CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

O culto ao Sagrado Coração de Jesus é muitas vezes associado a alguma devoção privada ou ao Apostolado da Oração. Sem dúvida, as práticas próprias desses movimentos, como ladainhas e novenas, são de caráter facultativo e, por isso, os católicos que não as recitam não cometem pecado algum. Todavia, existe algo mais profundo nessa matéria, que não é opcional, mas faz parte do dogma cristão. A razão deste programa, portanto, é explicar a natureza do Coração de Jesus e por que essa devoção, que nutriu a fé de tantos homens e mulheres ao longo dos séculos, pode nos ajudar a progredir na santidade.

O fundamento desta devoção

O fundamento sólido para o culto ao Sagrado Coração é aquele descrito por Pio XII, na encíclica Haurietis aquas. Com esse documento, o Papa procurou remediar duas graves tendências que, embora se opusessem uma à outra, tinham afinal o mesmo efeito nocivo. Por um lado, alguns devotos do Coração de Jesus acabavam se perdendo em práticas externas e, por conseguinte, nunca atingiam o núcleo da devoção; por outro, não eram poucos os que reservavam o amor ao Coração de Jesus às mulheres, julgando-se pessoas muito cultas para tais sentimentalismos.

De saída, o Papa logo adverte que a fonte principal do culto ao Coração de Jesus é o dogma católico, que professa a fé em Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. E, em razão disso, podemos “haurir águas” — haurietis aquas in gaudio de fontibus Salvatoris (Is 12, 3) — da humanidade de Cristo, desse Deus que tem um coração, porque a sua humanidade está pessoalmente unida a sua divindade: trata-se, como a Igreja definiu dogmaticamente, da união hipostática.

Naturalmente, se consideramos que o Deus eterno é puro espírito e nEle não há movimento, por mais que no Antigo Testamento haja citações que falem do amor de Deus como o de uma mãe (cf. Is 49, 15), essas comparações não são absolutas. Porque Deus é de natureza divina, também o seu amor é (simpliciter) divino. Mas, ao assumir um corpo humano, a Segunda Pessoa da Trindade assumiu também toda a condição da natureza humana, exceto o pecado. Desse modo, Ele passou a experimentar as paixões humanas: Jesus emocionou-se diante da multidão que caminhava como ovelha sem pastor; angustiou-se na noite do Horto das Oliveiras; irritou-se com a hipocrisia dos fariseus etc. Eis aí a grande novidade que Jesus trouxe ao encarnar-se no seio da Virgem Maria.

A partir da união hipostática, o Papa Pio XII então distingue três tipos de amores em Deus: o divino, o espiritual e o sensível. E, estando esses três amores perfeitamente unidos e ordenados, uma vez que entre eles “jamais se interpôs a mínima oposição e discórdia” (Haurietis aquas, n. 22), não só podemos como devemos prestar-lhes toda reverência e adoração. Por isso, o Papa faz questão de recordar uma citação de São Basílio Magno, que diz acerca dos sentimentos de Jesus: “É manifesto que o Senhor possuiu os afetos naturais em confirmação da sua verdadeira, e não fantástica, encarnação; manifesto é também que ele repeliu como indignos da divindade os afetos viciosos, que mancham a pureza da nossa vida” (Epist. 261, 3: PG 32, 972).

Não resta, então, a menor dúvida a respeito da qualidade dos afetos de Jesus: eles são sentimentos santos e, por estarem associados a uma Pessoa Divina, são merecedores de nossa adoração. No Evangelho, vemos a manifestação desse afeto em várias ocasiões. Por exemplo, no capítulo 11 do Evangelho de São Mateus, Jesus dá instruções para a missão de seus discípulos e, cheio de júbilo, louva o Pai: “Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos” (v. 25). Depois, com o coração ainda ardendo, convida os seus amigos para virem ao encontro dEle, numa cena que nos faz recordar o Cristo Redentor, no Corcovado: “Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei” (v. 28).

