Memória de São Carlos Borromeu
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 14, 25-33)

Naquele tempo, grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, ele lhes disse: “Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo.

Com efeito: qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar? Caso contrário, ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar. E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo: ‘Este homem começou a construir e não foi capaz de acabar!’

Ou ainda: Qual rei que, ao sair para guerrear com outro, não se senta primeiro e examina bem se com dez mil homens poderá enfrentar o outro que marcha contra ele com vinte mil? Se ele vê que não pode, enquanto o outro rei ainda está longe, envia mensageiros para negociar as condições de paz. Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!”

V. 26. A ordem da caridade. — “Inflama-se a alma ao ouvir quais são os prêmios celestes e já deseja estar lá, onde espera ser feliz para sempre; mas não se pode chegar a grandes prêmios a não ser por grandes trabalhos. Por isso se diz: Grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, Ele lhes disse: Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe etc., não pode ser meu discípulo (S. Gregório). “E porque muitos dos acompanhantes O seguiam não com todo o afeto, mas tepidamente, por isso lhes mostra como hão de ser seus discípulos” (Teofilacto), quer dizer, de todo entregues ao amor do Mestre, a ponto de aborrecer o amor dos de casa. Mas é lícito perguntar-se: como é possível que se nos mande odiar pais e parentes, se somos obrigados a amar os inimigos? Aqui, nota Suárez, quem não odeia significa quem não ama menos seu pai ou sua mãe do que a mim (cf. De concursu Dei II 5), como se lê noutros lugares: Mas odiei Esaú, isto é, amei-o menos do que a Jacó (cf. Ml 1, 2s; Rm 9, 13); logo, não manda Cristo que odiemos nossa família, mas não que não a amemos mais do que a Ele, mas nele e por Ele, pois assim exige a ordem da caridade. “Com efeito, se por tua causa o Senhor renunciou à própria Mãe: Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? (Mt 12, 48), por que preferes a tua ao teu Senhor? Ora, o Senhor não manda nem ignorar a natureza nem lhe fazer violência, mas tratá-la de tal modo que não deixes de venerar-lhe o autor nem, por amor dos pais, te afastes de Deus” (S. Ambrósio). E para mostrar que este mesmo ódio aos parentes procede da caridade, acrescenta: e até da sua própria vida. É evidente pois que devemos, por amor, também odiar o próximo como a nós mesmos, porque só amamos retamente a nossa alma quando odiamos o que lhe faz mal, isto é, resistindo aos desejos carnais, vencendo-lhe os apetites desordenados, resistindo às tentações etc. De fato, ama-se como que por “ódio” o que desprezamos ou disciplinamos para o elevar e purificar, e se isso vale para a própria vida, há de valer também para nossas relações de sangue.

V. 27. Abnegação. — E para ilustrar a que extremos deve chegar esse ódio salutar, diz: Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo. Quem, portanto, quer ser verdadeiro discípulo de Cristo, deve renunciar a si mesmo, refrear os desejos desordenados, não pensar na própria comodidade, buscar a Deus acima de tudo, de maneira que esteja preparado a perder tudo, até mesmo a família, antes que a amizade divina. — Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim: são palavras ao mesmo tempo proféticas, enquanto insinuam obscuramente a morte de Cristo e seus discípulos, e metafóricas, já que as devemos cumprir todos os dias, como se diz noutro lugar: Tome cada dia a sua cruz e siga-me (Lc 9, 23), suportando pacientemente as adversidades e perseguições, que não raro começam dentro da própria casa. A doutrina evangélica, com efeito, quando é vivida com fidelidade, não suscita apenas perseguições vindas de fora, senão que ela mesma é como um gládio que separa as famílias e, em alguns casos, desgarra violentamente os afetos naturais, quando sob um mesmo tempo vivem justos e ímpios: Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra, e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa (Mt 10, 34s).

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.