127. Redução da maioridade penal

Versão áudio

O problema da violência e da segurança pública em nosso país revela o "mundo cão" em que vivemos. Os métodos educacionais da moda têm adestrado os nossos filhos como verdadeiros animais e alguns infelizmente chegaram à conclusão que, diante da emergência, a única solução é a jaula.

Reduzir ou não reduzir a maioridade penal, eis a questão! Mas será que não estamos reféns da própria pergunta que nos impusemos?

*

A) O problema da pergunta

A questão da redução da maioridade penal é uma daquelas vivas e acaloradas polêmicas que tanto excitam os meios de comunicação e, dividindo opiniões, se apresentam, para uns, como a resposta necessária e definitiva a problemas que hoje afligem a sociedade e, para outros, como resolução injusta e simplista de um conflito cujas causas apenas dificilmente se podem discernir. O problema, ao menos na forma com que é proposto ao debate público, tende a levar a um impasse em que os argumentos para um e outro posicionamento parecem ter igual ou, por isso mesmo, nenhuma força: afinal, deve-se ou não reduzir a maioridade penal? Sem nos comprometer a dar uma solução a esta pergunta, que, no fundo, vem viciada desde a origem, limitaremos as reflexões da aula de hoje somente a alguns aspectos sob os quais o tema pode ser encarado. Ora, ainda que seja da alçada do poder público estabelecer parâmetros de punibilidade criminal, a questão, devido sobretudo à celeuma que tem causado, interessa também à Igreja e merece, portanto, ser colocada em termos que revelem os problemas humanos que de fato lhe subjazem.

Se olharmos para a atual situação do Brasil, não será difícil chegar à conclusão de que vivemos, por assim dizer, quase uma guerra civil. No nosso país, com efeito, líder mundial em assassinatos cometidos por ano, segundo relatório da Organização Mundial da Saúde publicado em 2014 [1], respira-se um ar de constante ameaça: as pessoas, acanhadas de ir à rua depois de certas horas, acastelam-se em casa como em bunkers—as mais bem providas podem, naturalmente, providenciar melhores e mais cômodas fortificações para si e para a família. Como quer que seja, o que há de verdade neste sentimento geral de insegurança de que boa parte da população vive tomada é que o brasileiro sabe ou no mínimo pressente que, mais dia, menos dia, também ele pode ser vítima das inúmeras atrocidades tão enérgica e insistentemente divulgadas pelos media. Ora, como uma parcela da violência nacional, dizem os defensores da redução, se deve à ação de menores, conforme os critérios legais, muitos se têm persuadido de que a resposta para o problema estaria, afinal de contas, em reduzir a maioridade penal e dar aos jovens infratores o mesmo tratamento que se reserva aos bandidos, digamos assim, de carteira assinada.

Se esta é ou não a solução mais razoável, isto é já outra discussão. Parece-nos de melhor conselho dar uns passos atrás e, deixando um pouco de lado o pragmatismo às vezes superficial e simplório das soluções jurídicas, enfrentar o problema sob outra perspectiva. E como todo problema humano, também este pode ser abordado em diversos níveis. De modo geral, é comum nos atermos, o mais das vezes, apenas aos aspectos externos das coisas e consideramos antes os efeitos do que as causas. Nesse sentido, se nos limitarmos somente à crise da marginalidade juvenil do ponto de vista estritamente legal, é natural que fiquemos enredados no dilema: reduzir ou não reduzir? Se recuarmos a um nível mais compreensivo, podemos, por exemplo, inserir o subgrupo dos menores delinquentes no contexto mais amplo da segurança pública no Brasil e defender, entre outras hipóteses, que os sistemas penal e carcerário do país estão de tal forma desmontados, que a própria questão da redução se torna, pois, algo supérflua: de fato, se a legislação criminal não é capaz nem de manter presos os maiores nem tampouco de refrear comportamentos delituosos, de que adiantaria reduzir a maioridade? Que garantias teríamos de que o remédio jurídico-penal aplicado aos adultos serviria também para os jovens? É algo contraproducente trocar um saco furado por uma cesta vazada.

B) Um problema de educação

Queremos, no entanto, descer a um nível mais e encarar o tema desde a ótica da educação e formação da pessoa humana. Tendo em vista o nexo de dependência entre constituição do caráter individual e ordem social, podemos fazer nosso o diagnóstico que, já na década de 1920, o pe. Leonel Franca fizera da educação brasileira e que é ainda hoje muitíssimo pertinente:

A marcha ascendente da criminalidade juvenil constitui um dos sintomas mais alarmantes da moderna vida social. Um vício orgânico desequilibrou a nossa pedagogia e as gerações que surgem acusam, com uma depressão do ideal humano, um abastardamento progressivo dos caracteres [2].

