CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

110. A Igreja alguma vez já proibiu a leitura da Bíblia?

De onde vem essa acusação, afinal, tão repetida pelos protestantes? É verdade que a Igreja proibiu, durante um tempo, que os seus fiéis entrassem em contato com as Sagradas Escrituras? As Sagradas Escrituras são um dom de Deus para todos, mas, em meio a heresias ou interpretações distorcidas, a Igreja diz: "Meus filhos, ante...

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Uma das acusações mais comuns contra a Igreja Católica é a de que ela teria proibido aos leigos a leitura das Sagradas Escrituras. Acusação infundada, pois, o que sempre se deu foi uma orientação no sentido de que os textos bíblicos fossem lidos sob a assistência do Magistério. Portanto, são posturas bem diferentes.

Historicamente, durante o primeiro milênio consolidou-se na Igreja a salutar prática da lectio divina, ou seja, da leitura orante da Sagrada Escritura. Ela era praticada pelo clero, mas foi estendida também aos leigos. A lectio divina foi de tão grande importância que o Catecismo destaca:

"A Igreja exorta todos os fiéis cristãos, com veemência e de modo peculiar... a que pela frequente leitura das divinas Escrituras aprendam a eminente ciência de Jesus Cristo... Lembre-se, porém, de que a leitura da sagrada Escritura deve ser acompanhada pela oração, a fim de que se estabeleça o colóquio entre Deus e o homem; pois a Ele falamos quando rezamos. A Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos.
Os padres espirituais, (...) resumem assim as disposições do coração alimentado pela Palavra de Deus na oração: 'Procurai pela leitura, e encontrareis meditando, batei orando, e vos será aberto pela contemplação." (CIC 2653-2654)

Essa disposição sofreu um duro golpe no início do século XII, na França, com o surgimento da heresia cátara. Tal heresia foi uma mistura de outros pensamentos heréticos, principalmente maniqueísta e gnóstico. Em sua obra "A Igreja das Catedrais e das Cruzadas", Daniel-Rops explica o cerne da heresia dizendo:

"O essencial continua sendo o dualismo. No mundo tal como vemos, debatem-se dois princípios: Perfeito e Imperfeito, Absoluto e Relativo, Eterno e Temporal, Bem e Mal, Espírito e Matéria. Por que esta oposição? Porque o mundo é o campo de batalha onde lutam dois deuses, o do Bem e do Mal, aqueles que os iranianos chamavam Hormuz e Ahriman. Sobre a natureza do primeiro, todos estão de acordo: é infinitamente puro, infinitamente perfeito, infinitamente bom, Espírito na sua plenitude. Quanto à do segundo, que eles chamam Satanás, Lucibel ou Lúcifer, as opiniões divergem: uns afirmam que é verdadeiramente outro deus, totalmente estranho ao deus bom, mas outros concebem-no como uma criatura que o orgulho lançou na revolta e no mal." (p. 589)

Os cátaros criam em dois deuses e, para eles, o mundo visível seria uma criação do deus mau, pois é onde existe a matéria (corruptível), portanto, também o pecado. O homem teria sido criado do nada e Lúcifer teria encerrado nos corpos de barro alguns "espíritos puros". Jesus teria ensinado a todos que é "preciso renunciar à terra, à carne, à vida, para se poder voltar a ser um espírito puro e reencontrar a pátria perdida ou céu". (p. 590). Daniel-Rops é enfático ao dizer que "não é necessário sublinhar até que ponto uma doutrina como esta se opõe ao cristianismo."

Por crerem que em cada criança nascida "o espírito mau encerra no seu corpo a alma de um anjo decaído", os catáros eram contrários à maternidade. Para eles, a mulher grávida estava "possuída" e, por gerar matéria, seria a fonte de todo mal. Por causa disso, matavam-nas e quando um crime dessa natureza era descoberto, a população, contrária a ele, acabava por linchar os assassinos.

