CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Por que querem destruir a família?
Sociedade

Por que querem destruir a família?

Por que querem destruir a família?

Leia este texto e entenda por que, na luta pela família, está em jogo o destino do próprio ser humano.

Equipe Christo Nihil Praeponere12 de Agosto de 2015
imprimir

Os debates travados recentemente nas casas legislativas de todo o país – por conta da inclusão da "ideologia de gênero" nos Planos Municipais de Educação –, dão ensejo para que se pergunte por que, afinal, alguns indivíduos querem destruir a família. Já soaria absurdo se uma única pessoa se propusesse a fazê-lo – não tanto pela magnitude do trabalho que deveria empreender, mas pela própria insanidade que tal ideia carrega consigo. Que dizer, então, de um grupo estrategicamente organizado de pessoas determinadas justamente para esse fim?

Cabe dizer, em primeiro lugar, que não se trata de "história da carochinha" ou "teoria da conspiração". Existem, de verdade, movimentos ideologicamente comprometidos com a destruição da família. De Engels, no final do século XIX – para quem o casamento monogâmico não passa de uma "forma de escravização de um sexo pelo outro" [1] –, até as autoras feministas contemporâneas – como Kate Millett, que pede o fim de tabus como "a homossexualidade" e "as relações sexuais pré-matrimoniais e na adolescência", tendo em vista o desaparecimento da família [2]: são inúmeros os documentos que comprovam haver uma elite intelectual articulada para fazer sumir da face da terra a instituição familiar. Não é porque a Rede Globo ou os principais canais de notícias não reportam essas coisas, que elas deixam de ser verdadeiras. Levando em conta que é a própria mídia a promover certos hábitos e estilos de vida, facilmente se entende o porquê de seu silêncio.

Para entender, todavia, o que está na raiz do pensamento contrário à família, é preciso reconhecer o problema antropológico que o precede. Antes que se insurgissem contra o casamento, os arquitetos da engenharia social em curso traçaram o seu próprio conceito de ser humano – um conceito que, embora seja uma visão distorcida da realidade, já esteve em voga noutras épocas. Trata-se da separação radical entre o corpo e a alma. "O filósofo que formulou o princípio 'cogito, ergo sum' (penso, logo existo), acabou por imprimir à concepção moderna do homem o caráter dualista que a caracteriza. É típico do racionalismo contrapor radicalmente, no homem, o espírito ao corpo e o corpo ao espírito." [3]

Pela revelação divina, porém – como também pela razão natural [4] –, o homem pode compreender que é substancial e simultaneamente a junção de duas realidades: uma material, a que se chama corpo, e outra espiritual, a que se chama alma. Essa é a chave para entender o matrimônio como o único "significado teleológico intrínseco e adequado da sexualidade humana" [5] – já que é o único lugar em que são satisfeitos tanto o aspecto procriativo quanto o aspecto unitivo do ato sexual. Só no casamento o sexo pode ser vivido levando em conta a integridade do ser humano.

Serve como prova dessa verdade a curiosa e notável diferença que há entre o comportamento sexual dos animais e o da espécie humana. Diferentemente dos cachorros, dos coelhos ou dos macacos, que acasalam para procriar e estão plenamente satisfeitos depois do coito, o homem é capaz de fazer obstinada e repetidamente o mesmo ato sexual, em busca de um "algo mais" que não é possível encontrar na mera união dos corpos. Daí vem aquela terrível sensação de vazio depois do chamado "sexo casual". Trata-se de um clamor silencioso da alma, alertando que a sexualidade humana é muito mais que uma realidade animal.

Por outro lado, homens também não são anjos. No outro extremo do dualismo moderno, está a mentalidade gnóstica de que "o espírito é bom, mas a carne é má". Aqui deitam as raízes de uma ideologia que pretende eliminar as diferenças entre os sexos masculino e feminino, pois vê no homem "só espírito e vontade" [6], podendo a sua natureza ser manipulada como lhe apetece.

Não surpreende que uma das pioneiras da agenda de gênero, a feminista Margaret Sanger, estivesse ligada a grupos de matriz antropológica esotérica e gnóstica. Para acreditar nessas teorias insanas, de fato, é preciso ser profundamente religioso. Seja a "revolução sexual" utópica prevista por Shulamith Firestone – depois da qual "as diferenças genitais entre os seres humanos não mais importariam culturalmente" [7] –, seja o mito do "homem andrógino" da teosofia: nunca a modernidade esteve tão próxima dos falidos cultos pagãos e gnósticos da Antiguidade.

