Muitos amam os pobres. Quantos amam a pobreza?
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Muitos amam os pobres. Quantos amam a pobreza?

A humildade perfeita não se contenta em reconhecer os seus limites ou a sua miséria. O que a inspira, mais do que a consciência de não ser nada, é o amor ardente àquele que, sendo o nosso tudo, se esvaziou a si mesmo, o mais pobre dos pobres, para nos enriquecer com a sua grandeza.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 10,25-37)

Naquele tempo, um mestre da Lei se levantou e, querendo pôr Jesus em dificuldade, perguntou: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?”

Jesus lhe disse: “Que está escrito na Lei? Como lês?” Ele então respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e a teu próximo como a ti mesmo!”

Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”. Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?”

Jesus respondeu: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no, e foram-se embora deixando-o quase morto.

Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado.

Mas um samaritano que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: “Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais”.

E Jesus perguntou: “Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”. Então Jesus lhe disse: “Vai e faze a mesma coisa”.

Com alegria celebramos hoje a memória de São Francisco de Assis, modelo de amor aos pobres e à pobreza. Mas o que o levou a ter esse amor tão “estranho”? Com efeito, num primeiro olhar, bastante superficial, Francisco seria um precedente (um tanto radicalizado) dos modernos filantropos, pessoas dedicadas a “fazer caridade”. Mas o que realmente o levou a amar não só os pobres, mas a mesma pobreza? O Evangelho de hoje nos ajuda a encontrar a resposta. Trata-se da parábola do bom samaritano. Nela, Jesus mostra que é Ele o bom samaritano, descido do céu para vir em nosso socorro. Estávamos desfalecidos à beira caminho, vítimas de Satanás e de nossos pecados, e Ele veio ao nosso encontro, rebaixando-se para nos levantar. É Jesus quem nos põe sobre o lombo do burrinho e nos leva até a hospedaria, isto é, a Igreja, cujos pastores devem cuidar de nós enquanto Ele está ausente.

É interessante recordar que Jesus conclui a parábola com uma pergunta ao escriba: Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?, e ouve em resposta: Aquele que usou de misericórdia para com ele. Então vem um comando surpreendente: Vai e faze a mesma coisa. Surpreendente, sim, porque o que Jesus nos está ensinando não é só a fazer obras de caridade, mas a fazê-las como Ele mesmo as fez — esvaziando-se de si para enriquecer a outros, rebaixando-se até nós para nos reerguer até Ele, fazendo-se pobre para nos tornar ricos. Nessas palavras há, de fato, um chamado à pobreza evangélica como meio de configurar-se a Cristo. Foi isso que moveu o coração de Francisco à santa radicalidade de amar os pobres fazendo-se ele mesmo o mais pobre de todos. Assim como o Filho de Deus se encarnou e, qual bom samaritano, permitiu-se ser desprezado pelos homens para os salvar, assim também o cristão que aspira à perfeição deve imitar o Cristo pobre e crucificado por amor a Deus e às almas: Vai e faze o mesmo

Assim fizeram todos os santos que, no decorrer da história, se dedicaram ao cuidado dos pobres, homens tão apaixonados por Cristo, que abraçaram a mesma pobreza. São Francisco não é, portanto, um modelo de filantropia, mas de caridade sobrenatural. É por isso que a imagem que dele se faz hoje em dia é tão desfigurada e distante da realidade histórica. Para muitos, Francisco foi um visionário medieval, uma espécie de revolucionário avant la lettre, consciente de que devia “optar” pelos pobres naquela sociedade “pré-capitalista” e cada vez mais aburguesada. Essa é uma leitura sociologizante, com pitadas de linguajar marxista, que transforma o Francisco real, pobre por amor a um morto na cruz, num paladino da “justiça social” por ódio ao capital nascente… Francisco amava a Cristo nos pobres, e foi por amor a Ele que abraçou a pobreza: Quando fizerdes isso a um desses pequeninos, foi a mim que o fizestes. Para ele, é Cristo quem está no centro, não o pobre como tal.

Hoje em dia, há pessoas consagradas a causas sociais por certa compaixão natural aos necessitados. Em si mesmo, não é errado buscar formas de melhorar as condições de vida dos que mais precisam; afinal, é um dever não só de caridade mas de justiça socorrer a quem precisa e guardar a reta subordinação da propriedade privada ao bem comum, mas sem perder de vista que nada disso terá valor aos olhos de Deus (e, no fundo, verdadeira eficácia), se não for animado pela caridade divina, que tudo ordena para a glória de Cristo. A nossa misericórdia para com os pobres só será verdadeira, autêntica e perfeita, se formos nós os primeiros pobres — pobres de bens, se a isso nos chama o Senhor, ou pobres de coração, ao que todos são chamados —; nossa humildade só será sincera, se tivermos descido de nossa soberba e buscarmos em tudo, até no óleo que derramamos sobre chagas, nas feridas que curamos e enfaixamos, amar a Cristo. Assim as nossas boas obras serão mais do que mero assistencialismo, mas consolação verdadeira para os pobres, fonte de méritos para nossas almas, glória para Deus e gratidão para com Nosso Senhor.

Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.