CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

19. Humildade e vida espiritual

Não há perigo maior para quem começou a rezar do que a vanglória. É impossível crer e avançar de fé em fé se o que se busca é a própria glória, e não aquela que é só de Deus. Nesta “Direção Espiritual”, Padre Paulo Ricardo ensina-nos que remédio dar a este mal tão comum.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Um dos problemas mais comuns — e também um dos mais perigosos — com que deparam os principiantes na vida espiritual é a falta de humildade. Muitos deles, depois de longos anos de pecado e esquecimento de Deus, se convertem e, com decisão muitas vezes sincera, empenham-se em ter uma vida de oração íntima e constante. Esse novo empreendimento, por assim dizer, costuma ter um bom ponto de partida: a humilhação e o reconhecimento diante do Senhor das próprias misérias, faltas e debilidades. Os que perseveram nessa humildade inicial tendem, via de regra, a perseverar também em seus propósitos, a crescer espiritualmente e a experimentar o que em episódios passados caracterizamos como ato de fé.

O ato de fé a que nos referimos, vale a pena lembrar, é um fenômeno espiritual que acontece geralmente nos momentos de oração. Trata-se de uma moção da graça que, atuando sobre a nossa vontade, convida a nossa inteligência a crer com mais firmeza nas verdades reveladas por Deus. Podemos entendê-lo também como um toque do Ressuscitado pelo qual nos damos conta, sob uma luz mais clara, da verdade e da doçura sempre inesgotáveis da nossa fé. É como um “cair a ficha” a respeito do que já sabíamos pela fé, mas que passamos a saber agora com mais claridade, firmeza e com um novo “sabor”.

No entanto, é triste notar que alguns desses principiantes, depois de darem os passos iniciais na vida de oração, acabam se esquecendo da humildade com que começaram a caminhar e, assim, são levados a imaginar que já chegaram ao fim da caminho. Sentindo-se muito progredidos, devotos e virtuosos, enchem-se de vaidade e, por causa disso, paralisam a própria alma, tornando-a incapaz de repetir aqueles atos de fé que Deus lhes concedera inicialmente. Essa é a causa de parte não desprezível dos períodos de aridez, secura e distração de que tantos se queixam.

Jesus resumiu essa paralisia espiritual numa conhecida passagem do Evangelho, por ocasião de mais um confrontamento com os fariseus: “Como podeis crer, vós que recebeis a glória uns dos outros, e não buscais a glória que é só de Deus?” (Jo 5, 44). Nosso Senhor deixa claro aqui que a vaidade e a soberba, o buscar a todo instante aprovação e elogios, é um impedimento grave à fé. Não pode crer nem, portanto, realizar atos de fé na oração quem busca a própria glória, e não a que vem de Deus. O principiante deixou, é verdade, de cometer aqueles pecados mais rudes e grosseiros, pôs um pouco de ordem na vida e passou a dedicar algum tempo à oração e às práticas de piedade, mas se encontrou com uma barreira à graça e ao seu crescimento espiritual: a vanglória, essa erva daninha que corrompe e afeia as melhores obras.

Por isso, é de grandíssima importância que cada oração comece por um ato de humilhação. Não se trata de uma pura “formalidade” nem de uma tola “encenação”, como quem nega de modo afetado e quase teatral as boas qualidades que possui, mas de um requisito lógico e necessário desse contato pessoal com Deus no qual consiste a oração: para encontrar-nos com Ele, que é Misericórdia, precisamos encontrar-nos primeiro conosco, que somos miséria. Isso significa, em outras palavras, que o conhecimento íntimo de Deus que buscamos ao rezar deve estar baseado num autoconhecimento franco e realista [1].

Esse conhecimento de si nem sempre é agradável, mas nem por isso é menos verdadeiro. Chegar a conhecer com justiça o pouco que se é, reconhecendo sinceramente os próprios defeitos e imperfeições, é muitas vezes um caminho doloroso, no qual hão de cair máscaras e mentiras, mas também profundamente libertador (cf. Jo 8, 32). Só assim, conhecendo-nos como somos, poderemos nos abrir com franqueza à palavra que Deus nos quer dirigir.

O ato de humildade, nesse sentido, pode ser comparado com a genuflexão que fazemos diante do Santíssimo Sacramento. Pondo-nos de joelhos no chão, mostramos a Cristo que nada somos e que o adoramos com aquele que é o nosso tudo. Do mesmo modo, humilhando-nos na hora de rezar, expressamos ao Senhor que só Ele é (cf. Ex 3, 14), ao passo que nós, criaturas vindas do nada, não somos.

É só com os pés bem firmes no conhecimento da nossa pequenez que poderemos avançar na vida espiritual. Que Deus, eterno e misericordioso, nos conceda essa luz, esse conhecimento e esse andar na verdade [2] sobre nós mesmos. Antes de nos pormos a rezar, expressemos sempre a Ele, de coração contrito e humilhado, que lhe estamos inteiramente sujeitos, como servos temerosos e tão proclives à desobediência; que reconhecemos o quanto temos faltado com o cumprimento dos nossos deveres de estado; que necessitamos, como ramos unidos à videira, da seiva de sua graça, sem a qual nada podemos fazer (cf. Jo 15, 4-5); que tudo o que de bom há em nós — talentos e virtudes — é presente imerecido da sua infinita liberalidade.

Referências

  1. Este autoconhecimento, porém, nada tem de psicologismo. Não se trata de fazer uma espécie de auto-análise, à busca de possíveis causas emotivas ou biográficas dos próprios atos. Trata-se, no fundo, de conhecer-se à luz de Deus, de saber-se pequeno ante a grandeza de um Amor que não merecemos e que, mesmo assim, se inclina para tirar-nos da profundeza do nosso egoísmo.
  2. Cf. S. Teresa d’Ávila, Sextas Moradas, c. 10, n. 7.
Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.