São José, pai de “mentirinha”?
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 1, 1-17)

Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. Jessé gerou o rei Davi.

Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido a mulher de Urias. Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias; Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia.

Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel; Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacó. Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. Assim, as gerações desde Abraão até Davi são catorze; de Davi até o exílio na Babilônia catorze; e do exílio na Babilônia até Cristo, catorze.

1. O presépio mínimo. — Hoje, dia 17 de dezembro, começamos a reta final de preparação para o Natal do Senhor. O tempo do Advento divide-se em duas partes: uma é de preparação remota; outra, a de agora, é de preparação imediata, entre os dias 17 e 24 de dezembro, durante os quais recitamos as famosas Antífonas do Ó, assim chamadas porque começam com um ó de admiração e exclamação. Hoje, meditamos sobre a sabedoria: “Ó, Sabedoria”, e o Evangelho talvez nos soe um pouco “maçante”, por assim dizer, uma vez que as pessoas têm dificuldade de enxergar que frutos se podem tirar dele. Trata-se da genealogia de Jesus, com a qual começa o evangelho de S. Mateus: “Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Abraão gerou Isaac, Isaac gerou Jacó…” (v. 1). Assim se seguem as listas de gerações até chegarmos finalmente a Jacó, “que gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo”. Eu gostaria de chamar a atenção aqui para S. José. Sim, porque, se vamos celebrar o Natal, precisamos lembrar qual é o presépio mínimo. O presépio mínimo é a Sagrada Família: é Jesus, lá no presépio, junto com Maria e José. São pelo menos essas três figurinhas que devem estar presentes. Mas São José é muitas vezes deixado de lado, quase descartado, porque, afinal, ele não era pai de Jesus… 

2. A paternidade virginal de S. José. — No entanto, é importante reconhecer que a paternidade de José é muito mais profunda do que a biológica. De fato, ao longo dos séculos, esperou-se pelo Filho de Davi. Todo o Antigo Testamento, todos os profetas, todos os judeus fiéis estavam à espera dele. Mas eis que, de repente, nasce Jesus, mas nasce filho de José, não porém como filho biológico. E é por meio de José que se garante a descendência, isto é, a ascendência davídica Nosso Senhor Jesus Cristo. Já paramos para pensar nisso? Se não fosse por S. José, as promessas e a espera do Antigo Testamento teriam caído no vazio. Isso quer dizer que S. José é, de fato, pai de Nosso Senhor Jesus Cristo de uma forma muito profunda e verdadeira, embora não biológica. Assim é Deus, com efeito. Deus, quando pronuncia as coisas, as faz ser como as pronuncia. Nesse sentido, a paternidade virginal de S. José é uma realidade espiritual que Deus lhe infundiu no coração. Sabemos, aliás, pelo relato do Evangelho do Menino Jesus perdido e encontrado no Templo, que o Senhor chamava S. José de pai. É o que se deduz das palavras da Virgem: “Filho, teu pai e eu te procurávamos” (cf. Lc 2, 48). Ora, as palavras de Jesus nunca são palavras vãs. Se Ele diz: “Faça-se a luz”, a luz é feita; se Ele olha para José e diz: “Pai”, José torna-se pai, e ali está a paternidade dele, muito densa espiritualmente, verdadeiramente profunda. Nesse período de preparação para o Natal, deixemo-nos acompanhar por S. José, sigamos com ele para acompanhar a Virgem Maria em seu parto, sabendo que, no coração virginal e puro do santo Patriarca, Deus quer-nos dar um pai zeloso e protetor. Que ele, S. José, terror dos demônios, bastião da Sagrada Família, nos proteja também a nós e nos faça viver sob a sua proteção não só esses dias próximos ao Natal, mas toda a nossa vida. — Ó bondoso e castíssimo S. José, pai virginal de Nosso Senhor Jesus Cristo, também sois nosso pai!

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.