O Papa Francisco mostrou captar a essência dessa ideologia quando apontou, em sua encíclica Laudato Si', para a necessidade de se "ter apreço pelo próprio corpo na sua feminilidade ou masculinidade". Em uma referência inequívoca à "teoria do gênero", o Papa escreveu que "não é salutar um comportamento que pretenda cancelar a diferença sexual, porque já não sabe confrontar-se com ela" [8].

No fundo – como alertou certa feita o Papa Bento XVI –, "na luta pela família, está em jogo o próprio homem" [9]. Não se destrói a célula mater da sociedade sem que se atinja de modo irreversível o ser humano. E esse processo, tragicamente, não é um desencadeamento natural ou simples obra do zeitgeist (o "espírito dos tempos"). Ao contrário, trata-se de um trabalho meticulosamente articulado e muito bem medido para implantar um projeto cruel e perverso de poder.

Não acredita? Então, estude! Não é preciso um ato de fé para dar crédito às verdades explicadas aqui. Consultar a bibliografia indicada logo abaixo pode ser um bom começo para entender de vez por que, afinal, querem acabar com a sua família. Mãos aos livros!

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Imagens chocantes denunciam tráfico de órgãos de bebês humanos nos EUA
Pró-VidaNotícias

Imagens chocantes denunciam tráfico
de órgãos de bebês humanos nos EUA

Imagens chocantes denunciam tráfico
de órgãos de bebês humanos nos EUA

Por trás do tráfico de tecidos fetais mantido pela maior organização abortista dos Estados Unidos, esconde-se um tema ainda mais espinhoso: a banalização da própria vida humana.

Equipe Christo Nihil Praeponere7 de Agosto de 2015
imprimir

Nas últimas semanas, a Planned Parenthood Federation of America (PPFA), a maior provedora de abortos dos Estados Unidos, foi alvo de uma denúncia, realizada pela associação pró-vida Center for Medical Progress (CMP), segundo a qual as suas clínicas estariam se beneficiando economicamente da venda de órgãos e tecidos de bebês abortados – a qual é punida como crime federal, segundo a lei americana.

Até o momento, cinco vídeos foram divulgados. Eles foram filmados por investigadores do CMP, que se disfarçaram de integrantes de uma companhia de biologia humana. Durante as conversas com altos funcionários da Planned Parenthood – às quais se seguiram incursões no interior das próprias clínicas da organização –, há cenas e declarações realmente assustadoras, que fariam corar os abortistas mais entusiastas (não fossem tão grandes a sua deformação moral e obstinação no erro).

No primeiro vídeo, publicado no dia 14 de julho e sobre o qual já se falou aqui, a diretora sênior da PPFA, Dra. Deborah Nucatola, admite tranquilamente – enquanto degusta um vinho e come uma salada – que os médicos da instituição adaptam o procedimento de aborto, a fim de assegurar que os órgãos requeridos pelas indústrias de "experimentação fetal" não sejam destruídos. "Eu não vou destruir essa parte. Vou basicamente quebrar embaixo, em cima e ver se consigo pegar tudo intacto", eles dizem.

Nucatola também revela como Planned Parenthood faz para burlar a lei norte-americana que proíbe o aborto realizado "por nascimento parcial". Em um procedimento desse gênero, assim como nos métodos mais usados de dilatação e evacuação, o colo do útero da mulher é dilatado com pequenas lâminas que expandem gradualmente. Então, ela é mandada para casa. A morte e retirada do feto, propriamente ditos, são feitos um dia ou dois depois da introdução das lâminas, quando elas tiveram tempo suficiente para expandir.

Esse método de aborto foi proibido nos Estados Unidos por meio do Partial-Birth Abortion Ban Act, de 2003, assinado pelo então presidente George W. Bush. Para os aborteiros da PPFA, no entanto, "a proibição do aborto parcial é uma lei e leis podem ser interpretadas", revela Nucatola. "Então, se eu digo que no primeiro dia não tenho a intenção de fazer isso, o que acontece no fim não importa."

Uma semana depois, no dia 21 de julho, o CMP divulgou mais um vídeo. A protagonista da vez foi a presidente do conselho de diretores da Planned Parenthood, Dra. Mary Gatter. Perguntada pelos atores "quanto ela esperaria por um tecido (fetal) intacto", ela rebate: " Bem, por que não começa você me dizendo o quanto está acostumado a pagar?"

