CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

555. Amar a Deus no irmão

O grande mandamento da Lei, amar a Deus de todo o coração e sobre todas as coisas, embora seja o primeiro em dignidade e importância, não o é para nós na ordem da execução.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc
12, 28b-34)

Naquele tempo, um mestre da Lei aproximou-se de Jesus e perguntou-lhe: "Qual é o primeiro de todos os mandamentos?" Jesus respondeu: "O primeiro é este: Ouve, ó Israel! O Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e com toda a tua força! O segundo mandamento é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo! Não existe outro mandamento maior do que estes". O mestre da Lei disse a Jesus: "Muito bem, Mestre! Na verdade, é como disseste: Ele é o único Deus e não existe outro além dele. Amá-lo de todo o coração, de toda a mente, e com toda a força, e amar o próximo como a si mesmo é melhor do que todos os holocaustos e sacrifícios". Jesus viu que ele tinha respondido com inteligência, e disse: "Tu não estás longe do Reino de Deus". E ninguém mais tinha coragem de fazer perguntas a Jesus.

O Evangelho de hoje está centrado nos dois grandes mandamentos da Lei divina: amar a Deus com todas as forças e de todo o coração, e ao próximo como a si mesmo, por amor a Deus. Aqui, porém, parece esconder-se uma pequena "contradição": se, com efeito, devemos amar a Deus com todo o nosso ser, sem preferir a Ele nada nem ninguém, como podemos de fato amar o nosso irmão? Ora, mais do que uma tensão entre duas leis opostas à primeira vista, a relação entre o primeiro e o segundo mandamentos é a de um fim relativamente ao seu meio, pois é amando ao próximo no dia-a-dia que exercitamos o amor que temos a Deus. O primeiro mandamento, embora o seja em importância e dignidade, não o é para nós na ordem da execução, porque "aquele que não ama seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê" (1Jo 4, 20). Só amamos Aquele que é puro espírito se sujamos as mãos no "barro" de que são feitos os homens em que Ele, para que O amemos, como se faz presente. Sentemo-nos hoje à soleira da casa de Deus, batamos-Lhe a porta e peçamos que nos conceda a graça de O amarmos como Ele quer ser amado, vendo-O o servindo-O em quantos nos rodeiam. Que o Coração Imaculado de Maria nos ajude, enfim, a vencer o nosso egoísmo e a corresponder à ardente caridade que o Coração Sacratíssimo de Jesus tem por cada um de nós.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.