CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

1150. Festa de São Filipe e São Tiago

O mesmo Deus que é o autor das SS. Escrituras é o autor da Tradição oral concernente tanto à fé como aos costumes que, proveniente da boca de Cristo ou ditada pelo Espírito Santo e conservada na Igreja Católica por sucessão contínua, constitui uma fonte autêntica da Revelação divina.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 14, 6-14)

Naquele tempo, Jesus disse a Tomé: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim. Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”.

Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!” Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces, Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai’? Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. Acreditai-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras. Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei”.

A Igreja comemora hoje a festa dos santos Apóstolos Filipe e Tiago Menor, cujas relíquias encontram-se na Basílica dos Doze Apóstolos, em Roma. Oriundo de Caná da Galiléia, S. Tiago era primo de Nosso Senhor e foi o primeiro bispo de Jerusalém; dá-se-lhe o apelativo de “Menor” para o distinguir de outro Tiago, irmão de S. João. S. Filipe, por sua vez, era de Betsaida e, segundo antigas tradições, parece ter exercido o ministério apostólico na Frígia, vindo a morrer em Hierápolis em data incerta. E as leituras que nos propõe a Liturgia de hoje para esta comemoração são mais do que oportunas em tempo de Páscoa. A primeira delas, com efeito, contém um dos escritos mais antigos acerca da Ressurreição de Jesus Cristo. Trata-se da primeira carta de S. Paulo aos coríntios, escrita por volta da década de 50 d.C., apenas vinte anos após os acontecimentos pascais. Nela, é de grande valor doutrinal a menção explícita à Tradição oral que a Igreja desde sempre reconheceu como fonte autêntica da Revelação divina ao lado das SS. Escrituras. De fato, na época em que 1Cor foi escrita, não havia ainda o que conhecemos hoje por Bíblia, salvos os livros do Antigo Testamento, pois com exceção talvez de alguma outra epístola paulina, mal havia começado a redação do Novo. Aqui, S. Paulo alude claramente à pregação oral como meio autêntico de ter acesso ao Evangelho de Cristo: “Quero lembrar-vos o Evangelho que vos preguei e que recebestes, e no qual estais firmes. Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi pregado por mim. De outro modo, teríeis abraçado a fé em vão” (1Cor 15, 1-2). E acrescenta, logo em seguida, que ele mesmo, além das luzes que recebeu de Cristo, foi evangelizado graças à pregação dos que foram testemunhas oculares do Senhor: “Com efeito, transmiti-vos, em primeiro lugar, aquilo que eu mesmo tinha recebido” (1Cor 15, 3). Ainda não se tinham posto por escrito os livros do Novo Testamento nem tinham os fiéis acesso a uma edição acabada da Bíblia, e S. Paulo já falava de Tradição e de seu valor normativo: “A saber, ‘que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras’; e que apareceu a Cefas e, depois, aos Doze. Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram. Depois, apareceu a Tiago” (1Cor 15, 4-7), irmão de Jesus, testemunha autorizada de quem o Apóstolo mesmo deve ter ouvido (cf. Gl 1, 19) coisas maravilhosas sobre a vida e a personalidade de Nosso Senhor. — Que saibamos manter-nos firmes no Evangelho que nos foi transmitido e, a exemplo deste santos Apóstolos, estejamos dispostos a dar o próprio sangue pelas verdades contidas nas SS. Escrituras e na Tradição divino-apostólica, duas fontes complementares da única e imutável Revelação divina.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.