Com frequência, somos iludidos pelas nossas paixões desordenadas e, movidos por uma atração maluca, tornamo-nos reféns das situações mais tolas e humilhantes. Quantas pessoas se deixam enganar por romances que, no final, são verdadeiros pesadelos! Pois é nessa circunstância que Jesus revela o seu Coração “manso e humilde” (Mt  11, 29) — cheio de amor divino, espiritual e sensível — e nos convida a encontrar nEle o repouso de nossas almas. Os afetos de Jesus vão sempre ao lugar certo, e é uma grande consolação para nós saber que Ele sentiu nossos sentimentos, redimiu nossas lágrimas e decepções.

Em Jesus, Deus revela o seu rosto compadecido pelos sofrimentos da humanidade, mostra-se interessado no drama humano e, assumindo nossa carne, dá fim a toda opressão e miséria. A carne de Cristo é, portanto, um instrumento de salvação, e, no seu Coração, encontramos os tesouros da santidade. Daí que Pio XII, insistindo sobre algo que há muito tempo ensinamos, ou seja, o culto à humanidade de Jesus, condene mais uma vez a antiga heresia quietista, cuja doutrina opunha a natureza humana de Cristo a sua divindade:

Lícito não é, portanto, afirmar que a contemplação do coração físico de Jesus impede de chegar ao amor íntimo de Deus e retarda o progresso da alma no caminho que leva à posse das mais excelsas virtudes. A Igreja repele completamente esse falso misticismo, como, por boca do nosso predecessor Inocêncio XI, de feliz memória, condenou a doutrina dos que divulgavam que não devem (as almas desta via interior) fazer atos de amor à santíssima Virgem, aos santos ou à humanidade de Cristo, porque, sendo sensíveis estes objetos, o amor que a eles se dirige também há de ser sensível. Os que assim pensam são, naturalmente, de opinião que o simbolismo do coração de Cristo não se estende a mais do que ao seu amor sensível, e que, por conseguinte, não pode constituir novo fundamento do culto de latria, culto reservado só àquilo que é essencialmente divino (Haurietis aquas, n. 57).

A humanidade de Cristo, explica o Papa, é de uma Pessoa Divina, e, por isso, nada proíbe “que adoremos o coração sacratíssimo de Jesus Cristo” (Haurietis aquas, n. 42).

Foi pelo toque na carne chagada de Cristo que São Tomé fez sua confissão, reconhecendo a divindade do Mestre: “Meu Senhor e meu Deus”. Afastando-nos, pois, da tendência nestoriana que ecoa nos meios protestantes, nós católicos adoramos o Coração de Jesus e afirmamos, com respaldo da Tradição e do Magistério, que hoje no Céu o Sagrado Coração de Jesus, “mesmo quando já não está submetido às perturbações desta vida mortal, ainda então ele vive, palpita, e está unido de modo indissolúvel com a pessoa do Verbo divino, e, nela e por ela, com a sua divina vontade” (Haurietis aquas, n. 42).

O Coração de Jesus e a nossa santidade

Para o nosso progresso espiritual, o Coração de Jesus é uma realidade luminosa. O mal denunciado pelos profetas do Antigo Testamento referia-se à incapacidade de os homens prestarem um culto verdadeiro a Deus, pois seus corações estavam corrompidos pelo pecado. Deus tinha um amor esponsal pelo seu povo, mas esse povo só lhe respondia com traições. Por isso Israel é tantas vezes comparado a uma adúltera, uma prostituta, que se vendeu a outros deuses.

Em Ezequiel, essa mesma denúncia é proclamada. Todavia, Deus faz uma nova promessa aos homens: “Eu vos darei um coração novo e porei em vós um espírito novo” (36, 26). Tal promessa se concretiza fundamentalmente em Jesus, cujo Coração sacratíssimo, que é livre de toda desordem, pode enfim amar totalmente a Deus. Jesus é o homem que presta um culto perfeito a Deus, o sacrifício de louvor e expiação para a redenção dos homens. E, unidos a Ele por meio do Batismo, nós recebemos esse “espírito novo”, do qual fala o profeta, para também amarmos com amor divino, espiritual e sensível. Nesse ponto está a realidade mais fundamental do Sagrado Coração de Jesus, pois, por meio dEle, alcançamos aquela transformação necessária à santificação: passamos por um “transplante” de coração!

