CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

300. A Quaresma de São Miguel

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
19, 16-22)

Naquele tempo, alguém aproximou-se de Jesus e disse: "Mestre, que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?" Jesus respondeu: "Por que me perguntas sobre o que é bom? Um só é o Bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos". O homem perguntou: "Quais mandamentos?" Jesus respondeu: "Não matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não levantarás falso testemunho, honra teu pai e tua mãe, e ama o teu próximo como a ti mesmo".
O jovem disse a Jesus: "Tenho observado todas essas coisas. Que ainda me falta?" Jesus respondeu: "Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me". Quando ouviu isso, o jovem foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

Tem início hoje a conhecida Quaresma de São Miguel, período de penitência que os fiéis livre e generosamente decidem percorrer como forma de preparação para a festa dos Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, a celebrar-se em fins de setembro. Apesar de não ser um tempo "oficial" dentro do Ano Litúrgico, o costume bastante piedoso de mortificar-se ao longo dos quarenta dias antecedentes à festa de São Miguel vem desde pelo menos o século XIII e conta entre os seus principais propagadores com ninguém menos que São Francisco, o poverello de Assis. Trata-se, com efeito, não de uma obrigação, à qual todos os fiéis cristãos — pelo dever de penitência que os obriga e pela obediência devida filialmente à Igreja — tem de submeter-se, mas de uma decisão livre e generosa por fazer um pouco mais, por ir um pouco além daquilo que, por dever de justiça, nos é exigido. É meio de crescermos no amor a Deus, amando-O não apenas com um amor servil — que, embora imperfeito, não se pode desprezar —, mas com um amor verdadeiramente filial, com um amor de quem O ama como a um Pai muito querido. É meio de darmos, enfim, aquele passo a mais que Jesus pede ao jovem rico no Evangelho de hoje. Não nos limitemos a guardar os mandamentos; antes, amemos generosa e abundantemente, dando tudo o que temos e possuímos, com um espírito pobre que só deseja amar e servir ao seu Senhor.

Download do Material

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.