Prepare-se para a grande perseguição!
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Prepare-se para a grande perseguição!

Vivemos tempos conturbados. Tudo indica que haverá um grande martírio dentro da Igreja, uma grande perseguição. Se não estivermos prontos para ser mártires, o que vai acontecer? Apostasia! É urgentíssimo haver um Pentecostes nas almas, para que alcancemos a Quinta Morada, senão, na hora do “vamos ver”, iremos amarelar.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 20, 19-23)

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”. Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.

A Palavra de Deus, quando cai do céu, é como a chuva: não volta sem dar fruto. Peçamos pois que frutifique hoje no nosso coração a palavra de Nosso Senhor. — Celebramos a solenidade de Pentecostes cinquenta dias depois da Páscoa. Nosso Senhor Jesus Cristo veio a este mundo. Ele, Verbo encarnado, veio trazer a Deus para o homem assumindo nossa própria humanidade, viveu entre nós durante trinta e três anos e, finalmente, num ato extremo de caridade, morreu por nós na cruz, movido por um amor que não era meramente humano. 

Jesus é homem como nós; mas, por ser uma pessoa divina, suas ações são todas do Verbo encarnado. É por isso que Ele é chamado de Cristo, o Ungido, aquele em quem repousa e por quem é enviado à Igreja o Espírito Santo. Jesus morreu na cruz para nos dar o Espírito, ou seja, para, com o seu Sangue de amor, lavar os nossos pecados e tornar possível que recebêssemos o dom do Espírito. 

Nós somos Igreja, mas o que é o mistério da Igreja? É o mistério em que Jesus é a Cabeça e nós, os membros de seu Corpo. Ora, se o membro do corpo pertence realmente ao corpo, ele age como manda a cabeça. Seria, de fato, muito anormal que a cabeça não conseguisse mandar nos membros do próprio corpo. Logo, se nós temos uma Cabeça, que é Jesus, divino e humano ao mesmo tempo, então precisamos agir como Jesus, amar como Ele, fazer as coisas que Ele fez.

No entanto, isso não parece uma boa-nova, mas antes um fardo esmagador. Olhemos para a cruz de Cristo, para aquele amor extraordinário. Se é assim que temos de amar, misericórdia! Deus nos livre, pois não damos conta sozinhos. É assim que reagimos quando olhamos para a cruz de Cristo. Acontece que a cruz é amor transbordante de Deus, é o Amor divino derramado em nossos corações. Por isso, na solenidade de Pentecostes comemoramos o fato de que o Amor, aquela unção derramada sobre a Cabeça, que é Cristo, Nosso Senhor, transborda e chega até nós, tornando-nos capazes de amar como Ele amou.

Isso não é teoria. É fato histórico. Senão vejamos. Jesus morreu na cruz e ressuscitou ao terceiro dia. Ao ressuscitar, o que Ele encontrou? Onze Apóstolos amedrontados, trancados no Cenáculo por medo dos judeus. Jesus então entrou ali, como diz o Evangelho deste domingo: “Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas por medo dos judeus as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: A paz esteja convosco. Jesus soprou sobre eles e disse: Recebei o Espírito Santo”.

O que Jesus fez no dia da Ressurreição só iria realizar-se plenamente cinquenta dias depois em Pentecostes. Afinal, ainda que Jesus tenha soprado sobre eles, os Apóstolos continuaram medrosos. Jesus subiu aos céus quarenta dias depois da Ressurreição, e os Apóstolos voltaram a Jerusalém, fecharam-se no Cenáculo com Maria, Mãe de Jesus, pedindo o dom do Espírito Santo, mas ainda estavam com medo.

De repente, no domingo, por volta das nove horas da manhã, o Espírito Santo veio. De lá do céu, Jesus ressuscitado transborda o seu Amor, um Amor que desce aos borbotões, como uma cachoeira irresistível, de forma que aqueles homens, até então medrosos, se tornam amantes corajosos de Cristo, mártires da fé. De fato, todos os Apóstolos morreram mártires. Apenas S. João não morreu martirizado, porque Deus o salvou milagrosamente. Todos os outros onze, porém, morreram testemunhando a fé cristã.

Como é possível uma tal transformação? Como é possível uma diferença tão marcante e tão repentina? São os mesmos homens. Pedro, que na manhã de Pentecostes saiu para falar às multidões com grande parresia, isto é, com grande destemor, é o mesmo Pedro amedrontado que tremera os joelhos diante da empregadinha do Sumo Sacerdote! Como é possível? É quase uma “transubstanciação”, é quase outra pessoa.

Como é possível que seja o mesmo Pedro — o Pedro que, por medo do vento e das ondas, afundou no mar, agora é o Pedro que morre crucificado em Roma para testemunhar a Cristo? Como é possível? É o mistério de Pentecostes. O Espírito Santo vem transformar-nos, dando-nos a capacidade de amar Jesus com o amor com que Jesus mesmo nos amou. Eis a graça.

