Festa da Natividade de Nossa Senhora
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 

(Mt 1,1-16.18-23)

Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson Gerou Salmon; Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido a mulher de Urias. Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias; Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia.

Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel; Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Mató; Mató gerou Jacó. Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo.

A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria, em segredo. Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”.

I. Reflexão

Com alegria celebramos hoje a natividade da Mãe de Deus, Maria Santíssima. Na liturgia da Igreja, celebramos geralmente a morte, isto é, o dia de entrada dos santos no céu, mas não o nascimento deles. Por quê? Porque todo homem nasce em pecado. Há porém três exceções a isso, devidamente celebradas no calendário litúrgico. Celebramos, em primeiro lugar, o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, na solenidade do Natal; celebramos o nascimento de São João Batista, que, ainda no ventre de Isabel, ao receber a visita de Jesus, já no ventre de Maria, foi redimido e, portanto, veio à luz sem o pecado original; em último lugar, mas não por ordem de importância, celebramos também o nascimento da Virgem Santíssima. Por quê? 

O nascimento da Virgem Maria, evidentemente, é mais importante que o do Batista e dele se diferencia porque, enquanto João nasceu sem pecado, mas foi nele concebido, a Virgem Maria nasceu sem pecado e foi preservada dele logo ao ser concebida. É a Imaculada Conceição. Por isso a festa maior é a do dia 8 de dezembro, solenidade da Imaculada Conceição, em que Nossa Senhora, no ventre de Sant’Ana, desde o primeiro instante de sua existência, recebeu uma tal plenitude de graça, que supera a de todos os anjos e santos juntos.

Apesar da importância do dia 8 de dezembro, não poderíamos deixar passar em branco o que aconteceu nove meses depois: o nascimento bendito de nossa Mãe. Para usar uma linguagem popular e não de todo adequada, podemos dizer que hoje é o “aniversário” de Nossa Senhora. E o que podemos colher dessa celebração? Em primeiro lugar, é importante notar que existe desde há tempos na Igreja uma grande devoção à infância de Maria, ou seja, a Nossa Senhora Menina. Por que veneramos Nossa Senhora Menina? Afinal, Maria não foi assunta ao céu, onde está glorificada com corpo adulto? Sim, mas com essa devoção o que se quer é contemplar o mistério realizado por Deus naquele pequeno e imaculado Coração.

Deus concedeu à Virgem Maria, ainda no ventre de sua mãe, uma capacidade extraordinária de amar, de modo que, quando ela finalmente nasceu, pôde realizar desde cedo atos humanos e, sobretudo, atos de amor prodigiosos, a ponto de espantar os próprios anjos. Foram os anjos que, segundo a leitura tradicional da Igreja, disseram: “Quem é essa?”, Quæ est ista?, “Quem é essa que avança como a aurora, terrível como um exército em ordem de batalha?” Ora, por que Nossa Senhora, desde a mais tenra infância, causou tanta admiração aos anjos? Porque os anjos, acostumados a ver a face gloriosa de Deus e o amor ardente dos mais altos serafins e querubins, quando viram a pequena menina de Nazaré, ficaram admirados com o seu Coração, do qual, embora humano, brotava um amor superior ao deles. Sim, superior! Pequenina, a Virgem Maria já realizava atos de caridade muito mais do que angélicos!

Daí a veneração e a gratidão que devemos a ela. Com efeito, quando se ama alguém, o normal é alegrar-se ao ver a pessoa ser amada também pelos outros. Ora, nós amamos a Deus, motivo por que nos deve causar suma felicidade ver que, no Coração de Maria, Ele é amado como merece. Quem de nós já não se sentiu desconcertado com o fato de não poder dar a Deus todo o amor que Ele pede, muito menos todo o que Ele merece? Ninguém menos que São Francisco de Assis chorava, dizendo: “O Amor não é amado, o Amor não é amado!”

Pois bem, Deus é amor infinito e quer ser amado por suas criaturas. Deus quer que o amemos — diz São Bernardo —, porque sabe que serão felizes os que o amarem. Mas nós queremos amar a Deus não só porque assim seremos felizes, mas antes de tudo porque Ele é em si mesmo sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas. Mas como lhe dar o amor que Ele merece? Nós olhamos então para a Virgem Maria e vemos no Coração dela, desde pequenina, um amor incendido, abrasado, uma verdadeira fornalha de amor a Deus! Por isso somos felizes, felizes de ver que Deus, o nosso Amado, é devidamente amado: Ele recebe o que merece, ainda que nós não sejamos capazes de dar-lho. 

