derrama o próprio sangue pela pessoa amada, seja escandalosa, não é nenhuma novidade. A versão do Evangelho desse domingo narrada por São Mateus relata que os mesmos seguidores de Cristo, ao ouvirem as Suas palavras, disseram: "Se a situação do homem com a mulher é assim, é melhor não casar-se" (Mt 19, 10). Também na época de Cristo, a boa-nova da família foi vista como escândalo, como pedra de tropeço. Não se pode, pois, mutilar a doutrina evangélica, sob o pretexto de que "é difícil ao homem moderno aceitar a indissolubilidade do matrimônio": fosse assim, Nosso Senhor sequer deveria ter pregado o que efetivamente pregou a respeito do casamento. Na verdade, mesmo conhecendo a resistência de Seus próprios seguidores ao que Ele dizia, o Senhor não diminuiu uma só vírgula de Seu ensinamento.

Mais do que isso, seria um grande desrespeito e falta de caridade que a Igreja deixasse de pregar o "evangelho da família", confundindo os homens de nosso tempo e impedindo-os de entrar na belíssima aventura de amar. Se os beatos Luís Martin e Zélia Guérin, no final do ainda recente século XIX, conseguiram viver a santidade no matrimônio, por que o homem do século XXI não o conseguiria, auxiliado pela graça divina?

São Marcos encerra o Evangelho desse domingo lembrando que "quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele" (v. 15). Que, nestes tempos de confusão e orgulho diabólicos – destilados das próprias bocas que deveriam proclamar a beleza e a santidade do matrimônio –, transformemo-nos em crianças, recebendo com amor e confiança filiais a doutrina de Nosso Senhor a respeito do casamento. E que a acolhamos na sua integralidade, sem revisões, nem adaptações indevidas. Porque, assim como o que Deus uniu o homem não pode separar (v. 9), o que Cristo ensinou de uma vez por todas, nenhum poder humano pode diminuir ou anular.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.