Quando se fala de Pentecostes, o que as pessoas costumam pensar? Que os Apóstolos estavam rezando, numa espécie de “grupo de oração”, e eis que, de repente, veio uma efusão do Espírito Santo e todos começaram a falar em línguas. Não foi só isso. Foi muito mais. Ordinariamente, as pessoas não saem de grupos de oração dispostas a ser mártires, a derramar o próprio sangue por Cristo. Pentecostes foi antes de tudo uma mudança interior nos Apóstolos.

Não se trata apenas de fenômenos externos, de manifestações extraordinárias ou, por assim dizer, de “fogos de artifício”. Em Pentecostes, opera-se uma transformação nos Apóstolos, transformação que ele quer operar em todas as almas, para que todos sejamos capazes de realizar as obras de Cristo. 

Nós católicos acreditamos na santidade. Se olhamos para Pentecostes, vendo ali somente um momento de oração, dom de línguas e carismas, então temos uma visão incompleta e, no fundo, quase protestante. Os pentecostais acreditam na ação do Espírito Santo, mas numa ação que não muda de fato o coração do homem. O “crente” continua tão pecador quanto antes, a operar as mesmas obras de iniquidade. O Espírito Santo, segundo os pentecostais, faz milagres, dá o dom da oração, dá o dom de línguas, de profecia etc., mas o “crente” permanece egoísta. Porque os protestantes não crêem na santidade. 

É uma visão incompleta. Em Pentecostes, dá-se uma transformação real na alma, a qual se torna santa e capaz de operar o grande milagre chamado amor-caridade, isto é, amar a Deus mais do que a si mesmo, mais do que a todas as outras coisas. A alma passa a ser impulsionada pelo amor de Cristo, como diz S. Paulo (2 Cor 5, 14): Caritas Christi urget nos, “o amor de Cristo nos impele”!

É um amor que nós, seres humanos, não podemos dar-nos a nós mesmos. Somente o Espírito Santo no-lo pode dar. A Igreja Católica tem dois mil anos de história, com milhares de homens e mulheres santos e sábios que fizeram obras milagrosas de amor, nas quais se vê claramente que não são puramente humanas. Os santos podem dizer como S. Paulo aos gálatas: “Vivo, mas não eu; é Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20). Porque é Jesus quem faz tais maravilhas.

Mas o que é que acontece na alma de quem começa a agir como Cristo? É aquilo que em teologia ascética e mística se chama Quinta Morada, segundo a linguagem de S. Teresa. A conversão, como sabemos, tem vários estágios. O fiel se converte, pede perdão de seus pecados, é purificado no Batismo ou na Confissão e, a partir daí, precisa passar por algumas etapas, que podem às vezes levar muito tempo, quase uma vida inteira. Os apóstolos em Pentecostes, no entanto, receberam tudo de uma vez. De repente, eles foram pelo menos para a Quinta Morada. 

Em Pentecostes, vemos algo típico da Quinta Morada. E o que é mesmo Pentecostes? Só podemos dizer que um católico viveu o mistério Pentecostes se ele já entrou na Quinta Morada; se ele não entrou na Quinta Morada, o Pentecostes para ele ainda não aconteceu. Isso não quer dizer que o Espírito Santo não tenha agido. Sim, o Espírito Santo age em nós sempre, e é graças a ele que nos convertemos, antes de tudo.

Mas o que caracteriza Pentecostes é o fenômeno básico da transformação interior, como a que vemos nos Apóstolos. De covardes e medrosos que eram, tornaram-se mártires da fé, pessoas que amam Jesus abundantemente. Essa transformação é a substância de Pentecostes, a qual só acontece quando a alma entra na Quinta Morada. Mas o que é, afinal, a Quinta Morada? 

Quando começamos a ter vida de oração, se a oração for autêntica, ela nos irá transformar, porque é Deus quem ali age. Nas Moradas anteriores — Primeira, Segunda, Terceira e Quarta Moradas —, a pessoa pode muitas vezes ficar em dúvida, sem saber se suas orações, mesmo as mais sublimes, procedem de fato do Espírito Santo ou de sua própria cabeça. Mas quando se entra na Quinta Morada, há um toque da graça na alma que nela imprime a certeza de que é Deus quem está agindo.

Essa impressão é tão profunda, tão clara, tão evidente, que ninguém pode mais instalar qualquer dúvida na cabeça do fiel. Ele sabe que é Deus. Se um diretor espiritual lhe disser que é tudo imaginação, nem mesmo assim o fiel mudará de ideia. Ele sabe ter recebido um toque de Deus.

Na Quinta Morada, com efeito, Deus não toca na inteligência, na vontade nem nas faculdades, mas no fundo da alma, de tal forma que a pessoa, sem entender com a inteligência, sabe, mas experimentalmente, que aquilo foi Deus, isto é, um toque do Espírito Santo. E o que esse toque faz na alma? Impulsiona-a a amar ainda mais a Cristo: Caritas Christi urget nos.