Os heréticos, como se vê, não eram pessoas pacíficas, mas sim, bastante violentas, capazes de gerar uma verdadeira convulsão social - o que fizeram de fato -, causando um grande prejuízo, não só material, mas em vidas humanas. Eles invadiam propriedades, saqueavam, ateavam fogo e matavam quem se opunha à heresia por eles defendida.

Toda essa celeuma iniciou-se com a leitura e a interpretação das Sagradas Escrituras sem a assistência do Magistério. Por isso, houve a necessidade de se defender a leitura da Bíblia conforme ele. O Papa Inocêncio III, na carta denominada "Cum ex iniuncto" aos habitantes de Metz, datada de 12 de julho de 1199, enfatiza a necessidade do Magistério da Igreja para explicar a Sagrada Escritura:

"O nosso venerável irmão, o bispo de Metz, nos fez saber com suas cartas que, seja na diocese, seja na cidade de Metz, uma considerável multidão de leigos e de mulheres, de certo modo atraída pelo desejo das Escrituras, fez traduzir em língua francesa os Evangelhos, as cartas de Paulo, o Saltério, os "Moralia in Iob", de Gregório Magno e diversos outros livros; … assim, porém, aconteceu que em assembleias secretas os leigos e as mulheres presumem arrotar entre si tais coisas e pregar uns aos outros, e nem aceitam a companhia daqueles que não se associam a tais coisas... Alguns dentre eles desdenham até a simplicidade de seus sacerdotes; e, quando por meio destes lhes é oferecida a palavra salvação, às escondidas murmuram que eles têm coisa melhor nos seus escritos e que podem disso falar com maior sabedoria.
Também se o desejo de entender as divinas Escrituras e o zelo de exortar em conformidade com estas não mereça repreensão, mas antes, recomendação, tais porém parecem merecer censura, porque celebram pequenas reuniões próprias, usurpam para si o ofício da pregação, zombam da simplicidade dos sacerdotes e recusam a companhia daqueles que não se associam a tais coisas. Deus, de fato, odeia a tal ponto as obras das trevas que aos Apóstolos recomendou e disse: "Aquilo que eu vos digo nas trevas, dizei-o na luz, e aquilo que escutais ao pé do ouvido, pregai-o sobre os tetos" (Mt 10,27); dado com isso a conhecer de modo manifesto que a pregação evangélica deve ser proposta não em conventículos escondidos, como fazem os hereges, mas publicamente na Igreja, de acordo com o costume católico...
Os abscônditos mistérios da fé não devem, porém, ser colocados à disposição de todos sem distinção, dado que não podem ser compreendidos de modo indistinto por todos, mas somente por aqueles que podem acolhê-los com uma inteligência crente. Por isso, o Apóstolo diz aos simples: "Como recém-nascidos em Cristo vos dei leite de beber, não alimento sólido" (1 Cor 3,2)...
De fato, a profundidade da divina Escritura é tão grande que não só os iletrados, mas também os sábios e os doutores não estão plenamente à altura de perscrutar seu significado. Por isso a Escritura diz: "Muitos fracassaram no afã de prescrutar" (Sl 64,7). Por isso, naquele tempo foi corretamente estabelecido na lei divina que o animal que tivesse tocado o monte Sinai fosse apedrejado, para que evidentemente um simples qualquer ou alguém sem instrução não presuma penetrar na sublimidade da sagrada Escritura ou pregá-la a outros. Está escrito, de fato: "Não procures para ti o que te ultrapassa". Por isso diz o Apóstolo: "Não procureis saber mais do que convém saber, mas saber com sobriedade".
Como de fato são muitos os membros do corpo, mas nem todos os membros têm a mesma função, assim são muitas as categorias na Igreja, mas nem todas têm o mesmo encargo, pois segundo o Apóstolo, "a alguns, o Senhor estabeleceu apóstolos, a outros, profetas, a outros ainda, doutores etc". Sendo pois na Igreja a categoria dos doutores de certo modo singular, não deve qualquer um de modo indistinto reivindicar para si o encargo da pregação." (DH 770-771)