Embora ela reitere várias vezes que "não estamos nisso pelo dinheiro" e que "o dinheiro não é o importante", o diálogo se transforma em um verdadeira negociação. O acordo evolui de 75 para 100 dólares por amostra, mas, ao fim do almoço, Gatter sugere que o preço não é suficiente. "Deixe-me apenas saber quanto outros estão ganhando, e se estiver na faixa, então está bem, mas se ainda estiver baixo, então podemos subir o valor", ela diz. "Eu quero uma Lamborghini."

No dia 28 de julho, foi lançado o primeiro vídeo de um documentário chamado Human Capital, com a participação especial da flebotomista Holly O'Donnell. Essa jovem foi contratada pela companhia de biotecnologia Stem Express, ligada ao tráfico de órgãos e tecidos mantido pela PPFA. "Eu pensava que iria apenas extrair sangue, não retirar tecido de fetos abortados", ela conta.

Em seu primeiro dia de trabalho em uma clínica da Planned Parenthood, ela entrou em choque quando lhe pediram que dissecasse um feto recém-abortado. Por seis meses, o seu trabalho era identificar mulheres grávidas que preenchessem as condições dos pedidos feitos pela empresa de tecidos. Depois do procedimento, ela coletava o material. "Por qualquer coisa que adquiríssemos, eles obtinham uma certa porcentagem", ela afirma. "A enfermeira principal estava sempre confirmando se tínhamos pego nossas amostras. Ninguém além dela se importava, porque ela sabia que Planned Parenthood estava faturando com isso."

O quarto vídeo da série foi publicado no último dia 30 e é "estrelado" pela diretora médica da clínica de Rocky Mountains, Dra. Savita Ginde. Em uma das declarações mais chocantes de toda a investigação, ela deixa subentendido que a sua clínica também coleta tecidos de bebês nascidos vivos. "Se algumas (mulheres) dão à luz antes que a gente consiga examiná-las para um procedimento – ela diz –, então eles (os bebês) saem intactos".

Dentro do laboratório de uma clínica, enquanto alguns funcionários usam um prato para separar pedaços do corpo de um feto, Ginde diz aos falsos compradores que preferiria receber o pagamento pela parte do corpo coletada, ao invés de uma taxa fixa padrão para todo o material. "Eu acho que um negócio por peça funciona um pouco melhor, porque assim podemos ver o quanto podemos ganhar com isso", ela afirma.

Ao fim do vídeo, uma voz no fundo revela o sexo da criança que acabou de ser assassinada: " It's another boy! – É outro menino!".

No mais novo vídeo, divulgado esta semana pelo CMP, Melissa Farrell, diretora de pesquisa da filial da PPFA em Gulf Coast, admite que os aborteiros algumas vezes conseguem corpos "intactos" de bebês para coleta de órgãos e experimentação científica. Para tanto, eles adaptam o procedimento de aborto, a fim de atender aos pedidos das companhias de biologia. "Alguns dos nossos médicos", ela conta, "fazem isso de modo a conseguir as melhores amostras, então, eu sei que isso pode ser feito."

Farrell diz aos falsos compradores que eles poderiam receber as partes que quisessem, contanto que a companhia pagasse mais por uma melhor qualidade das amostras e pelo esforço extra dos aborteiros. "Se nós alterarmos nosso processo – e nós somos capazes de obter cadáveres fetais intactos –, podemos incluir isso no orçamento" para cobrir "as dissecações" e "dividir as amostras em várias remessas", ela diz. "Tudo não passa de uma questão de alinhar os itens."

Os últimos minutos do vídeo mostram imagens exclusivas dos investigadores dentro de um laboratório da PPFA, vasculhando as partes de um bebê de 20 semanas. No prato, é possível ver mãozinhas e pezinhos claramente desenvolvidos, enquanto o investigador levanta um pequeno pulmão com uma pinça. "Às vezes eles saem realmente intactos", diz uma aborteira aos falsos compradores.

Aparentemente, há ainda outros vídeos para serem publicados, mas esses são suficientes para mostrar a indústria de morte por trás da Planned Parenthood. "Qualquer um que assista a esses vídeos sabe que a organização está envolvida em práticas bárbaras e abusos de direitos humanos que têm que acabar", diz David Daleiden, o homem por trás das câmeras da CMP. "Não há nenhum motivo para que uma organização que se serve de métodos ilegais de aborto para vender partes de bebês e comete esse tipo de atrocidades contra a humanidade ainda receba mais de 500 milhões de dólares todos os anos dos contribuintes americanos."