Eis por que venerar a Virgem Menina não é mais do que contemplar o amor sem igual que ela desde pequena deu a Deus. Hoje é dia de louvar o Senhor pela infância bendita da Virgem Maria! Ao celebrarmos sua natividade, devemos estar alegres: que bom que Deus criou a Virgem Maria, que bom que Ele a agraciou com a Imaculada Conceição e lhe deu uma capacidade de amar superior à dos anjos e dos santos, para que neste mundo, desde a mais tenra infância, ela o pudesse amar como Ele é digno de ser amado.

Que Maria Santíssima, do alto do céu, nos dê um coração de criança para amar a Deus. Pois se não formos como crianças, não entraremos no Reino dos céus. Quais filhinhos nos braços de nossa Mãe, entreguemos à Virgem imaculada nossas necessidades, as de nossa família e de nosso país, para que ela nos cubra a todos com o seu manto de amor e nos ajude a amar sempre um pouco mais ao Deus a quem ela, mais do que ninguém, amou de todo o Coração.

II. Comentário exegético

Argumento. — José, perplexo diante da gravidez de sua esposa, cujo mistério ignorava, decide abandonar Maria ocultamente. Um anjo porém lhe aparece em sonhos e lhe revela a concepção sobrenatural que nela se havia operado.

V. 18. Ora, a origem (gr. ἡ γένεσις) de Jesus Cristo, com respeito tanto à concepção quanto à natividade, foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento [1] a José e, antes de passarem a conviver, i.e. antes de José conduzir Maria à sua casa, um ano após a celebração dos esponsais. Alguns aa. interpretam o verbo conviver (ou coabitar, em outras traduções; lt. convenire, gr. gr. συνελθεῖν) no sentido de “fazer uso do matrimônio” (e.g. São João Crisóstomo, Santo Ambrósio, São Jerônimo, Maldonado etc.). A primeira interpretação, mais comum e tradicional, parece também a mais provável: a) porque a este verbo se contrapõe, nos vv. 20 e 24, o verbo receber (gr. παραλαβεῖν, lt. accipere), que se diz propriamente do homem que conduz a esposa à sua casa para viver com ela; b) porque pouco depois, no v. 25, exprime-se o uso do matrimônio pelo eufemismo “conhecer”, típico da linguagem bíblica. Tenha-se presente, no entanto, que, mesmo admitida a segunda interpretação, daí não se segue dificuldade alguma para a virgindade perpétua de Maria: “Do fato de ser dito ‘antes de passarem a conviver’ [com união carnal] não se segue que depois tenham convivido [sexualmente], senão que a Escritura diz apenas o que não foi feito” (São Jerônimo), sem insinuar que tenha ocorrido mais tarde.

Ela encontrou-se grávida, i.e. depois de certo tempo, talvez após três meses de permanência na casa de Isabel, ela apareceu (visivelmente) grávida, mas pela ação do Espírito Santo (gr. ἐκ πνεύματος ἁγίου), i.e. porque concebera pela ação e virtude divina. (Com efeito, a ausência de art. definido no texto gr., aqui e no v. 20, indica que a concepção virginal não é obra só da terceira Pessoa, mas de toda a Santíssima Trindade, cujas operações ad extra são sempre comuns às três [2].)

O evangelista acrescenta na mesma cláusula pela ação do Espírito Santo para que o leitor nem por um momento suspeite qualquer coisa contra a virgindade de Maria. — Alguns intérpretes opinam que este v. deve ler-se conjuntamente com o seguinte ao modo de explicação, de forma que o sentido do texto seria: “José conheceu que Maria concebera pela virtude do Espírito Santo e, por humildade, a quis despedir”. Essa explicação, contudo, vai de encontro ao dito em seguida: Não tenhas receio de receber Maria, tua esposa; o que nela foi gerado vem do Espírito Santo (v. 20). Na leitura destes aa., o que o anjo teria dito, na verdade, foi: “Embora tenha ela concebido do Espírito Santo, não tenhas receio de a receber”. 

N.B. — Note-se a propriedade do verbo encontrou-se (lt. inventa est, gr. εὑρέθη), que ressalta, do ângulo de Maria, o caráter miraculoso de sua concepção e evidencia, ao mesmo tempo, a surpresa de José, que não podia encontrar explicação razoável, afastada toda suspeita de adultério, para aquela gravidez.

