CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Ser puro para ser casto

Para viver a castidade, não há caminho mais seguro nem mais eficaz do que viver a santa pureza: não se trata apenas de evitar as ações mais grosseiras; trata-se de viver com um coração como o de Jesus, como o de Maria, como o de S. José.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 5, 27-32)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Ouvistes o que foi dito: ‘Não cometerás adultério’. Eu, porém, vos digo: Todo aquele que olhar para uma mulher, com desejo de possuí-la, já cometeu adultério com ela no seu coração. Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado, arranca-o e joga-o para longe de ti! De fato, é melhor perder um de teus membros, do que todo o teu corpo ser jogado no inferno.

Se tua mão direita é para ti ocasião de pecado, corta-a e joga-a para longe de ti! De fato, é melhor perder um dos teus membros, do que todo o teu corpo ir para o inferno.

Foi dito também: ‘Quem se divorciar de sua mulher, dê-lhe uma certidão de divórcio’. Eu, porém, vos digo: Todo aquele que se divorcia de sua mulher, a não ser por motivo de união irregular, faz com que ela se torne adúltera; e quem se casa com a mulher divorciada comete adultério”.

A Lei antiga: “Não cometerás adultério” (Ex 20, 14; cf. Dt 5, 18) proibia, segundo o teor da letra, apenas os atos externos de infidelidade conjugal. No entanto, o prescrito em Ex 20, 17: “Não cobiçarás a mulher do teu próxi­mo”, proíbe também os internos. Por isso, as palavras que ouvimos de Cristo no Evangelho de hoje se dirigem contra a falsa interpretação dos fariseus, que haviam reduzido esse pecado somente aos atos exteriores: “Eu, porém, vos digo: todo aquele que olhar para uma mulher, com o desejo de possuí-la, já cometeu adultério com ela no seu coração”. A palavra μοιχεύειν, como se vê pela nossa tradução litúrgica, significa propriamente “cometer adultério”; mas Cristo, e assim o entendeu sempre a Tradição da Igreja, compreende aqui, por uma única espécie, todo o gênero de pecados sexuais, proibidos pela Lei natural no sexto e nono mandamentos do Decálogo. Nesse sentido, os pecados contra a pureza estão proibidos, sob falta grave, em todas as formas que se podem cometer: (1) por pensamentos (que se tornam pecaminosos quando há consentimento voluntário), (2) por desejo e (3) por ações propriamente ditas, que podem ser (a) olhares desonestos, (b) conversas licenciosas e (c) atos de impureza, quer a sós (masturbação), quer com outras pessoas (adultério, fornicação etc.). Contra o perigo de cairmos em ações tão vergonhosas, que nos degradam o coração, endurecem a alma e matam o corpo, não há melhor remédio do que o proposto pelo próprio Cristo: evitá-las antes mesmo de terem a chance de nos tentar. Não é isso uma “repressão” violenta que nos levará à neurose, mas uma sadia vigilância, uma guarda delicada deste mundo precioso que é a nossa vida interior, uma heróica “covardia” que, fugindo sem demora ao despontar da primeira ocasião, nos dará um caráter forte, pronto para amar e disposto aos sacrifícios que tornam a vida uma oblação grata aos olhos de Deus. — Aos que quiserem mais informações sobre como viver a santa pureza, recomendamos a nossa direção espiritual sobre o celibato.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.