CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 10, 1-10)

Naquele tempo, disse Jesus: “Eu vos afirmo e esta é a verdade: quem não entra pelo portão no redil das ovelhas, mas pula o cercado, é um assaltante e ladrão. Pelo contrário, quem entra pela porta é o pastor das ovelhas. A ele o vigia permite a entrada, e as ovelhas reconhecem sua voz. Ele chama a cada uma das suas próprias ovelhas pelo nome e as leva para fora. E, depois de tirar todas as ovelhas que lhe pertencem, caminha diante delas e elas o seguem, porque reconhecem a sua voz. Mas elas não seguirão, de jeito nenhum, a um estranho. Pelo contrário, fugirão dele, porque não conhecem a voz de estranhos”. Jesus lhes apresentou esta parábola. Mas eles não compreenderam o significado do que dizia. Por isso ele lhes explicou: “Eu vos afirmo e esta é a verdade: eu sou a porta das ovelhas. Todos os outros que vieram antes de mim foram ladrões e assaltantes; mas as ovelhas não lhes deram ouvidos. Eu sou a porta. Quem por mim entrar será salvo e poderá entrar e sair e achará pastagens. O ladrão não vem senão para roubar, matar e destruir. Eu vim para que os homens tenham a vida e a tenham em abundância”.

O Evangelho desta segunda-feira dá continuidade ao tema central da liturgia de ontem, 4.º Domingo depois da Páscoa, em que o Senhor se nos apresenta sob a figura do bom pastor de nossas almas. A primeira coisa que convém ter presente é que Jesus, em sentido estrito, não nos fala aqui por meio de parábolas, mas, sim, de metáforas. Ele se identifica ora com o pastor, ora com a porta do redil das ovelhas, contrapondo-se assim à figura do ladrão e do mercenário. O discurso que Ele hoje nos dirige, portanto, não consiste em uma história, em uma narrativa de tipo parabólico, mas em uma série de comparações que servem para destacar o seu papel de Salvador. Ele, Deus feito carne, é a única porta pela qual podemos ir ao Pai. É por meio de sua humanidade santíssima, unida à divina pessoa do Verbo, que trilhamos o caminho que Deus mesmo escolheu para nos salvar e levar-nos à união consigo na glória do céu. É por isso, aliás, que a Igreja conclui todas as suas preces e súplicas com as seguintes palavras: “Por Nosso Senhor Jesus Cristo”, já que não existe nenhum outro nome pelo qual possamos ser salvos. Esta é a razão por que devemos sempre, por um lado, ter uma grandíssima devoção à humanidade de Cristo e, por outro, resistir à pretensão de querer chegar a Deus fora da única via que a Ele conduz: o seu Filho unigênito. Que Deus Pai nos conceda, pois, ternos e profundos sentimentos de adoração por seu Filho encarnado, que sem deixar de ser o que era assumiu o que não era, a fim de que nós, mortos para o pecado, nascêssemos para a vida e, glorificados em nossa humanidade no último dia, participássemos finalmente dos esplendores de sua divindade.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.