CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 2, 13-18)

Depois que os magos partiram, o Anjo do Senhor apareceu em sonho a José e lhe disse: “Levanta-te, pega o menino e sua mãe e foge para o Egito! Fica lá até que eu te avise! Porque Herodes vai procurar o menino para matá-lo”. José levantou-se de noite, pegou o menino e sua mãe, e partiu para o Egito. Ali ficou até a morte de Herodes, para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Do Egito chamei o meu Filho”. Quando Herodes percebeu que os magos o haviam enganado, ficou muito furioso. Mandou matar todos os meninos de Belém e de todo o território vizinho, de dois anos para baixo, exatamente conforme o tempo indicado pelos magos. Então se cumpriu o que foi dito pelo profeta Jeremias: “Ouviu-se um grito em Ramá, choro e grande lamento: é Raquel que chora seus filhos, e não quer ser consolada, porque eles não existem mais”.

No sangue derramado pelos Santos Inocentes que hoje comemoramos, dentro desta Oitava de Natal, a Igreja sempre reconheceu a ação livre e providencial de Deus, que tem os seus eleitos e pode conceder, mesmo a simples infantes, a graça de dar testemunho de Cristo, Nosso Senhor. Todos aqueles meninos “de Belém e de todo o território vizinho”, mortos pela inveja e a sede de poder de um rei ímpio, foram inseridos no mistério redentor daquele outro Menino, nascido havia pouco e pelo qual seriam cumpridas as promessas de salvação que Deus fizera a seu povo. É somente no sangue deste Menino, derramado na circuncisão, na agonia do horto, na flagelação, na coroação de espinhos e na crucificação, que temos — como diz o Apóstolo S. João — a remissão de nossas culpas e a purificação de todo pecado (cf. 1Jo 1, 7). Reconhecemos, pois, naquele Menino a Deus feito homem, submetido voluntariamente às nossas fraquezas, a fim de, podendo sofrer por nós em sua carne passível, ser “vítima de expiação pelos nossos pecados, e não só pelos nossos, mas também pelos pecados do mundo inteiro” (1Jo 2, 2). Aquele Menino divino, que poderia ter-nos salvado com um só choro, quis no entanto amar-nos até o fim, até o extremo de entregar-se por nós em holocausto de amor. Apoiados na graça que Ele a tanto custo nos mereceu, não deixemos de corresponder a este amor salvífico que o Senhor, do presépio até a cruz, demonstrou por cada um de nós. Que a Virgem SS., com seus rogos de Mãe, alcance-nos dele as disposições de fé e de amor que, por um prodígio da graça, Deus conferiu ao coração dos Santos Inocentes na hora de seu glorioso martírio.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.