V. 19. José, seu esposo (gr. ἀνήρ = varão, porque entre os hebreus o esposo já era considerado marido) [3], sendo justo, i.e. íntegro, fiel observador da Lei, não queria habitar com uma esposa grávida de outro ou por outro meio, por ser prática contrária aos preceitos da Lei (cf. Dt 22,23s). Mas, por outra parte, não queria denunciá-la (lt. traducere, gr. δειγματίσαι = difamar, tornar infame), i.e. abandoná-la publicamente, seja por delação aos juízes, seja por libelo de repúdio entregue perante eles, pois não podia duvidar de sua inocência: é próprio do justo, com efeito, não fazer juízo temerário de uma situação que não chega a compreender de todo. Então pensou (lt. voluit, gr. ἐβουλήθη = deliberou consigo mesmo, considerou) em despedi-la secretamente, pensando talvez em partir para outra região ou em rescindir, na presença de duas testemunhas, por um libelo de repúdio, o contrato esponsalício (cf. Dt 24,1, que a antiga tradição rabínica interpretava não só em referência à mulher, mas também à esposa).

Dubium: Teria o bem-aventurado José realmente suspeitado de adultério por parte da Virgem Santíssima? — 1) Afirmam-no muitos e graves escritores (e.g. Santo Ambrósio, Santo Agostinho, São João Crisóstomo etc.). Mas tal suspeita parece inadmissível, além de ser indigna tanto de José quanto de Maria e de Cristo, por implicar certa injúria à pureza intemerata da segunda, macular de certo modo a prudência do primeiro e, dessa forma, acarretar certa ignomínia para o divino Salvador. Menocchio tentou amenizar, sem muito sucesso, o rigor dessa opinião, dizendo: “Talvez [José] tenha pensado que Maria fora violentada e, por isso, não tinha culpa daquela gravidez”.

2) Muitíssimos aa., no entanto, preferem outra via, que já a São Jerônimo parecera mais razoável e adequada: “José, sabendo da castidade dela e atônito ante o que sucedera, cobre com silêncio aquilo cujo mistério desconhecia”. Santo Tomás expõe esta sentença nos seguintes termos (super Matth. 1, l. 4): “Segundo Jerônimo…, [José] não suspeitou de adultério. Sabia, com efeito, da pureza de Maria; lera na Escritura que uma virgem havia de conceber: Um renovo sairá do tronco de Jessé, e um rebento brotará de suas raízes (Is 11,1; cf. 7,14); sabia também que Maria era descendente de Davi. Logo, era-lhe mais fácil crer que isto se cumprira nela que pensar que ela houvesse fornicado. Julgando-se pois indigno de coabitar com tão grande santidade, quis despedi-la em segredo, como São Pedro disse: Retira-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador (Lc 5,8; cf. Mt 8,8)”. — Objeção: Se fosse este o caso, seria infundado o receio de denunciá-la (saberia não haver culpa), além de supérflua a revelação do anjo (já teria notícia do mistério).

3) Outra explicação possível para a perplexidade de José funda-se na opinião, bastante comum entre os aa., sobretudo medievais, segundo a qual Maria e José, embora unidos por verdadeiro matrimônio, fizeram antes do casamento um voto de castidade perpétua. É o que parece depreender-se das próprias palavras da Virgem, que, já casada e sob o poder marital de José, pergunta ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? (Lc 1,34), como se dissesse: “Como hei de conceber se, estando casada, me obriguei diante de Deus a não conhecer homem algum?” Ora, como José conhecesse a pureza e a integridade de Maria, além de seu propósito de manter-se sempre virgem ao seu lado, vendo aquela gravidez, não pôde senão guardar silêncio, como se estivesse diante de um mistério para o qual não havia nenhuma explicação racional.

A revelação do anjo. — V. 20. Mas, no que lhe veio esse pensamento (gr. ἐνθυμηθέντος = ao considerar de si para si essas coisas), apareceu-lhe em sonho (κατ’ ὄναρ = por sonho, i.e. durante o sono) um anjo do Senhor, que lhe disse: José, Filho de Davi, não tenhas receio de receber, i.e. de trazer para tua casa Maria (como) tua esposa; o que nela foi gerado (gr. γεννηθὲν = concebido) vem do Espírito Santo, e não de algum homem.

