CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

105. A luz de Belém

Temos hoje a oportunidade de meditar o Evangelho de São João, cuja riqueza e densidade levou a Igreja a, durante séculos, lê-lo ao final de cada missa, a fim de que os fiéis pudessem ter sempre presentes as verdades perenemente nele contidas

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
1, 1-18)

No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus. Ela existia, no princípio, junto de Deus. Tudo foi feito por meio dela, e sem ela nada foi feito de tudo o que existe. Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la.

Veio um homem, enviado por Deus; seu nome era João. Ele veio como testemunha, a fim de dar testemunho da luz, para que todos pudessem crer, por meio dele. Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz.

Esta era a luz verdadeira, que vindo ao mundo a todos ilumina. Ela estava no mundo, e o mundo foi feito por meio dela, mas o mundo não a reconheceu. Ela veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram. A quantos, porém, a acolheram, deu-lhes poder de se tornarem filhos de Deus: são os que creem no seu nome. Estes foram gerados não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que recebe do seu Pai como filho único, cheio de graça e de verdade.

João dá testemunho dele e proclama: "Foi dele que eu disse: 'Aquele que vem depois de mim passou à minha frente, porque antes de mim ele já existia'". De sua plenitude todos nós recebemos, graça por graça. Pois a Lei foi dada por meio de Moisés, a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Ninguém jamais viu a Deus; o Filho único, que é Deus e está na intimidade do Pai, foi quem o deu a conhecer.

Hoje, a Igreja nos oferece à reflexão o belíssimo prólogo do Evangelho de São João, que durante séculos foi lido ao final de cada missa, a fim de que aos fiéis estivessem sempre vivas e presentes as verdades nele contidas. Detenhamo-nos por ora em apenas uma delas. Diz, com efeito, o Evangelista que o Verbo de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, é a "luz verdadeira, que vindo ao mundo a todos ilumina". Cristo é, pois a luz que, segundo a versão grega, "ilumina a todo o homem" (ὃ φωτίζει πάντα ἄνθρωπον), quer se trate de um ateu ou de um pagão, quer se trate de um católico ou herege. Todos os seres humanos recebem do Verbo a luz de Deus. A diferença, no entanto, consiste em que nem todos, igualmente chamados a participar da vida divina, acolhem de igual maneira a luz de Cristo: "Ela estava no mundo, e o mundo foi feito por meio dela", escreve São João, "mas o mundo não a reconheceu. Ela veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram."

O Senhor envia a sua luz aos homens, mas os homens a rejeitam: Cristo, como o sol que brilha sobre bons e maus (cf. Mt 5, 45), é por uns aceito, por outros desprezado, por uns amado, por outros odiado. "A quantos, porém, a acolheram, deu-lhes poder de se tornarem filhos de Deus: são os que creem no seu nome." Ele a todos ilumina, a todos transmite o calor de sua luz; mas nem todos o recebem. Uns se abrem à vida que Ele lhes transmite; outros, pondo-se como que sob as sombras do mundo, impedem que a sua luz lhes aqueça o coração. João parece aqui descrever dois povos: os que jazem nas trevas e os que, acolhendo a luz que o Pai lhes enviou, têm a alegria de se tornarem filhos de Deus.

O Evangelho desta 6.ª-feira nos convida, assim, a renovar a e fortalecer nossa fé no Verbo eterno de Deus. Nós, que por graça e eleição divina já cremos, temos de pedir constantemente que o Senhor fortifique a nossa fé, incremente-a, faça-a crescer dia a dia, como um sementinha que, com o passar do tempo, vai-se tornando uma árvore cada vez mais robusta, cada vez mais frutuosa. Que Ele, fazendo-nos crescer de fé em fé (cf. Rm 1, 17), nos dê a graça de nos conformarmos à sua vontade, de nos tornarmos seus amigos e, como filhos adotivos, fazermos parte de sua família.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.