CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1143. É Jesus ressuscitado que está na Eucaristia

Na Missa, Jesus não volta a sofrer as dores do Calvário, senão que renova o mesmo ato de amor com que outrora, pela efusão do seu Sangue, Ele se ofereceu ao Pai pelo gênero humano, a fim de nos arrancar do poder das trevas e transportar-nos ao seu Reino de luz.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 24, 35-48)

Naquele tempo, os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!”

Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho”.

E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele o tomou e comeu diante deles. Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.

Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, e lhes disse: “Assim está escrito: o Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia e no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

Ontem, meditávamos sobre a presença de Cristo nas SS. Escrituras: Ele mesmo, a caminho de Emaús com dois de seus discípulos, lhes ia aquecendo o coração enquanto explicava a Lei e as profecias a seu respeito. Hoje, o Evangelho nos fala de sua presença na SS. Eucaristia, ao dizer logo nos versículos iniciais: “Os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão”. Em toda Missa, com efeito, Jesus se faz presente. Ora, é verdade que, pela oração consecratória do pão e do vinho, se renova o único e mesmo sacrifício da cruz. No entanto, a presença que pela fé reconhecemos debaixo das espécies sacramentais não é a presença de Cristo padecente, mas a de Cristo ressuscitado. Isso significa que o divino sacrifício da Missa é verdadeiramente propiciatório, já que pelas palavras “Isto é o meu Corpo” e “Este é o cálice do meu Sangue” é “incruentamente imolado o mesmo Cristo que se ofereceu, uma só vez, de maneira cruenta no altar da cruz” (DH 1743). Em outras palavras, na Missa o nosso Salvador não volta a sofrer as mesmas dores do Calvário, mas renova o mesmo ato de amor com que, pela efusão do seu Sangue, Ele se ofereceu outrora ao Pai pelo gênero humano, arrancando-nos do poder das trevas e transportando-nos ao seu Reino de luz (cf. Cl 1, 13). Em cada Missa, portanto, “uma só e mesma é a vítima, pois quem agora se oferece pelo ministério dos sacerdotes é o mesmo que então se ofereceu na cruz; só o modo de oferecer é diverso” (DH 1743). Por isso, pela oblação pura e incontaminável dos nossos altares é verdadeiramente renovada a nossa Redenção, sem que com isso se renovem os sofrimentos do Redentor, de modo que a presença sacrossanta que adoramos sob as espécies eucarísticas não deve entender-se, de forma alguma, como a presença morta de Cristo, mas como a presença viva do Ressuscitado. Com essa verdade bem guardada em nossos corações, façamos da nossa participação na Santa Missa uma experiência mais profunda e mais consciente de fé. Todos os dias, seja em nossa paróquia ou num oratório privado, temos a oportunidade de submergir no mesmo mistério que há dois mil anos teve lugar; na Missa, o presente, o passado e o futuro se unem num único ato sacrifical de Nosso Senhor, que se oferecendo de uma vez para sempre na cruz redimiu os homens de todos os tempos e lugares, e Ele quer hoje, na nossa humilde presença, renovar de modo visível o mesmo amor com que tanto nos amou em sua hora final.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.