V. 21. Em seguida, ouve do anjo (que, não sem probabilidade, deve ser o mesmo Gabriel) o que já fora revelado a Maria (cf. Lc 1,31ss): Ela dará à luz um filho, e tu lhe porás o nome de Jesus, alusão evidente a Is 7,14: Uma virgem conceberá e dará à luz um filho. — “Jesus” (Jeshua‘, antes Jehoshua‘, composto de duas palavras: יהוה (da forma apocopada יה = Jahweh, e שוע = salvar, i.e. Jahweh salva), é o mesmo que “Salvador”; por isso as palavras que vêm em seguida, ele vai salvar o seu povo dos seus pecados, não são mais do que uma explicação do nome. — A José são atribuídos verdadeiros direitos paternos sobre o Filho que nascerá de Maria, pois dar o nome é prerrogativa tanto da mãe quanto do pai, como mostram inúmeros exemplos (cf. Gn 41,1; 5,29; 21,3 etc). — O vocábulo povo significa, de modo imediato, Israel, a quem Cristo foi enviado primeiro e ao qual, enquanto homem, pertencia; mas, em sentido lato, abarca todo o gênero humano, na medida em que, pela redenção, todos os homens se tornaram povo de Cristo, que tem direito de conquista sobre todas coisas [4]. Ao mesmo tempo, declara-se a índole espiritual desta libertação, contra a expectativa comum dos judeus: dos pecados deles (i.e. do povo, por enálage de número), e não tanto da opressão política de nações estrangeiras.

V. 22. Tudo isto que se disse sobre a concepção, a natividade e a imposição do nome de Cristo, aconteceu para que se cumprisse (gr. ἵνα πληρωθῇ = fosse levado acabo) o que foi dito pelo Senhor por meio do profeta, que diz: Eis que a virgem etc. — Como (c. 735–734 a.C.) os reis da Síria e de Israel se tivessem coligado contra Acaz, rei de Judá, a este, por boca de Isaías, prometeu o Senhor a vitória; não só isso: para confirmar o vaticínio, daria qualquer sinal que o rei pedisse. Mas como Acaz, por incredulidade e falsa modéstia, se recusasse a aceitar a oferta, o profeta, por ordem divina, vaticinou o nascimento futuro do Messias de uma virgem, como o maior e mais eficaz milagre de todos (cf. Is 7,1-14). O evangelista cita as palavras do profeta (segundo a LXX): Eis que a virgem (gr. ἡ παρθένος, com art. definido; hebr. hā-‘almā [הָעַלְמָ֗ה], i.e. aquela virgem determinada, dentre todas eminente) ficará grávida e dará à luz um filho. Em hebr. há dois particípios: concebendo (הָרָה) e parindo (יֹלֶדֶת), que, por se referirem ao sujeito virgem, indicam a permanência da virgindade em ambos os estados, ante partum e in partu. — E lhe porão o nome de Emanuel (hebr. עִמָּ֥נוּ אֵֽל = Deus conosco).

Com esta profecia, de acordo com os católicos e também muitos protestantes, são explicitamente anunciados a concepção e o nascimento do Messias de uma virgem; ao mesmo tempo, demonstra-se, como dito acima, a virgindade de sua mãe antes do parto e durante o parto: de fato, ela conceberá virgem e ainda virgem dará à luz. Por isso é menos provável a opinião dos que veem nas palavras do profeta uma referência imediata a alguma moça, à mulher de Isaías ou do próprio Acaz, e apenas mediata e tipológica à mãe do Messias [5]. — Não há dúvida de que Mt. vê na concepção e no nascimento de Jesus o cumprimento da profecia. Ele é verdadeiramente Emanuel porque, “ainda que Deus sempre tenha estado com os homens, nunca antes esteve de modo tão manifesto” (São João Crisóstomo), i.e. em carne visível. — As palavras finais que significa etc. parecem uma inserção do intérprete grego de Mt.