Foi também o livre exame das Escrituras que culminou no protestantismo, o qual, de maneira muito clara, guarda resquícios da heresia cátara. No Concílio de Trento, em 1546, a Igreja restringiu a leitura das sagradas Escrituras, mas vejamos como o fez e por qual motivo:

"Além disso, para refrear certos talentos petulantes, estabelece que ninguém, confiando no próprio juízo, ouse interpretar a Sagrada Escritura, nas matérias de fé e de moral que pertencem ao edifício da doutrina cristã, distorcendo a Sagrada Escritura segundo o seu próprio modo de pensar contrário ao sentido que a santa mãe Igreja, à qual compete julgar do verdadeiro sentido e da interpretação das sagradas Escrituras, sustentou e sustenta; ou ainda, contra o consenso unânime dos Padres, mesmo que tais interpretações não devam vir a ser jamais publicadas." (DH 1507)

Nos dias atuais, esse decreto pode soar como intolerante ou como uma restrição aos direitos da pessoa. Contudo, analisando este posicionamento da Igreja de forma católica, ou seja, olhando o todo, é possível perceber a coerência utilizada, pois, como mãe e mestra, é ela quem deve apontar o caminho seguro que cada filho seu deve trilhar rumo ao céu. Ainda que para isso tenha de exercer a disciplina.

As Sagradas Escrituras são um dom de Deus para todos, contudo, em meio a correntes gnósticas, heresias ou interpretações erradas, a Igreja diz: "meus filhos, antes de lerem Bíblia, sejam católicos; antes de quererem interpretar as Sagradas Escrituras aprendam o que é a fé da Igreja." O Papa Bento XVI na exortação apostólica Verbum Domini, é bem claro ao dizer que:

"Outro grande tema surgido durante o Sínodo, sobre o qual quero debruçar-me agora, é a interpretação da Sagrada Escritura na Igreja. E precisamente a ligação intrínseca entre Palavra e fé põe em evidência que a autêntica hermenêutica da Bíblia só pode ser feita na fé eclesial, que tem o seu paradigma no sim de Maria. (...) E São Tomás de Aquino, mencionando Santo Agostinho, insiste vigorosamente: "A letra do Evangelho também mata, se faltar a graça interior da fé que cura".
Isto permite-nos assinalar um critério fundamental da hermenêutica bíblica: o lugar originário da interpretação da Escritura é a vida da Igreja. Esta afirmação não indica a referência eclesial como um critério extrínseco ao qual se devem submeter os exegetas, mas é uma exigência da própria realidade das Escrituras e do modo como se formaram ao longo do tempo. De fato, as tradições de fé formavam o ambiente vital onde se inseriu a atividade literária dos autores da Sagrada Escritura. Esta inserção englobava também a participação na vida litúrgica e na atividade externa das comunidades, no seu mundo espiritual, na sua cultura e nas vicissitudes do seu destino histórico. Por isso, de modo semelhante, a interpretação da Sagrada Escritura exige a participação dos exegetas em toda a vida e em toda a fé da comunidade crente do seu tempo. Por conseguinte, devendo a Sagrada Escritura ser lida e interpretada com o mesmo Espírito com que foi escrita, é preciso que os exegetas, os teólogos e todo o Povo de Deus se abeirem dela por aquilo que realmente é: como Palavra de Deus que Se nos comunica através de palavras humanas. Trata-se de um dado constante e implícito na própria Bíblia: 'Nenhuma profecia da Escritura é de interpretação particular, porque jamais uma profecia foi proferida pela vontade dos homens. Inspirados pelo Espírito Santo é que os homens santos falaram em nome de Deus'. Aliás, é precisamente a fé da Igreja que reconheceu na Bíblia a Palavra de Deus; como admiravelmente diz Santo Agostinho, 'não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja Católica'. O Espírito Santo, que anima a vida da Igreja, é que torna capaz de interpretar autenticamente as Escrituras. A Bíblia é o livro da Igreja e, a partir da imanência dela na vida eclesial, brota também a sua verdadeira hermenêutica." (VD 29)