A associação Center for Medical Progress, bem como várias outras organizações pró-vida dos Estados Unidos, estão usando os vídeos em questão para pedir a retirada de fundos da PPFA. O governo Obama é parceiro da empresa e já apareceu publicamente defendendo os serviços prestados por ela. Se fica comprovado que a organização está lucrando com o tráfico de órgãos e tecidos humanos – prática que é proibida pela legislação penal norte-americana –, é mais fácil pedir o fim do seu financiamento.

O que está em jogo

Embora o debate nos EUA pareça concentrar-se em uma questão meramente técnica – se a Planned Parenthood está ou não lucrando com o comércio de fetos abortados –, o que está em jogo é uma realidade muito mais séria, que diz respeito à própria dignidade da vida humana.

Os homens do século XXI já não veem mais a pessoa humana como um ente sagrado. Habituaram-se a tratar alguns indivíduos – nomeadamente, os embriões e os não-nascidos – como "cidadãos de segunda categoria". É isso o que está por trás do aborto e do tráfico de cadáveres humanos mantido pela PPFA. Se o que eles fazem com os tecidos e os órgãos de um feto fosse feito com um ser humano adulto, brutalmente assassinado e manipulado para satisfazer os desejos de um comércio ilegal, a sociedade certamente se escandalizaria. (Talvez não tanto quanto se comoveu com o caso do leão Cecil, no Zimbábue, mas isso é tema para outro artigo.) Por que, então, não reage à manipulação de embriões humanos e à venda de partes de seus cadáveres? Qual a diferença essencial entre um ser humano não-nascido e um adulto?

A resposta científica é: nenhuma. No juízo do reconhecido geneticista Dr. Jérôme Lejeune, "se um óvulo fecundado não é por si só um ser humano, ele não poderia se tornar um, pois nada é acrescentado a ele".

A resposta moderna, no entanto, reproduz um argumento perverso, argumento que levou milhões às câmaras de gás e aos gulags soviéticos no século passado. É o discurso de que algumas pessoas merecem viver mais do que outras. Se, antes, a eugenia discriminava por origem étnica ou condição social, agora segrega os indivíduos por sua idade: "se nasceu, vive; se não nasceu, pode matar". Essencialmente, porém, os crimes são os mesmos: genocídio em massa, abuso e descarte de seres humanos, desprezo pela vida dos mais frágeis.

Contra uma civilização que suprime diretamente e sem nenhum remorso a vida de seus membros indefesos, é inútil lembrar que "os cadáveres de embriões ou fetos humanos, voluntariamente abortados ou não, devem ser respeitados como os restos mortais dos outros seres humanos" [1]. Quem não entende por que jamais se pode provocar diretamente a morte de um inocente [2] – nem para alegadamente salvar a própria vida, quanto menos para consolidar um pretenso "progresso científico" –, tampouco entenderá por que não se pode manipular arbitrariamente o coração, as vísceras e os membros de um corpo humano.

Talvez algumas pessoas não percebam a gravidade dos vídeos exibidos acima, e a alguns cheguem a soar "alarmistas" as críticas dos pró-vida à Planned Parenthood. Isso é o sinal de que, nessa matéria, estamos muito perto do fundo do poço – se é que ele tem fundo.

Que Deus tenha misericórdia de nós.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Documentos citados durante Audiência Pública no Senado
NotíciasPró-Vida

Documentos citados durante
Audiência Pública no Senado

Documentos citados durante
Audiência Pública no Senado

Quem quer o aborto no Brasil? De onde vem o financiamento para essa causa? Estude e descubra o que está por trás da agenda do aborto.

Padre Paulo Ricardo6 de Agosto de 2015
imprimir

Em sua fala durante a Audiência Pública no Senado (06/08), Padre Paulo Ricardo convidou as pessoas a um estudo sobre o tema do aborto e sobre o financiamento dessa agenda pelas fundações internacionais. 

Seguem os materiais e livros indicados:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Por que a “educação sexual” não é a solução
Educação

Por que a “educação
sexual” não é a solução

Por que a “educação
sexual” não é a solução

Em um mundo tomado pela pornografia e pela sexualização cada vez mais precoce, não nos resta outro caminho senão educar os jovens para o amor.

Equipe Christo Nihil Praeponere5 de Agosto de 2015
imprimir

Falou-se aqui, há alguns dias, que a pornografia está construindo a "cultura do estupro". É que os homens, imersos no universo do sexo pornográfico, olham para o ato sexual cada vez mais como uma "oportunidade". O que interessa é alcançar o clímax sexual, sejam quais forem os meios. Nessa lógica, as mulheres – que deveriam ser as suas companheiras de vida, respeitadas e amadas – se convertem em mero "instrumento" para a obtenção de um prazer fácil e passageiro.