A deterioração da educação familiar e doméstica pode, por esse ângulo, ser apontada como uma das principais causas da crise moral por que estamos passando atualmente. Não falamos aqui, é claro, de uma educação ingenuamente otimista, bem ao gosto de antropologias iluministas como a de J. J. Rousseau. No que toca à fé cristã, os católicos não podemos admitir, se queremos estar de acordo inclusive com a experiência corrente dos educadores, que haja nas crianças, ingênitos e sem mescla de más tendências, "os germes de todas as virtudes" [3]; segundo a pedagogia cristã, portanto, seria um erro, e todo pai sabe-o bastante bem, deixá-las desenvolver-se como plantas bravias, ao sabor de suas inclinações naturais e "sem o benefício da poda" [4]. A profunda desarmonia que todos sentem dentro de si, sequela da decadência original do gênero humano, faz de nossas almas um campo de batalha entre o novo homem, regenerado e reabilitado por Cristo, e o velho homem, caracterizado pela revolta das paixões contra a reta razão e pelo apego desordenado às criaturas. Por isso, a grandeza moral, "antes fruto espontâneo de nossa natureza", escreve o pe. Leonel Franca, "passou a ser a conquista gloriosa e penosa de uma vida de esforços e de lutas." [5] Ainda que, tentando matizar a tese de Rousseau, concedêssemos alguma importância a certa cultura mínima da inteligência, seria igualmente ingênuo pensar que a só capitalização de conhecimentos basta para fazer do bom selvagem, se existisse, um santo ou um herói, pois não se pode atribuir "à simples instrução uma eficácia que não possui" [6] nem tampouco esperar que a criança aprenda a governar-se segundo um determinismo intrínseco ao desenvolvimento do seu caráter.

Apontar para as diferenças entre os objetivos da pedagogia cristã e os diversos modelos educacionais que a partir do século XV se foram formando no Ocidente talvez nos ajude a compreender como o Brasil pôde chegar à situação em que hoje se encontra. Não pretendemos, por razões óbvias, fazer um histórico, ainda que breve, dos sistemas e ideais pedagógicos; encontrar aliás um conceito que possa corresponder unívoca e homogeneamente àquilo que ao longo da história se tem chamado educação é decerto uma tarefa árdua, senão impraticável. É possível, em todo caso, perceber uma diferença radical entre o que, apesar de suas particularidades e contingências históricas, a pedagogia "clássica" se propunha como meta genérica—a formação integral da pessoa e o desenvolvimento de suas capacidades latentes—e aquilo em que ela acabou por transformar-se a partir das grandes cisões que esfacelaram a cristandade latina—um conjunto de técnicas especializadas em aprimorar determinadas habilidades ou aspectos da personalidade humana. Se, com efeito, a educação cristã sempre almejara preparar-nos para as grandes virtudes e, afinal, para o Céu, a pedagogia moderna, "dispersiva, fragmentária [...] e estritamente desarticulada na coesão vital de seus elementos" [7], produzirá ao largo dos séculos uma ruptura cada vez mais profunda entre vida e pensamento, "entre a atividade interior e a organização social" [8].

Ora, o vigente sistema brasileiro de ensino, reduzido a manifesto estado de falência, parece ter desistido há tempos de formar seres humanos e, abandonando toda a esperança, resolvido adestrar animais. A crueza dos termos talvez assuste; a realidade, porém, requer—ou antes quase exige—chamemos as coisas pelos nomes que lhes são próprios: considerada em seus princípios, a educação que se pretende oferecer à larga maioria de nossa juventude trata os alunos como verdadeiras bestas. Não é de espantar, pois, que as crianças saiam de classe comportando-se como selvagens. Ora, já que os animais, no estado atual, tendem por natureza à agressividade, a única saída que nos resta, se não conseguimos contê-los por outras vias, é a jaula. Acrescido à muitas vezes péssima e, infelizmente, desestruturada formação doméstica, o sistema educacional pátrio parece montado para alimentar o sistema carcerário. O problema, como insinuamos acima, reside antes de tudo na finalidade que hoje atribuímos à educação. "Toda pedagogia completa", ensina com grande propriedade o pe. Leonel Franca, "envolve uma doutrina sobre os fins da educação e preconiza um sistema de meios para atingi-lo." [9] Ora, o objetivo colimado pela pedagogia não é outra coisa senão "o ideal que esplende ante os olhos do educador e lhe orienta, de modo mais ou menos imediato, todas as intervenções na formação do educando" [10]; é o fim desejado, por conseguinte, que decide os meios a serem empregados, os quais, por sua vez, subministram ao educador "os caminhos seguros que o levam ao termo almejado." [11]

