Você atenderá ao pedido de Nossa Senhora?
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Você atenderá ao pedido de Nossa Senhora?

“Aqueles que, durante cinco sábados, ao primeiro sábado se confessarem, recebendo a sagrada Comunhão, rezarem um Terço, me fizerem quinze minutos de companhia meditando os quinze mistérios do Rosário, com o fim de me desagravar, eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todas as graças necessárias”.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 15, 26–16, 4a)

“Quando vier o Defensor que eu vos mandarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim.

E vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o começo. Eu vos disse estas coisas para que a vossa fé não seja abalada. Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que aquele que vos matar julgará estar prestando culto a Deus. Agirão assim, porque não conheceram o Pai, nem a mim. Eu vos digo isto, para que vos lembreis de que eu o disse, quando chegar a hora”.

Estamos comentando as aparições de Fátima, cujo centro ficou conhecido com o nome de “segredo de Fátima”. Trata-se da mensagem que Nossa Senhora deu a Lúcia, Francisco e Jacinta, a qual foi guardada como um segredo, à espera de que Nossa Senhora permitisse sua revelação no tempo oportuno. A mensagem foi dividida em três partes, e é por isso que se fala às vezes de “três segredos”. Na verdade, é uma mensagem só, única, dividida porém em três partes, razão por que não devem ser separadas umas das outras. Como iremos ver, todas elas estão intimamente ligadas. A primeira parte, nós a vimos no sábado passado: Nossa Senhora mostrou o inferno aos pastorinhos. Agora, na segunda parte, Nossa Senhora fala da devoção e da consagração ao seu Imaculado Coração. São como que duas “secções” da mesma parte: de um lado, a devoção; de outro, a consagração. Quanto à consagração, especialmente à da consagração da Rússia, falaremos noutra oportunidade. Hoje, veremos simplesmente a devoção ao Imaculado Coração. Leiamos o texto escrito pela Ir. Lúcia, registrando as palavras de Nossa Senhora. “Vistes o inferno” — referência clara à primeira parte da mensagem — “para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração”. É o centro de tudo: a devoção ao meu Imaculado Coração. Ora, por que Maria quer estabelecer no mundo a devoção ao seu Imaculado Coração? Ela mesmo o diz: “Se fizerdes o que eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz”. Ela está dando o remédio para aquilo que viram no inferno, a saber: milhões de pessoas a precipitar-se no fogo! Maria diz qual é o remédio: é a devoção ao Imaculado Coração. No dia 13 de julho de 1917, quando ela pronunciou essas palavras, sem dar detalhes, disse que viria mais tarde para fazer um pedido: “Virei pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora dos primeiros sábados”. A consagração da Rússia por ora fica de lado. O que nos importa é a segunda parte: “Virei pedir a comunhão reparadora dos primeiros sábados”. E quando Nossa Senhora veio pedi-la? Mais ou menos oito anos depois, quando Lúcia — Francisco e Jacinta já tinham morrido — estava na Congregação das Dorotéias em Pontevedra. (Pontevedra fica na Espanha, quase na divisa norte com Portugal, na região da Galícia, onde está o Santuário de Santiago de Compostela.) Ali, Nossa Senhora apareceu a Lúcia e deu-lhe orientações concretas sobre a comunhão reparadora dos primeiros cinco sábados. Daqui se vê como a mensagem de Fátima é cristocêntrica. De fato, Nossa Senhora, para ensinar a devoção ao seu Imaculado Coração, ensina antes de tudo a comungar. Não é admirável? Queremos agradar o Coração da Mãe, reparando as ofensas feitas a ele? Então comunguemos bem, amemos Jesus. Com isso, estaremos reparando pecados, para a salvação da nossa alma e da de tantos pecadores! Voltemos à aparição de Nossa Senhora em Pontevedra, onde ela ensinou a Lúcia o que devemos fazer. Foi no dia 10 de dezembro de 1925. Apareceu a Virgem e, ao lado dela, numa nuvem luminosa, o Menino Jesus, que, com uma das mãos no ombro dela, mostrava com a outra um Coração cercado de espinhos. O Menino