S. Teresa o descreve da seguinte maneira no c. II das “Quintas Moradas” do Castelo Interior, n. 7: “Logo começa a sentir o anseio de padecer grandes sofrimentos sem poder fazer outra coisa, tem grandíssimos desejos de penitência, de solidão e de que todos conheçam a Deus”. Isso é Pentecostes. Quando lemos a vida dos santos, ficamos admirados de vê-los querer sofrer por Jesus. Será “alucinação” da cabeça deles? O que leva uma pessoa a querer sofrer por Jesus?… 

Não, é um amor incontrolável, um desejo sobrenatural de dar tudo por Jesus e sofrer por Ele. Não é algo humano, mas um toque da graça no fundo da alma, que a torna disposta a padecer tudo por Cristo, como se até os sofrimentos dos mártires fossem pouco. Quem está na Quinta Morada é capaz de tudo, porque houve um toque transformador. Isso é Pentecostes. Foi isso que aconteceu com S. Pedro e os Apóstolos. Aqueles homens medrosos, fechados no Cenáculo por medo dos judeus, de repente abrem as portas e querem dar a vida por Cristo, querem morrer por Cristo, querem que todos amem e conheçam a Deus!

É o que Santa Teresa acabou de descrever: “Tem grandíssimos desejos de penitência, de solidão e de que todos conheçam a Deus”. As almas de Quinta Morada são capazes de tudo para que as pessoas conheçam e amem a Deus, e é assim que a Igreja se torna missionária, assim a Igreja se torna ad gentes, uma Igreja para as missões, uma Igreja “em saída” — para usar uma expressão que se tornou popular. É a Igreja que sai do Cenáculo e vai pregar o Evangelho sem medo. Em Pentecostes, a Igreja entrou na Quinta Morada.

Ora, quem não entrou na Quinta Morada ainda não tem essa graça. Não quer dizer que não devamos ser missionários. Sim, devemos sê-lo sempre; mas precisamos urgentemente pedir a Deus a graça de entrar na Quinta Morada. Com efeito, vivemos tempos conturbados. Tudo indica que haverá um grande martírio dentro da Igreja, uma grande perseguição. Se não estivermos prontos para ser mártires, o que vai acontecer? Apostasia! É urgentíssimo haver outro Pentecostes na Igreja, para que alcancemos a Quinta Morada, senão, na hora do “vamos ver”, iremos fracassar.

Ser santo não é um capricho nem um luxo para membros de uma elite. Vivemos numa época da Igreja em que ou seremos santos ou não seremos nada. Ou buscamos com todas as veras do coração a santidade, a transformação que o Espírito Santo quer fazer em nós, ou não seremos nada e vamos nos perder. Porque virá a grande perseguição, a grande apostasia, o momento em que teremos de nos erguer à altura dos Apóstolos e ser mártires da fé. Alegremente, alegremente!

Quando o Espírito Santo imprime no fundo da alma a sabedoria, ela aprende a saborear a cruz. É a grande alegria de amar Cristo de volta — eis aí a nossa grande realização. É nisso, portanto, que somos bem-aventurados. Afinal, por que Jesus diz que é bem-aventurado o pobre, o perseguido, e caluniado, o que chora, o que tem fome e sede de justiça etc.? Porque é Cristo quem vive neles. Isso é Pentecostes.

Não deixemos que os fenômenos exteriores de Pentecostes, como os dons carismáticos etc., nos desviem do que é o centro, o cerne, a essência de Pentecostes: o Espírito Santo quer vir sobre nós, porque ele, alma da Igreja, quer fazer os membros realizarem as mesmas obras da Cabeça.

E se Cristo morreu por nós na cruz, pelo Espírito Santo também nós nos tornamos capazes de morrer por Ele. Não por um esforço humano, é verdade, mas pela graça divina. Sem ela, a cruz se torna um moralismo esmagador, do qual não damos conta por nós mesmos. Se, no entanto, fizermos o caminho das Moradas, passarmos pelas transformações interiores necessárias para chegar até a Quinta Morada, amar Jesus será para nós coisa leve e doce.

Os tormentos, as penas mais tremendas, tudo será leve e saboroso, como vemos na vida dos santos. Sim, nesses dois mil anos de Igreja, a vida dos santos atesta que isso é verdade. Não se trata de uma mentalidade “dolorista” de tempos passados. Trata-se de amor sobrenatural: Caritas Christi urget nos. Isso é Pentecostes. Não há Pentecostes sem Quinta Morada. O resto são fogos de artifícios, fenomenologia externa.

Sim, Quinta Morada é obrigação de todos. Precisamos querê-la, precisamos querer ser transformados. Não fiquemos dando voltas ao redor do Castelo, ainda nas primeiras Moradas, como se já fosse o bastante. Contentar-se com o mínimo nunca foi bom o bastante em época nenhuma do cristianismo, muito menos na nossa, em que estamos diante da grande perseguição, da grande apostasia. 

Ou estaremos na Quinta Morada, prontos para derramar alegremente o nosso sangue por Cristo, ou não teremos realizado absolutamente nada. Que o Espírito Santo venha sobre nós e nos ilumine, fazendo-nos procurar os meios para viver e chegar à Quinta Morada. Sem isso, nada dará certo.

Recomendações

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.