Elemento determinante dos meios e, portanto, das técnicas pedagógicas, o fim que norteia a ação concreta dos educadores prende-se, de sua parte, a todo o código de valores e princípios por que estes orientam sua atividade. Toda pedagogia, nesse sentido, é, de modo consciente ou não, tributária de uma antropologia que pressupõe, de resto, uma concepção mais ou menos integral de homem, da qual decorre, como consequência espontânea, uma noção de vida humana, do destino a ela que se ordena e do que constitui, em última análise, a perfeição própria que nos importa atingir para nos realizarmos plenamente e chegarmos ao fim que compete a nossa natureza [12]. É, em suma, todo este conjunto de concepções filosóficas, metafísicas, morais e, de modo às vezes encoberto, religiosas que inspirará, "como subestrutura latente, todos os seus [do educador] juízos de valor que necessariamente acompanham qualquer atividade prática pela opção de um determinado caminho de vida." [13] Um ideal educativo, assim, será tanto mais mesquinho e incapaz de levar-nos à realização integral de nossas capacidades e anseios quanto mais rasteira e incompleta for a visão global de vida que o inspira.

Os movimentos pedagógicos brasileiros que há pelo menos meio século se nos têm imposto pecam justamente neste ponto: "difusão minuciosa e inesgotável sobre processos educativos e uma parcimônia impressionante sobre os grandes ideais da educação. Fórmulas vagas e imprecisas, aspirações de um humanitarismo vaporoso e impalpável, reticências a cobrirem discretamente um ceticismo mal disfarçado" [14] somam-se hoje a uma noção bestializada de homem: apagadas do horizonte a ideia de dever moral e, por fim, a própria perspectiva de uma existência para além desta, o homem tornou-se uma massinha de modelar nas mãos de "educadores" guiados pelas mais extravagantes ideologias.

Mas isso não se deu por acaso. Remontemos o curso dos acontecimentos.

C) O processo de dissolução dos ideais pedagógicos

A origem, tímida e silenciosa, da educação tal qual a conhecemos parece derivar em alguma medida da crise das universidades europeias nos inícios da Era Moderna. O século XIII, por um lado, conhecera as grandes sínteses da Escolástica e, a despeito de tantas controvérsias, incompreensões e cruzadas semifracassadas, o ensino católico parecia ter enfim chegado à perfeita unidade, assimilando de forma coerente e orgânica a herança filosófica grega; os séculos XIV e XV, por outro, assistirão ao surto do humanismo, à consolidação das principais tradições escolares e, o que aqui mais nos importa, à imbricação entre universidade e política [15]. A "época de todas as confusões e todos os confrontos" [16] será dominada, no seio das escolas, pela querela às vezes ferina entre nominalistas e realistas, de modo que "o interesse seja menos pelo debate de ideias do que por lutas doutrinais." [17] As universidades passam assim a experimentar uma luta pelo poder entre partidos arrivistas. E como nesta situação o que menos tem peso são os argumentos, é à força secular que se acabará recorrendo: o filósofo típico da época, como diz Alain de Libera, "não discute com o adversário; pede ao político que o censure previamente." [18] Não seria errado afirmar que este embate pelo poder acadêmico, fenômeno antes político-institucional do que propriamente dogmático-pedagógico [19], expressa, em parte, uma mudança de eixo, já disfarçadamente presente na vida universitária de então, nas finalidades do ensino superior.