A chave de leitura das sagradas Escrituras é Jesus Cristo, na fé transmitida pelos apóstolos, ou seja, dentro da Igreja. É por isso que a Igreja, como uma mãe zelosa, orienta que as traduções da Bíblia sejam sempre ornadas com notas de rodapé, justamente orientando o fiel a ler os textos em consonância com a fé de sempre. O Concílio Vaticano II, em sua Constituição Dogmática Dei Verbum, também diz que:

"É necessário, por isso, que todos os clérigos e sobretudo os sacerdotes de Cristo e outros que, como os diáconos e os catequistas, se consagram legitimamente ao ministério da palavra, mantenham um contato íntimo com as Escrituras, mediante a leitura assídua e o estudo apurado, a fim de que nenhum deles se torne «pregador vão e superficial da palavra de Deus. Por não a ouvir de dentro», tendo, como têm, a obrigação de comunicar aos fiéis que lhes estão confiados as grandíssimas riquezas da palavra divina, sobretudo na sagrada Liturgia. Do mesmo modo, o sagrado Concílio exorta com ardor e insistência todos os fiéis, mormente os religiosos, a que aprendam «a sublime ciência de Jesus Cristo» (Fil. 3,8) com a leitura frequente das divinas Escrituras, porque «a ignorância das Escrituras é ignorância de Cristo». Debrucem-se, pois, gostosamente sobre o texto sagrado, quer através da sagrada Liturgia, rica de palavras divinas, quer pela leitura espiritual, quer por outros meios que se vão espalhando tão louvavelmente por toda a parte, com a aprovação e estímulo dos pastores da Igreja. Lembrem-se, porém, que a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada de oração para que seja possível o diálogo entre Deus e o homem; porque «a Ele falamos, quando rezamos, a Ele ouvimos, quando lemos os divinos oráculos» (6).
Compete aos sagrados pastores «depositários da doutrina apostólica», ensinar oportunamente os fiéis que lhes foram confiados no uso reto dos livros divinos, de modo particular do Novo Testamento, e sobretudo dos Evangelhos. E isto por meio de traduções dos textos sagrados, que devem ser acompanhadas das explicações necessárias e verdadeiramente suficientes, para que os filhos da Igreja se familiarizem dum modo seguro e útil com a Sagrada Escritura, e se penetrem do seu espírito.
Além disso, façam-se edições da Sagrada Escritura, munidas das convenientes anotações, para uso também dos não cristãos, e adaptadas às suas condições; e tanto os pastores de almas como os cristãos de qualquer estado procuram difundi-las com zelo e prudência." (DV 25)

A Dei Verbum, ainda cumprindo o seu papel de corroborar o ensinamento da Igreja reafirma que a "Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um só depósito sagrado da palavra de Deus, confiado à Igreja; (...)". E ainda que:

"o encargo de interpretar autenticamente a palavra de Deus escrita ou contida na Tradição, foi confiado só ao magistério vivo da Igreja, cuja autoridade é exercida em nome de Jesus Cristo. Este magistério não está acima da palavra de Deus, mas sim ao seu serviço, ensinando apenas o que foi transmitido, enquanto, por mandato divino e com a assistência do Espírito Santo, a ouve piamente, a guarda religiosamente e a expõe fielmente, haurindo deste depósito único da fé tudo quanto propõe à fé como divinamente revelado." (DV 10)

Está, portanto, claro que a Igreja nunca proibiu a leitura dos livros sagrados. O que ela teve sempre foi o cuidado, o zelo em garantir que a interpretação das Sagradas Escrituras fosse feita dentro do espirito com que seu autor a inspirou. Por isso é que o Papa Emérito Bento XVI frisava sempre que a Igreja Católica Apostólica Romana não é a religião de um livro, mas de uma pessoa: JESUS CRISTO, o qual continua vivo na sua Igreja, nos seus santos ao longo dos séculos e é esta Igreja que tem a missão de interpretar a Bíblia.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.