Jesus disse então a Lúcia: “Tem pena do Coração de tua santíssima Mãe, que está coberto de espinhos, que os homens ingratos a todo momento lhe cravam, sem haver quem faça um ato de reparação para os tirar”. Em seguida, Nossa Senhora fez a grande promessa: “Minha filha, eis o meu Coração cercado de espinhos, que os homens ingratos a todos os momentos me cravam, com blasfêmias e ingratidões. Tu, ao menos, vê de me consolar e dize que todos aqueles que, durante cinco sábados, ao primeiro sábado se confessarem, recebendo a sagrada Comunhão, rezarem um Terço, me fizerem quinze minutos de companhia meditando os quinze mistérios do Rosário, com o fim de me desagravar, eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas”. Nossa Senhora ensina aqui o mesmo que ela prometera na segunda parte do segredo de Fátima. Ela tinha dito. “Viste o inferno. Para evitar que essas almas caiam no inferno, quero estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração, e eu virei para ensinar as comunhões reparadoras dos cinco sábados”. Como se faz a comunhão reparadora? Antes de tudo, é preciso estar em estado de graça. Evidentemente, ninguém pode comungar em pecado mortal. Então, é necessário que, no primeiro sábado de cada mês, o fiel esteja em estado de graça e comungue. Note-se que não é preciso confessar-se no sábado. A confissão pode ser feita a qualquer momento, desde que o fiel, no sábado, esteja em estado de graça e faça a comunhão e, quando puder, a confissão com intenção de reparar, ou seja, fazendo da recepção destes sacramentos um ato de amor para com o Coração de Nossa Senhora, a fim de o agradar. É o presente que damos a ela, amando Jesus na comunhão. No sábado, além de comungar, é preciso também rezar o Terço, ou seja, cinco mistérios do Rosário e permanecer quinze minutos em oração íntima, em companhia a Nossa Senhora, meditando os mistérios da Salvação. São essas as quatro obras que devem ser feitas, três delas (comunhão, Terço e meditação) no próprio sábado. O que não precisa ser feito no sábado, repita-se, é a Confissão, bastando estar em graça na hora de realizar as outras obras. Essa é a devoção dos cinco primeiros sábados. Quem ainda não a fez, que a faça o quanto antes. Nossa Senhora disse: isso tudo é para a salvação de nossas almas e das dos pobres pecadores. Quem já a fez deve continuar fazendo. Não é uma devoção para cinco primeiros sábados… “e acabou”. Não. Quem pode, tem devoção e caridade, que a faça muitas vezes, em muitos sábados. Por quê? Porque nós pecamos muitas vezes. Amemos, reparemos, façamos todo o bem que pudermos para com o Coração bondoso e imaculado de nossa Mãe bendita! Além disso, é importante notar o quanto Nossa Senhora em Fátima quer nos ensinar uma forma sublime de amor, um ato sublime de caridade, que é o que nós chamamos de contrição perfeita, ou seja, o arrependimento dos nossos pecados por um motivo elevado, a saber: o fato de que o pecado ofende o S. Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria. Se nos arrependemos, do fundo do coração, de ter ofendido a Deus e a Virgem Maria; se compreendemos que, em cada pecado, cravamos um espinho no Coração de Maria, então realizamos um ato de caridade. E isso é salvação para nós! É por isso que Nossa Senhora nos dará na hora da morte todas as graças necessárias para a nossa salvação. Afinal, uma pessoa que se habitua a arrepender-se de seus pecados por contrição perfeita, na hora da morte verá as portas do céu abertas. É o prêmio de quem tem verdadeira caridade, verdadeira dor por saber que, com os próprios pecados, feriu o Coração bondoso de Maria! O que é, no fundo, o Coração de Nossa Senhora? Na visão, Nossa Senhora mostrou várias vezes o seu Coração cravado de espinhos. Mas trata-se da visualização de uma realidade invisível. Na verdade, o Coração Imaculado representa a alma de Maria, aquela alma amorosa, cheia de caridade, de amor a Deus, alma que, ao ver Deus ofendido, sente-se enormemente ferida; mas que, ao ver Deus amado, enche-se de consolação! É isso, em suma, o Imaculado Coração de Maria.

Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.