Um século depois, irrompe a Reforma de Lutero e, cindida a concórdia do cristianismo continental, a "força centrífuga do livre exame" introduz nas sociedades católicas os germes do subjetivismo, que, desprezando o dogma e, por consequência, "sua eficácia na educação das almas", acarretou um processo de "divisão incoercível que tende irreparavelmente à pulverização do mais radical individualismo." [20] Se, até à época, tinha-se clara percepção de que quanto mais profunda e sinceramente evangelizado fosse um povo tanto menos propenso ele seria a todas as formas de egoísmo e violência, a impossibilidade de as nações se reunirem sob a unidade de um só Evangelho, resultado do alastramento das confusões protestantes, tornará impensável qualquer ensino baseado em princípios morais e religiosos comuns. Não à toa, é precisamente na época da expansão dos grandes Estados nacionais que a educação começa a voltar-se a pouco e pouco para as chamadas virtudes cívicas, ou seja: o ensino destina-se agora a preparar o aluno não mais para a santidade, mas, sim, para o exercício—urbano, polido e maquilado com certa piedade—de determinadas funções sociais. O rompimento, porém, com tudo o quanto cheirasse à religião positiva só se daria sob a pressão das revoluções liberais modernas. O secularismo propagandeado pela Revolução Francesa, aliás, convencerá meio mundo de que toda "a vida da nação", em seus diversos níveis, "deveria organizar-se alheia a qualquer influência do cristianismo." [21]

O surto do modelo industrial de produção, associado a tendências laicistas e positivistas do século XIX, também teria, em graus diversos, suas ressonâncias pedagógicas. A idolatria da máquina e do progresso, além do fascínio destemperado pelos avanços da ciência natural, tudo isto daria à nova educação uma tônica acentuadamente intelectualista e unilateralmente tecnicista. Desta forma, a pedagogia mutilada e desarticulada de escolas cada vez menos preocupadas em preparar as crianças para vida do que para o trabalho não poderia deixar de repercutir, a longo prazo, "numa desadaptação progressiva dos indivíduos às exigências da vida coletiva." [22] A desorientação geral deste ensino sem ponto fixo de apoio nem objetivo nenhum para além das necessidades materiais mais urgentes sofreria outro abalo quando, logo na primeira metade do século XX, o mundo experimentasse os horrores de duas guerras mundiais. Combinados, pois, com a onda de relativismo e psicologismo que vinha há tempos infestando os círculos universitários e intelectuais como um todo, estes dois eventos desastrosos obrigaram a pedagogia a mudar uma vez mais os seus objetivos: reduzida a um conjunto de manobras de engenharia comportamental, a educação torna-se, ao fim e ao cabo, mero instrumento a serviço da psicologia das massas. "Penso que, politicamente, um dos assuntos de maior relevância será a psicologia das massas", escreve B. Russell ainda em 1953. "O seu estudo é de grande utilidade para os homens práticos, seja para enriquecer, seja para conquistar o governo. [...] A sua importância tem aumentado enormemente devido ao crescimento dos métodos modernos de propaganda. Dentre eles", continua, "o mais influente é o que chamamos educação." [23]

D) A estatização do ensino contra o primado da educação familiar

Dizer que vivemos uma crise de educação é afirmar uma obviedade que salta aos olhos. Inserida na marcha do tempo, a pedagogia brasileira não pôde escapar à fragmentação geral dos princípios educacionais que, com força perene, tem-nos ajudado desde sempre a atualizar nossas mais nobres capacidades. No Brasil, particularmente, os novos movimentos pedagógicos oscilam, ambíguos, entre polos opostos, unilaterais, mas em alguma medida solidários. De uma parte, (1) o individualismo hedonista próprio das sociedades modernas e, de outra, (2) o mal vezo socialista de diluir o indivíduo no conjunto amorfo da "comunidade". O primeiro vê o homem como um centro de desejos e ímpetos a que se deve dar vazão; é a pedagogia do prazer que, fechando os olhos para os riscos de uma "evolução espontânea e incoibida de todos os instintos que dormem no fundo de nossa natureza" [24], estimula os egoísmos e indisciplinas que perturbam a paz e a ordem tanto das almas quanto da sociedade. O segundo, "reduzindo-o a simples células de um grande organismo que constitui a sua única razão de ser" [25], leva a subtrair às famílias o direito de educar os filhos e confia ao governo o dever de instruir as pessoas; é a pedagogia do Estado que, assumindo "a missão de educar, plasmou a instrução pública à própria imagem e semelhança." [26]

