CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
11 Abr 2014 - 26:36

O sacrifício perfeito e santo

Ao adentrar em procissão Jerusalém, aclamado por ramos de oliveira, Nosso Senhor é o sacerdote que se dirige ao altar para oferecer, como se diz na Liturgia, "o sacrifício perfeito e santo".
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 11 Abr 2014 - 26:36

O sacrifício perfeito e santo

Ao adentrar em procissão Jerusalém, aclamado por ramos de oliveira, Nosso Senhor é o sacerdote que se dirige ao altar para oferecer, como se diz na Liturgia, "o sacrifício perfeito e santo".
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho para Procissão de Ramos: Mt 21, 1-11.
Anúncio do Evangelho da Paixão do Senhor: Mt 27, 11-54.

Neste Domingo de Ramos, a Liturgia da Santa Missa tem dois Evangelhos: o da entrada de Jesus em Jerusalém [1] e o Evangelho em que Jesus é condenado e crucificado no Calvário. Olhando para Jesus como sumo e eterno sacerdote, é possível perceber a grande ligação entre essas duas passagens: a entrada de Cristo em Jerusalém é como a procissão do sacerdote que se dirige ao altar, a fim de oferecer um sacrifício.

E qual é a importância do sacrifício na teologia cristã? Por que é preciso que os homens ofereçam sacrifícios a Deus? Essa necessidade está inscrita na própria natureza humana. Ao sacrificar coisas à divindade, o homem adora a Deus (reconhecendo o tudo d'Ele e o próprio nada); rende-Lhe ação de graças, em gratidão por tudo o que recebe; e suplica as graças necessárias para continuar servindo-O. Com o drama da queda, acrescenta-se a esses três fins a reparação pelos pecados cometidos contra Deus.

Mas, por que o culto de adoração a Deus deve ser feito exteriormente, por meio de um sacrifício? Isso não é coisa do Antigo Testamento? Jesus não quer, ao contrário, "verdadeiros adoradores", "em espírito e verdade" [2]? A essas indagações Santo Tomás responde do seguinte modo:

"Como escreve São João Damasceno, já que somos compostos por duas naturezas – a intelectual e a sensível –, oferecemos dupla adoração a Deus: uma espiritual, que consiste na devoção interna de nossa mente, e outra corporal, que consiste na humilhação exterior de nosso corpo. E porque em todos os atos de latria o exterior se refere ao interior como o secundário ao principal, a mesma adoração exterior se subordina à interior, para que, mediante os atos corporais de humildade, o nosso afeto se sinta impelido a submeter-se a Deus, pois o natural em nós é chegar ao sensível pelo inteligível" [3].

Pegue-se como exemplo uma genuflexão. Quando se faz uma genuflexão diante do Santíssimo Sacramento, diz-se com o corpo: "Meu Deus, eu não sou nada, eu me rebaixo e me aniquilo diante de Vós". Mas essa genuflexão, que é um ato externo, só tem verdadeiro sentido se acompanhada pela disposição interior. A adoração externa só tem significado se houver, junto, uma alma, um amor que reconhece a grandeza de Deus.

E é isto o que se faz nos sacrifícios: no Antigo Testamento, os animais perfeitos eram oferecidos e queimados (por isso, a palavra "holocausto") como ato externo de adoração a Deus. Esse culto deveria conduzir os sacerdotes a um ato interno, a reconhecer diante de Deus o seu nada. E que ninguém se impressione com o uso insistente desta palavra: nada. Quando Deus criou o homem, isso não enriqueceu em nada Seu ser. Em outras palavras, Ele – sabedoria, bondade e beleza infinitas –, ao criar outros seres – também sábios, bons e belos –, não aumentou a sabedoria, a bondade e a beleza. Aquilo que as criaturas receberam nada mais é que participação de algo que já existia, desde sempre. Então, na verdade, o homem não faz falta nenhuma: Deus criou-o por pura gratuidade. Por isso, quando se adora a Deus, reconhece-se o próprio nada diante d'Ele.

A vida de Jesus foi uma entrega do começo ao fim. O Seu sacrifício e sacerdócio não começaram na Cruz: antes de entrar em Jerusalém, Ele entrou no mundo; antes de ascender ao Calvário, Ele desceu à humanidade, fazendo-se homem. A Carta aos Hebreus diz, citando o Salmo 39:

"Eis por que, ao entrar no mundo, Cristo diz: Não quiseste sacrifício nem oblação, mas me formaste um corpo. Holocaustos e sacrifícios pelo pecado não te agradam. Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade" [4].

Os "holocaustos e sacrifícios" de bodes e touros não agradaram a Deus, porque não havia uma alma para fazer a Sua vontade. Então o Verbo se fez carne e ofereceu a adoração verdadeiramente agradável a Ele, na gruta em Belém, na Sua apresentação diante do velho Simeão, em sua perda e encontro no Templo, na carpintaria de Nazaré e em toda a sua vida humana. Ele veio a este mundo para amar a Deus e incendiar os corações dos homens [5], a fim de que eles também O amem.