Referências

  1. Esposa ou prometida (gr. ἐμνηστευμένη, lt. desponsata), neste contexto, significa o mesmo que unida em matrimônio, uma vez que os esponsais dos hebreus supunham não só a promessa de casamento, como é o caso do noivado moderno, mas constituíam já um verdadeiro matrimônio, com todos os direitos e deveres que competem aos cônjuges. Eis por que a infidelidade da esposa era punida pela Lei com a mesma pena do adultério (cf. Dt 22,23ss). Um ano após os esponsais, a esposa era finalmente conduzida à casa do esposo, e então se celebravam solenemente as núpcias.
  2. Cf. F. Diekamp, Theologiæ Dogmaticæ Manuale, Paris, Desclée & Soc., 1933,6 vol. 1, pp. 346s.387. Em razão da simplicidade divina, torna-se de todo impossível estabelecer qualquer distinção real entre a natureza de Deus e suas operações. Ora, o operar de Deus nada mais é do que a própria natureza divina, enquanto concebida como entender e querer infinitos em relação a um termo extradivino. Assim pois como a própria natureza divina é una, é necessário que também o seja a operação (cf. Santo Tomás de Aquino, STh I 45,6). Nada impede, contudo, apropriar a uma das três Pessoas uma dada operação ad extra, não porque esta não seja obra das outras duas, mas porque se atribui àquela para manifestar mais claramente quoad nos a distinção e as propriedades delas. Afinal, a Trindade, embora seja inseparável e indivisível, nunca seria entendida por nós como Trindade, se a ela só nos referíssemos inseparável e indivisamente (cf. São Leão Magno, serm. de Pentec. II 2). Embora seja uso já consagrado atribuir a obra da encarnação ao Espírito Santo, não se pode perder de vista que a terceira Pessoa não é, em sentido algum, “pai” de Jesus Cristo. Com efeito, a paternidade implica gerar, da própria substância, a outro semelhante a si segundo a espécie, coisa que não fez o Espírito Santo, a quem se atribui, não a geração do Filho, mas a produção milagrosa da natureza humana por ele assunta no seio de Maria Virgem.
  3. Filo de Alexandria, de spec. Leg. III 12: “Os esponsais têm o mesmo valor que o matrimônio”.
  4. Pio XI, Encíclica “Quas Primas”, de 11 dez. 1925, n. 10 (AAS 17 [1925] 598s): “Ora, em que fundamento se apoie esta dignidade e potestade de Nosso Senhor, explica-o adequadamente Cirilo de Alexandria: ‘Ele, para o dizer numa palavra, tem o domínio de todas as criaturas, não arrebatado à força nem imposto desde fora, mas por sua essência e natureza’ (in Lucam 10: PG 74,622), a saber: o seu principado baseia-se naquela admirável união a que chamamos hipostática. Donde se segue que Cristo há de ser adorado como Deus pelos anjos e pelos homens, mas também que ao seu império enquanto Homem os anjos e os homens devem obedecer e estar sujeitos, na medida em que pelo só título de união hipostática Cristo já tem poder sobre todas as criaturas. Mas haverá algo mais doce e suave do que pensar que Cristo tem império sobre nós não apenas por direito nativo, mas também adquirido, i.e. de redenção? Oxalá os homens esquecidos recordem o quanto custamos ao nosso Salvador: Não a preço de coisas corruptíveis, de prata ou de ouro, mas pelo precioso sangue de Cristo, o cordeiro sem defeito e sem mancha (1Pd 1,18s). Já não nos pertencemos, pois Cristo nos comprou por um grande preço (1Cor 6,20); até nossos próprios corpos são membros de Cristo (1Cor 6,15)”.
  5. Para tais aa., a expressão hebr. significaria moça, jovem, donzela etc. Argumentam que a jovem em questão seria a mulher de Acaz, a qual, como antes fosse estéril, daria à luz por milagre um filho, seja ele Ezequias ou algum outro. Ora, a) é evidente que não pode tratar-se de Ezequias, pois este já era nascido: de fato, Acaz reinou apenas 16 anos, ao passo que Ezequias, quando assumiu o trono, tinha já 25 anos de idade; logo, nasceu antes de o pai tornar-se rei. Além disso, b) nem Ezequias nem nenhum outro filho de Acaz, pelo que consta, foi chamado Emanuel. Por último, c) se o profeta estivesse se referindo a uma simples jovem, suas palavras não conteriam nenhum sinal: que há de novo e maravilhoso em uma jovem dar à luz? E, se se trata da mulher de Acaz, como poderia ser estéril, se já dera à luz Ezequias? A interpretação literal e ortodoxa, fundada na LXX, que verte o hebr. por a virgem, vê nas palavras do profeta uma alusão direta à Virgem deípara, que concebeu e deu Cristo à luz sem jamais perder a integridade física. Cf. Cornélio a Lapide, Commentarii…, Lyon, 1839, vol. 8, p. 56a. — Patrizi (cf. de interpret. SS. I 14, nn. 370–376) dá várias razões para pensar que a esta, como tampouco a outras várias profecias, não subjaz nenhum outro sentido (místico ou anagógico) além do literal, e recorda: “Foram sobretudo os judeus afeitos à cabala que mais suaram em busca do sentido místico das palavras, prática que *Glassius chama jocosamente espúria, impura, senil e febriculosa” (philolog. sacr. II 1 §3).
Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.