A conjugação destas duas tendências só poderia implicar uma educação decapitada em sua estrutura e perigosa em seus efeitos. Um dos sintomas mais claros disto, para dar apenas um dentre inúmeros exemplos, é a insistência quase monomaníaca com que muitos educadores buscam inocular nos alunos, mais pelo charme de fórmulas pouco precisas do que pela conveniência das razões, vagos ideais de justiça, tolerância e respeito. Enquanto isso, na mesma escola, os pequenos são desde cedo apresentados aos perigos de uma iniciação sexual precoce, voltada mais para excentricidades e formas de se obter prazer do que para um entendimento, adequado à inteligência infantil, das reais dimensões da sexualidade humana. Ora, nunca se falou tanto de sexo com as crianças, e, apesar de todos os esforços por banalizar a prática conjugal, "a crise da moralidade entre os sexos, longe de se atenuar, agrava-se de ano para ano." [27] Do mesmo modo, nunca "se repetiu com mais insistência o termo de solidariedade social", da necessidade de acolher os grupos oprimidos, e, mesmo assim, "as vantagens do bem comum vão sendo cada vez mais sacrificadas pelo egoísmo de governos e governados." [28]

Considerado em sua raiz, o problema da criminalidade juvenil é, acima de tudo, epifenômeno da crise educacional e moral que estamos sofrendo. A incapacidade que as autoridades públicas têm demonstrado em uma e outra área (segurança e educação) deve lembrar-nos de que, na ordem da natureza, é ao pai e à mãe que cabe primária e inalienavelmente o direito e o dever de educar a prole; à escola, enquanto complemento natural da família, compete auxiliar e suprir, dentro de justos limites, o projeto educativo que começa e se desenrola no lar. No quadro deste auxílio mútuo, o Estado, encarregado de velar pelo exercício legítimo do direito, tem o dever de tutelar os interesses da educação; a sua função, portanto, não poderia ser outra senão a de

[...] assegurar, com a ordem jurídica, um ambiente favorável ao desenvolvimento das faculdades individuais; não lhe compete, porém, dirigir imediatamente este desenvolvimento, condicionado por uma concepção da vida que o poder público, sem degenerar em tirania, não pode impor à consciência de seus cidadãos [29].

Recomendação

Referências

  1. Cf. Organização Mundial da Saúde (OMS), Global Status Report on Violence Prevention, divulgado em dez. de 2014. Disponível em (sítio): <http://goo.gl/iOSI4L>. Acesso em: 16 jul. 2015.
  2. Pe. Leonel Franca, S.J., "Escola Leiga – III", in: A Formação da Personalidade (Obras Completas, vol. 15). Rio de Janeiro: Agir, 1954, p. 294.
  3. Id., "Educação", in: A Formação da Personalidade, p. 23.
  4. Id., ibid.
  5. Id., p. 24. (V. Adolphe Tanquerey, Compêndio de Teologia Ascética e Mística. Trad. port. de João F. Fontes. 6.ª ed., Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1961, n. 226, pp. 116-7.)
  6. Id., "Ensino Religioso e Ensino Laico", in: Polêmicas (Obras Completas, vol. 2). Rio de Janeiro: Agir, 1953, p. 11.
  7. Id., "Unidade da Pedagogia Católica", in: A Formação da Personalidade, p. 159.
  8. Id., p. 160. (A propósito, algumas das raízes filosófico-teológicas deste processo de paulatina contraposição entre vida e pensamento são explicadas na aula 5 do Curso de Introdução ao Método Teológico.)
  9. Id., "Escola Nova e Pedagogia Social", in: A Formação da Personalidade, p. 75 (grifo do autor).
  10. Id., ibid.
  11. Id., ibid.
  12. Cf. Id., ibid.
  13. Id., ibid.
  14. Id., p. 77.
  15. Cf. Alain de Libera, A Filosofia Medieval. Trad. port. de Nicolás N. Campanário e Yvone M. de C. T. da Silva. 3.ª ed., São Paulo: Loyola, 2011, p. 469.
  16. Id., ibid.
  17. Id., p. 472.
  18. Id., p. 473.
  19. Cf. Id., ibid.
  20. Pe. Leonel Franca, "Unidade da Pedagogia Católica", in: A Formação da Personalidade, p. 159.
  21. Id., p. 160.
  22. Id., "Ensino Religioso e Ensino Laico", in: Polêmicas, p. 24.
  23. Bertand Russell, The Impact of Science on Society. New York: AMS Press, 1968, p. 29 (trad. nossa).
  24. Pe. Leonel Franca, op. cit., p. 161.
  25. Id., "Educação Social", in: A Formação da Personalidade, p. 38.
  26. Id., "Unidade da Pedagogia Católica", in: A Formação da Personalidade, p. 160.
  27. Id., "Unidade e Dispersão em Pedagogia", in: A Formação da Personalidade, p. 65.
  28. Id., ibid.
  29. Id., "O Direito de Educar", in: A Formação da Personalidade, p. 57.