Transformadas, assim, em objeto de satisfação do ego masculino, a sua dignidade e liberdade são abusivamente jogadas na lata do lixo – primeiro, na mente masculina, deformada pela constante exposição a material pornográfico; depois, na vida real, por meio de abusos concretos. Não existe fronteira que separe o território da pornografia do império da violência.

A pergunta é – e é este o tema deste texto: como solucionar esse problema? No mesmo artigo publicado em The Telegraph, falando sobre a ruína total da adolescência por conta da pornografia, Claire Lilley oferece uma sugestão perigosa para o problema. Para a ativista britânica, cabeça da NSPCC (sigla em inglês para "Sociedade Nacional de Prevenção à Crueldade com Crianças"), o governo deveria ser acordado "para assegurar que os jovens recebam lições claras sobre relações sexuais saudáveis".

A jornalista Allison Pearson, comentando a ideia de Lilley, faz notar, ironicamente, que, no enfrentamento desse problema, de nada adiantam "demonstrações de como colocar camisinha em uma banana".

As suas palavras acendem um alerta para o mundo e fazem recordar um ensinamento da Igreja para o qual o mundo virou as costas. Em 2009, durante viagem a África, o Papa Bento XVI foi questionado se o modo de a Igreja enfrentar a AIDS não era "irrealista e ineficaz", ao que ele afirmou que não se pode superar os problemas relacionados à sexualidade simplesmente com "a distribuição de preservativos". Ao contrário – dizia ele –, eles só "aumentam o problema" [1].

Escândalo! Quando o Papa ousou dizer o óbvio – já atestado inclusive por um especialista no assunto –, o mundo ocidental rasgou as vestes. Mas é isso mesmo. Não se pode simplesmente descartar "as verdades resultantes do conhecimento natural (...), mesmo que essas verdades sejam contemporaneamente ensinadas por uma religião específica, pois a verdade é uma só" [2]. Não é preciso ser católico para reconhecer que uma capa de látex não é solução nenhuma para a decadência moral da sociedade.

Também é muito fácil perceber por que distribuir camisinhas só faz aumentar o problema da degradação sexual. Sem "uma humanização da sexualidade", que renove o homem espiritualmente e "inclua um novo modo de comportar-se um com o outro" [3], a camisinha só torna mais fácil a conquista do prazer venéreo, sem que ele esteja ligado a nenhuma consequência. O preservativo é um material que diz: "Eu uso você, depois me levanto e vou embora". Pode até preservar o casal envolvido de ter um filho ou pegar uma DST, mas não preserva o casal da chaga do egoísmo, nem evita que o ser humano seja destruído em sua dignidade. É apenas uma solução aparente e externa para um problema muito mais profundo, que diz respeito à própria alma humana.

Qual a salvação, então? – alguém perguntará. – Aulas de "educação sexual"? – Absolutamente, não. Ninguém precisa "aprender a fazer sexo". Nenhum ser humano – muito menos uma criança – precisa ser exposto a professores "colocando camisinhas em bananas" ou ensinando a masturbação, sob o pretexto de "prevenção" ou conhecimento do próprio corpo. As pessoas não são descartáveis, sexo não é parque de diversões e, acrescente-se, escolas não são para isso.

O que o homem precisa é ser educado para o amor. É aprender de seu pai como se deve tratar uma dama e sustentar uma família; é receber de sua mãe como se deve ornar o próprio corpo e cuidar do seu lar; é ver na sua casa o sentido por trás de toda a sexualidade humana. Porque o homem não é um animal como qualquer outro. Para além de seu corpo, existe nele uma alma, alma esta que, sem amor, jamais poderá ser plenamente saciada.

A despeito de uma sociedade que considera "normal" vender o próprio corpo e de uma cultura que vulgarizou o sexo e esvaziou totalmente o significado do amor, urge resistir valorosamente, ensinando às crianças – principal e primeiramente dentro de casa – que o mundo real, criado por Deus, não é como ensinam os filmes de Hollywood ou as novelas da Rede Globo. Os jovens precisam descobrir, desde a mais tenra idade, a equação divina inscrita no coração do homem: sexo é sinônimo de família.

Por isso, a solução para o mal da pornografia e para a banalização da sexualidade só tem um nome: família. Enquanto os laços familiares não forem restaurados, não será possível tirar a humanidade do lamaçal de pecado e destruição em que ela se encontra. Que ressoe bem forte nos corações dos pais e educadores o apelo vibrante do Papa São João Paulo II: "Família, torna-te aquilo que és!" [4].

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.