Por isso, ao subir a Jerusalém para oferecer-se em sacrifício, Jesus quer que subamos com Ele. Assim como se elevou ao Pai, Ele quer que elevemos os nossos corações a Ele, como diz a Oração Eucarística: " Sursum corda – corações ao alto!". O Papa Bento XVI, meditando sobre estas palavras, ensinou:

"O coração, segundo a concepção bíblica e na visão dos Padres, é aquele centro do homem onde se unem o intelecto, a vontade e o sentimento, o corpo e a alma; é aquele centro, onde o espírito se torna corpo e o corpo se torna espírito, onde vontade, sentimento e intelecto se unem no conhecimento de Deus e no amor a Ele. Este 'coração' deve ser elevado. Mas, também aqui, sozinhos somos demasiado frágeis para elevar o nosso coração até à altura de Deus; não somos capazes disso. É precisamente a soberba de o podermos fazer sozinhos que nos puxa para baixo e afasta de Deus. O próprio Deus tem de puxar-nos para o alto; e foi isto que Cristo começou a fazer na Cruz. Desceu até à humilhação extrema da existência humana, a fim de nos puxar para o alto rumo a Ele, rumo ao Deus vivo. Jesus humilhou-Se: diz hoje a segunda leitura. Só assim podia ser superada a nossa soberba: a humildade de Deus é a forma extrema do seu amor, e este amor humilde atrai para o alto." [6].

É preciso esclarecer que a morte de Cristo, considerada em si mesma, ou seja, as ações das autoridades civis e religiosas para matar Jesus, foram criminosas. O que praticaram foi um verdadeiro deicídio, uma ofensa a Deus. Ao celebrar a Missa, o sacerdote não intenta repetir isso, ele não pretende "matar Deus" de novo. O que constituiu o sacrifício de Cristo foi o fato de Ele ter aceitado interiormente a Cruz; foi a sua disposição interior que transformou aquele madeiro infame em sacrifício agradável a Deus.

Quando Jesus é preso e um de seus companheiros desembainha a espada para tentar impedir que O levem, Ele diz-lhe: "Crês tu que não posso invocar meu Pai e ele não me enviaria imediatamente mais de doze legiões de anjos?" [7]. Ou seja, se Cristo quisesse, poderia pedir que o Pai lhe enviasse "mais de doze legiões de anjos" para tirá-lo da morte. Mas, como Ele diz noutro lugar: "Ninguém Me tira a vida; Eu dou-a livremente" [8]. Jesus aceita o crime e o pecado que cometem contra Ele e transforma-o livre e generosamente em amor e sacrifício. Ele demonstrou essa liberdade interior na noite da Última Ceia, quando disse: "Isto é o meu corpo, que é dado por vós"; "Este cálice é a Nova Aliança em meu sangue, que é derramado por vós" [9].

O que torna a Cruz redentora é o amor com que Cristo nos amou. Na Missa, ocorre, substancialmente, o mesmo sacrifício, como assegura o Concílio de Trento: "Uma e mesma é a vítima: e aquele que agora oferece pelo ministério dos sacerdotes é o mesmo que, outrora, se ofereceu na Cruz, divergindo, apenas, o modo de oferecer" [10]. Então, no altar, o mesmo Jesus que se entregou na Cruz adora a Deus, aniquilando-se e dizendo: "Vós sois Deus e eu sou nada". É claro que Jesus é Deus, mas é como diz a segunda leitura:

"Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, mas ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz" [11].

Ao participarmos da Santa Missa, é importante que o façamos com esta disposição interior de entregarmo-nos a Cristo. Na consagração, o momento mais sublime da Missa, em que Jesus, vivo e glorioso, é sacramentalmente representado como morto [12], somos chamados a unir-nos a Ele, adorando, dando ação de graças, suplicando e reparando os nossos pecados.

Para concluir esta meditação, propõe-se uma oração de São Nicolau de Flüe, que está no Catecismo da Igreja Católica. Segundo a tradição, estas palavras eram repetidas por ele todos os dias:

" Mein Herr und mein Gott, nimm alles mir, was mich hindert zu dir. Mein Herr und mein Gott, gib alles mir, was mich führet zu dir. Mein Herr und mein Gott, nimm mich mir und gib mich ganz zu eigen dir. – Meu Senhor e meu Deus, retira tudo de mim, o que me separa de ti. Meu Senhor e meu Deus, dá tudo a mim, o que me conduz para Ti. Meu Senhor e meu Deus, retira-me de mim e dá-me todo inteiro a Ti" [13].

"Retira-me de mim e dá-me todo inteiro a Ti": que Deus nos ajude a fazer esse sacrifício. Subamos ao altar, neste domingo, junto com o sumo e eterno sacerdote, Jesus Cristo, a fim de oferecer a Deus o único sacrifício verdadeiramente digno d'Ele: a Santa Missa.

Referências

  1. Cf. Mt 21, 1-11
  2. Jo 4, 23
  3. Suma Teológica, II-II, q. 84, a. 2
  4. Hb 10, 5-7
  5. Cf. Lc 12, 49
  6. Homilia na Celebração do Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor, 17 de abril de 2011
  7. Mt 26, 53
  8. Jo 10, 18
  9. Lc 22, 19.20
  10. Concílio de Trento, Sessão XXII, Doutrina sobre o santíssimo Sacrifício da Missa, n. 940. Cf. Denzinger-Hünermann, 1743
  11. Fl 2, 6-8

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.