Atenção: Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do site padrepauloricardo.org. Reservamo-nos o direito de excluir qualquer comentário que julgarmos inoportuno ou que não esteja de acordo com a política do site.

EpisódioTítuloDuraçãoData
176Maria depois de Pentecostes--:--Junho 05, 2017
175Uma conversa sobre Matrimônio53:19Maio 27, 2017
174O Imaculado Coração triunfará!47:56Maio 15, 2017
173O milagre dos Pastorinhos20:18Maio 11, 2017
172As santas crianças de Nossa Senhora de Fátima48:01Maio 08, 2017
171Moleque ignorante!39:22Abril 24, 2017
170A tríplice vitória de Cristo51:04Abril 17, 2017
169A Paixão de Cristo e a Compaixão da Virgem41:41Abril 03, 2017
168Será que eu tenho uma alma?01:07:17Março 26, 2017
167Qual é a missão de um pai?41:15Março 20, 2017
166O Abortoduto47:33Março 06, 2017
165Um novo Cavalo de Troia50:46Fevereiro 17, 2017
164Como lidar com o sofrimento?50:48Fevereiro 13, 2017
163A Igreja e os anticoncepcionais01:02:38Janeiro 16, 2017
162O aborto e a falácia dos números51:13Dezembro 19, 2016
161Ministro do Supremo admite: “Não devemos satisfação a ninguém”27:26Dezembro 12, 2016
160A “suprema” das injustiças43:51Dezembro 05, 2016
159O Ano da Virgem Maria48:22Novembro 27, 2016
158“Moda” não, mudança de vida!56:07Novembro 18, 2016
157Politizando a Bíblia59:42Novembro 11, 2016
156As deploráveis Terceiras Moradas50:59Novembro 04, 2016
155Aprenda a rezar o Terço01:10:30Outubro 28, 2016
154Diálogo com os namorados01:01:10Outubro 20, 2016
153A conversão de Santa Teresa d'Ávila57:40Outubro 16, 2016
152Santa Elisabete da Trindade01:02:19Outubro 10, 2016
151Projeto Terceira Morada58:54Outubro 03, 2016
150Direção espiritual às famílias58:15Setembro 09, 2016
149Como Ser Família53:24Agosto 26, 2016
148Maria e a nossa vida de oração47:10Agosto 21, 2016
147Aprenda a rezar rezando, com Padre Paulo Ricardo57:47Agosto 08, 2016
146A Oração, de Santo Afonso de Ligório01:06:06Agosto 01, 2016
145São Luís Martin54:19Julho 11, 2016
144Santa Zélia Martin58:13Julho 04, 2016
143A vida de São Luís Gonzaga58:31Junho 20, 2016
14210 Anos de Apostolado57:50Maio 16, 2016
141Senhor, ensina-nos a orar!49:01Abril 18, 2016
139Páscoa: misericórdia ou justiça?01:05:32Março 28, 2016
138Projeto Segunda Morada58:14Janeiro 03, 2016
137O Natal da Misericórdia52:10Dezembro 20, 2015
136A vida de São João da Cruz01:15:13Dezembro 13, 2015
135Beato Miguel Pro, sacerdote e mártir58:42Novembro 22, 2015
134A Medalha Milagrosa55:07Novembro 15, 2015
133A vida de nossas mulheres e crianças em nossas mãos!56:10Outubro 18, 2015
132Sínodo sobre as Famílias: o que podemos esperar?01:03:43Outubro 04, 2015
131Santa Teresinha: Doutora de Vida01:00:11Setembro 27, 2015
130A paixão do Padre Pio de Pietrelcina59:39Setembro 20, 2015
129Sínodo: o que os Bispos precisariam saber...01:08:41Setembro 13, 2015
128A vida de São Felipe Neri01:03:39Julho 19, 2015
127Redução da maioridade penal01:00:10Julho 12, 2015
126Crise econômica e vida espiritual55:04Julho 05, 2015
125Apostólico ou mundano?01:00:22Junho 28, 2015
124A ideologia de gênero e o Estado totalitário57:12Junho 21, 2015
123As Escrituras e a vida espiritual01:03:20Junho 07, 2015
122A Ideologia de Gênero nos Planos Municipais de Educação01:02:25Maio 31, 2015
12150 anos do Concílio Vaticano II: vocação universal à santidade01:01:05Maio 26, 2015
120Ano Santo da Misericórdia01:02:10Maio 20, 2015
119O líder cristão01:08:41Maio 07, 2015
