CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 19,25-27)

Naquele tempo, perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.

Celebramos hoje a memória de Nossa Senhora das Dores, uma dessas memórias litúrgicas que possui uma belíssima sequência preparando o Evangelho, o Stabat Mater. O Stabat Mater é uma sequência (uma poesia litúrgica) que foi composta durante a Idade Média. Não se sabe exatamente quem é o autor. Uns dizem que foi Jacopone da Todi, franciscano, outros que foi Inocêncio III, Papa; mas, seja como for, o que se tenta transmitir no Stabat Mater é a realidade do sacrifício da Virgem Maria unido ao sacrifício do seu Filho, Jesus, na Cruz.

O Evangelho de hoje é exatamente um Evangelho que nos mostra essa realidade: quando, aos pés da Cruz, Jesus nos entrega a sua Mãe. É João, capítulo nove. Mas eu gostaria aqui de explorar exatamente a verdade desta união de sacrifícios, ou seja, como é que Maria pode ser chamada, como de fato é chamada por alguns teólogos, de Corredentora? Se você for olhar para a teologia da Igreja nos primeiríssimos séculos, você vai notar que existe um paralelo entre a Virgem Maria e Eva. Isso é algo que pode ser traçado até a origem apostólica, ou seja, estamos falando aqui de algo em que a Igreja crê desde a época dos Apóstolos: Maria é a nova Eva, assim como Cristo é o novo Adão.

Mas o que foi que aconteceu com Eva? Eva, pela desobediência, não quis sacrificar, quis tomar para si o fruto. Havia uma árvore, um fruto e a desobediência. Muitos séculos depois, nós temos uma nova árvore, a árvore da Cruz; um fruto, fruto do seu ventre, Jesus; e Maria, obediente, oferece e entrega o seu sacrifício de fé. É por isso que Maria é chamada de Corredentora, ou seja, nova Eva. Como a perdição entrou no mundo por Eva, a salvação entrou no mundo por Maria. E Maria sempre esteve associada ao seu Filho, aos pés da Cruz, oferecendo o seu sacrifício.

Algumas pessoas podem dizer: “Mas, Padre, o sacrifício de Cristo já foi perfeito. Não precisa, absolutamente, acrescentar nada a ele”. Sim, o sacrifício de Cristo foi perfeito, mas houve uma coisa que Jesus não pôde oferecer na Cruz: Ele não pôde oferecer um sacrifício de fé, porque, sendo Deus, Cristo não tem fé, não da forma como nós a temos. Então, havia necessidade de que houvesse o sacrifício perfeitíssimo de uma fé perfeitíssima, e esse sacrifício foi oferecido pela Virgem Maria.

Sendo assim, ontem nós celebramos a Exaltação da Santa Cruz e vimos que, para receber a salvação da Cruz, precisamos de fé. Deus deu seu Filho para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Ontem vimos Deus dar o seu Filho, hoje vemos o Filho dar a sua Mãe. Para quê? Para que, a exemplo de sua fé, unidos à sua fé e recebendo dela a fé, nós possamos nos unir ao sacrifício de Cristo na Cruz. Não nos será possível ser santos se não tivermos esta fé que recebe o amor. Precisamos crer nesse amor crucificado por nós.

A fé de Maria, a fé da corredentora, é para nós um grande impulso. Sim, como todas as vezes que professamos a fé, professamos em pé e podemos dizer: Stabat Mater. Sim, a Mãe estava de pé, oferecendo o seu sacrifício, a sua profissão de fé. Crendo quando ninguém mais cria, abriu as portas da salvação para este mundo.

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.