Os santos, sobretudo a Virgem Santíssima, alcançaram esse grau de configuração ao Coração de Jesus, pelo que podiam dizer com São Paulo: “É Cristo que vive em mim” (Gl 2, 20). E, a partir dessa união, eles puderam experimentar, num coração humano, o amor divino entre Pai e Filho. Porque, como rezamos no Prefácio de toda santa Missa, “é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo lugar, Senhor, Pai Santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso”.

Não é de estranhar, portanto, que os Padres da Igreja tenham identificado a origem do sistema sacramental, de cuja eficácia depende a nossa justificação, precisamente no Coração aberto de Jesus, na cruz. A Eucaristia e o sacerdócio, sobretudo, surgiram já naquela reunião onde o Coração de Jesus desejava ardentemente fazer a Última Ceia com seus discípulos (Lc 22, 15). Quantas glórias e riquezas vieram desse precioso dom: as graças de Maria, os sacramentos e, finalmente, o matrimônio espiritual com a Igreja, que foi selado pelo derramamento de seu próprio sangue. Por isso, diz o Papa Pio XII:

O sagrado coração de Jesus é também símbolo legítimo daquela imensa caridade que moveu o nosso Salvador a celebrar, com o derramamento do seu sangue, o seu místico matrimônio com a Igreja: “Sofreu a paixão por amor à Igreja que ele devia unir a si como esposa” (Haurietis aquas, n. 39).

Toda essa realidade nos faz enxergar a Igreja com um olhar sobrenatural, o olhar apaixonado do Esposo que, vendo o drama de sua amada, sofre e se compadece por ela. Porque, mesmo depois da ascensão, Ele “não tem cessado de amar sua esposa, a Igreja, com aquele amor inflamado que palpita no seu coração” (Haurietis aquas, n. 40), nós também precisamos amá-la para que o nosso coração se configure ao dEle. Desse modo, os frutos da tríplice vitória de Cristo — contra o demônio, contra o pecado e contra a morte —, os quais, diz Pio XII, “ele com largueza distribui ao gênero humano”, crescerão também em nós (Haurietis aquas, n. 40).

Os dons do Espírito Santo são também dons do Coração de Jesus, porque Ele infunde nas almas a caridade divina e coopera com elas para a conversão dos pagãos. Fato particularmente notável foi a experiência mística que São Filipe Neri viveu há 475 anos, quando, durante uma oração, ele teve o seu coração literalmente alargado pela caridade divina, o que lhe quebrou duas costelas. E como Deus se utilizou desse padre santo para a conversão das almas! Do mesmo modo, nós também precisamos nos deixar encher por esse amor divino, a fim de que nossas vidas sejam testemunho para a conversão de muitos.

Contra toda tendência quietista dos dias de hoje, devemos fazer valer para o Brasil a surpreendente consagração de nosso país ao Coração de Jesus, que nossos representantes políticos fizeram durante o Congresso Eucarístico Internacional, no Rio de Janeiro, em 1955. Aos pés do Cristo Redentor, que é uma imagem do Sagrado Coração, o senador Nereu Ramos proclamou, em nome de todo o parlamento, a solene fórmula: “Nós, como legítimos representantes do povo brasileiro, aqui vimos entregar-vos os destinos de nossa Pátria, que Vos foi consagrada pelo Episcopado Nacional, em presença do Chefe do Governo, no alto do Corcovado…” Essa consagração deve ser honrada por nós hoje, como legítimos herdeiros da fé de nossos antepassados e fiéis cujo coração se assemelha ao “manso e humilde” Coração de Jesus.

Recomendações

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.