118Padres podem caçar?48:06Abril 14, 2015
117A vida de Santa Teresa d'Ávila01:09:57Março 31, 2015
116O glorioso São José01:11:20Março 18, 2015
115O Reino dos Céus é dos violentos!01:00:47Março 16, 2015
114Família: escola de santidade59:24Março 04, 2015
113A vida consagrada01:11:04Fevereiro 09, 2015
112Igreja paralela? Seita?48:44Janeiro 09, 2015
111Conversa com os alunos sobre as doenças espirituais01:06:28Dezembro 16, 2014
110O Fim está próximo?01:01:53Dezembro 05, 2014
109Música Litúrgica01:08:28Novembro 27, 2014
108E o capitalismo?58:15Novembro 19, 2014
107Guerra cultural: como vencer o projeto marxista de poder52:03Novembro 11, 2014
106O papel da Igreja no mundo político55:18Novembro 05, 2014
105Mais 4 anos de PT...52:43Outubro 29, 2014
104Igreja em crise?01:03:06Outubro 16, 2014
103Sínodo sobre a Família01:00:07Outubro 09, 2014
102Na presença dos anjos!52:31Outubro 02, 2014
101Por que não sou protestante?01:15:33Setembro 30, 2014
100Conversa com os alunos01:06:38Setembro 18, 2014
99A oração da “Ave Maria”58:25Setembro 11, 2014
98As Sagradas Escrituras e a nossa vida espiritual01:05:24Setembro 07, 2014
97Conversa com os alunos01:01:33Setembro 03, 2014
96Ordenar homens casados: solução ou problema?01:07:07Agosto 12, 2014
95O santo sacerdócio de João Maria Vianney 01:02:34Agosto 12, 2014
94Terapia das Doenças Espirituais01:07:29Agosto 02, 2014
93A vida extraordinária de São Charbel Makhluf01:03:04Julho 22, 2014
92Idolatria e sexo desordenado01:17:02Julho 15, 2014
91A Espiritualidade Carmelitana e a Virgem Maria59:03Julho 08, 2014
90Papista!01:04:35Julho 06, 2014
89Herodes e Pilatos ficaram amigos!53:46Junho 17, 2014
88Sou católico e estou na universidade! E agora? 01:04:17Junho 16, 2014
87A Docilidade ao Espírito Santo45:02Junho 09, 2014
86A Mãe do Salvador e a Nossa Vida Interior01:08:17Maio 08, 2014
85A Divina Misericórdia50:57Abril 28, 2014
84São José de Anchieta53:07Abril 09, 2014
83O drama dos casais em segunda união01:01:23Abril 03, 2014
82A respeito da recepção da Comunhão Eucarística por fiéis divorciados novamente casados01:02:11Março 26, 2014
81O Espiritismo é cristão?59:37Março 16, 2014
80A Penitência Quaresmal58:57Fevereiro 27, 2014
79Oração: a porta da santidade52:32Fevereiro 19, 2014
78A impressionante história de Nossa Senhora de Lourdes56:41Fevereiro 17, 2014
77Madre Mariana, amiga e confidente de Nossa Senhora do Bom Sucesso59:15Fevereiro 10, 2014
76Dom Bosco e as três alvuras da fé católica 53:07Janeiro 26, 2014
75Educação sexual das crianças e adolescentes57:16Janeiro 20, 2014
74A história de uma alma56:09Janeiro 13, 2014
73A defesa da família no Congresso Nacional 50:43Dezembro 16, 2013
72Dies Iræ: uma meditação sobre o fim dos tempos59:11Dezembro 02, 2013
71PLC 122: o projeto de destruição da família54:53Novembro 21, 2013
70Maria e o Vaticano II55:18Novembro 13, 2013
69A última Confissão54:52Novembro 07, 2013
68A Resposta Católica53:02Outubro 31, 2013
67As finalidades e os efeitos da Santa Missa 01:02:51Outubro 24, 2013
66Sexo ou gênero?53:41Outubro 06, 2013
65O Senhor dos Anéis01:06:04Setembro 25, 2013
64O novo Código Penal e as ameaças à vida e à família49:47Setembro 17, 2013
63O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota57:24Setembro 11, 2013
62Satanás e os seus demônios55:23Setembro 04, 2013
61O Missal de Paulo VI e a hermenêutica da continuidade 41:39Agosto 27, 2013
60O missal de Paulo VI e a reforma da reforma litúrgica de Bento XVI01:11:15Agosto 22, 2013
