Deus armou entre nós a sua tenda
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 1,1-18) 

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. No princípio estava ela com Deus. Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito.

Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la. Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano.

A Palavra estava no mundo — e o mundo foi feito por meio dela — mas o mundo não quis conhecê-la. Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram.

Mas, a todos que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, pois estes não nasceram do sangue nem da vontade da carne nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo.

E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. Dele, João dá testemunho, clamando: “Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim”. De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. Pois por meio de Moisés foi dada a Lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. A Deus, ninguém jamais viu. Mas o Unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.

Deus nos traz hoje, pelo coro majestoso dos anjos, uma grande alegria: Não temais, diz o emissário celeste à turba atemorizada de pastores, eis que vos anuncio uma boa-nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor” (Lc 2,10s). Eis a boa-nova, eis o evangelho que hoje nos é anunciado: nasceu-nos por fim, na cidade de Belém, o Cristo, nosso Salvador. Sim, o nascimento de Cristo é para todo o povo uma grande alegria. Mas os evangelistas, inspirados pelo Espírito divino, fazem questão de anotar que nem todos reagiram com júbilo ao anúncio deste nascimento. Mateus, por exemplo, fala-nos da fúria com que Herodes, ao ouvir dos magos que acabara de nascer o rei dos judeus, mandou exterminar em Belém todos os meninos até os dois anos (cf. Mt 2,16). E não só Herodes: com ele, toda Jerusalém ficou perturbada (cf. Mt 2,3). Também nós, em alguma medida, deveríamos hoje ficar “perturbados”, porque o nascimento que celebramos é o do nosso Salvador, que veio pôr a nu os nossos pecados, revelando toda a feiura deles no horror de sua paixão, e exigir de nós, não sem nos conceder o auxílio da graça, uma profunda mudança de vida. Sim, é-nos anunciada hoje uma grande alegria, mas uma alegria que nada tem de “anestésica”, que não é um simples dar de ombros, em nome de uma suposta “paz” entre os homens e as religiões, ao erro e ao pecado. Não é a “alegria” anódina e sensaborona de um Natal de mesa farta, e corações vazios. Hoje nasceu para nós o Salvador, que é Cristo Senhor, e não outro, porque não há nenhum um nome pelo qual possamos ser salvos além do dele. Trata-se de um alegria “incômoda”, porque a alegria de todo nascimento é sempre precedida pelas angústias do parto. Na santíssima e toda pura Teotóco, é verdade, o dar Jesus à luz foi exceção à dolorosa regra a que toda parturiente está sujeita; em nós, ao contrário, o nascimento espiritual de Cristo, para dar o fruto gozoso de sua plena maturidade em nossas almas, há antes de ser doloroso. Por isso, que os nossos corações, nos quais há sempre um pouco do egoísmo fechado de Herodes e da cândida confiança dos pastores, se deixe hoje incomodar por esta Natividade, que, se nos fere o orgulho e exige conversão, nos traz também as maiores delícias que teremos tanto nesta quanto na outra vida. Acolhamos a Cristo, que hoje quer nascer em nossas almas; acolhamo-lo no presépio do nosso espírito e corramos, de almas limpas, a adorá-lo e servi-lo doravante com uma vida nova e reta aos seus olhos.

Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.