59A Quaresma de São Miguel e o auxílio dos anjos40:36Agosto 14, 2013
58Fora da Igreja existe salvação?56:48Agosto 06, 2013
57A Jornada Mundial da Juventude e as palavras de Francisco42:38Julho 30, 2013
56Papa Francisco no Brasil e a Jornada Mundial da Juventude57:29Julho 24, 2013
55Os perigos do veto parcial do PLC 03/2013 39:27Julho 18, 2013
54O perigo das falsas conversões30:51Julho 01, 2013
53O quadro político do Brasil59:31Julho 01, 2013
52As manifestações no Brasil55:54Junho 19, 2013
5145 anos da Humanae Vitae55:15Maio 30, 2013
50Modéstia: Como as mulheres devem se portar (II)18:43Maio 20, 2013
49Modéstia: Como as mulheres devem se portar (I)37:16Maio 20, 2013
48Virgindade e Espiritualidade34:04Maio 08, 2013
47Maternidade50:44Abril 24, 2013
46Feminilidade: o que está acontecendo com as mulheres?58:21Abril 16, 2013
45A dignidade da mulher58:39Abril 10, 2013
44A Santíssima Eucaristia59:14Abril 01, 2013
43Preparação para Páscoa "Victimae Paschali Laudes"55:37Março 26, 2013
42Papa Francisco e a Liturgia de Bento XVI (II)30:54Março 20, 2013
41Papa Francisco e a liturgia de Bento XVI (I)39:33Março 19, 2013
40O Conclave54:04Março 13, 2013
39Como ainda crer na santidade da Igreja?58:30Março 05, 2013
38Os últimos dias de Bento XVI 01:01:32Fevereiro 28, 2013
37A renúncia do Santo Padre e próximo conclave51:42Fevereiro 19, 2013
36A Infância de Jesus28:30Dezembro 18, 2012
35O ódio ao feminino49:15Novembro 27, 2012
34Masculinidade: o que está acontecendo com os homens de Deus?58:01Novembro 20, 2012
33Masculinidade: o que está acontecendo com os homens?59:44Novembro 13, 2012
32Doenças espirituais: o que são e como combatê-las52:58Novembro 06, 2012
31O Ano da Fé59:18Outubro 24, 2012
30Os Mártires de Hoje47:44Outubro 08, 2012
29Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (VI)38:59Outubro 01, 2012
28Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (V)46:55Setembro 24, 2012
27Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (IV)43:23Setembro 17, 2012
26Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (III)55:59Setembro 10, 2012
25Estudo do documento "Nova Estratégia Mundial do Aborto" (II)01:01:07Setembro 03, 2012
24A Nova Estratégia Mundial do Aborto (I)48:14Agosto 27, 2012
23Nova Ordem Mundial: a maior ameaça ao Cristianismo57:51Agosto 20, 2012
22Nova Ordem Mundial26:19Agosto 13, 2012
21Lançamento do DVD "Antropologia e Escatologia"58:11Agosto 05, 2012
20São Felipe Neri: "Prefiro o paraíso"41:07Julho 30, 2012
19A vida em risco49:09Julho 16, 2012
18Dom Eugênio Sales, uma escola de fidelidade47:56Julho 09, 2012
17O preço da fidelidade40:47Julho 02, 2012
16A presença de São Pedro em Roma36:10Junho 25, 2012
15O Gnosticismo em nosso meio01:03:27Junho 18, 2012
14Exame de consciência: 20 anos de sacerdócio49:47Junho 11, 2012
13Crise na Igreja01:08:16Junho 04, 2012
12Marxismo Cultural e o Comunismo01:13:28Fevereiro 07, 2012
11Ó admirável intercâmbio!26:03Dezembro 22, 2011
10Ó Emanuel!01:22:52Dezembro 16, 2011
9PL122 - A lei da mordaça gay01:20:04Dezembro 05, 2011
8Teologia e espiritualidade do Advento e do Natal38:50Novembro 28, 2011
7Conversão e a luta contra o pecado01:01:15Novembro 24, 2011
6Presença real de Jesus na Eucaristia01:06:48Novembro 17, 2011
5O Inferno01:07:31Novembro 10, 2011
4E agora, para onde vamos?01:06:20Novembro 02, 2011
3A vida de São Pio de Pietrelcina01:05:55Setembro 20, 2011
2O protestantismo01:05:55Setembro 12, 2011