CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 1,21b-28)

Estando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei.
Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: “Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele”!
Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “Que é isso? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda a região da Galileia.

Nós vemos hoje Jesus pregar o Evangelho na sinagoga de Cafarnaum e expulsar um demônio. As pessoas ficam admiradas e dizem espantadas: “Que ensinamento é esse, que vem com autoridade?”

Como entender a missão de Cristo? O que é que Jesus veio fazer aqui neste mundo? É muito difícil compreender em plenitude o significado da redenção, se não se acredita na existência do demônio e da escravidão a que está subjugada a humanidade por causa de Satanás.

Infelizmente, nos tempos modernos, as pessoas preferem pensar nos demônios como uma realidade “medieval”, uma “superstição”, uma coisa “do passado”. O fato, porém, é o seguinte. Nas Sagradas Escrituras, em todo o Antigo Testamento, a presença dos demônios e as manifestações demoníacas são raríssimas: praticamente, a coisa poderia passar em branco, e até mesmo as poucas menções que existem a respeito de Satanás e de seus demônios são indiretas, podendo quase ser interpretadas em outra direção.

 Mas o que não dá pra contestar é que Jesus, chegada a plenitude dos tempos e a plenitude da revelação, apresenta-se claramente como antagonista de Satanás e de seus demônios. Portanto, Ele veio redimir.

O que é a palavra “redenção”, “redimir”? Redimĕre, em latim, quer dizer “comprar de volta”. A ideia que está por trás do termo “redenção” é exatamente o fato de que nós somos escravos, e um escravo pode ser comprado de volta, pode ser redimido. Nós fomos comprados de volta da escravidão de Satanás pelo sangue precioso do Cordeiro imolado, que é o Cristo Senhor. Portanto, toda a realidade da missão de Jesus é verdadeiramente a de um resgate, para tirar toda a humanidade das mãos de Satanás e de seus demônios.

Debaixo desta luz, que é a luz da nossa fé verdadeiramente católica, nós podemos compreender o exorcismo que Jesus fez na sinagoga de Cafarnaum. Jesus quer libertar aquele homem do poder demoníaco, porque quer libertar também a todos nós.

Esse é o Jesus Cristo libertador, que vem nos libertar das cadeias do demônio, de uma escravidão que nos impede de amar e de ser os filhos de Deus que deveríamos ser. Mas, se não cremos na existência de Satanás e de seus demônios, considerando como “coisa do passado”, para pessoas supersticiosas ou de “mentalidade pré-científica”, então estamos nos colocando como juízes que vão corrigir o Novo Testamento.

É aqui que está a grande dificuldade. Se você encontrasse, por exemplo, uma coisa presente no Antigo Testamento, mas que no Novo desaparece, você poderia dizer: “Ah, isso é uma coisa do Antigo Testamento”, como, por exemplo, a circuncisão. Isso era uma coisa de antes de Jesus, mas depois foi superada. Mas, em relação aos demônios, o que nós temos é exatamente o contrário. No Antigo Testamento quase não se fala deles, e no Novo se fala com muita constância.

Então, como é que nós queremos corrigir aquilo que foi revelado com clareza pelo próprio Jesus Cristo? Existe alguma coisa muito estranha num cristianismo que já não quer ver a obra da libertação e de redenção de Nosso Senhor Jesus Cristo como uma luta em que Satanás e seus demônios foram derrotados para nossa libertação.

Acolhamos, pois, essa verdade de fé e agradeçamos a Deus, nosso divino Redentor.

* * *

COMENTÁRIO EXEGÉTICO

V. 23. E estava na sinagoga deles… Como Lc (cf. 4,33), Mc designa onde ocorreu o episódio, a fim de comprovar o milagre não só em razão do lugar, dado importante para dar fé a qualquer relato, mas também por força da quantidade e variedade de testemunhas, entre as quais havia bons e maus israelitas. Com efeito, o milagre teve lugar na sinagoga, onde todos os judeus costumavam reunir-se (cf. Jo 18,20), e foi realizado na presença de fariseus e escribas, inimigos de Cristo, que eram como que os chefes da sinagoga.

… um homem num espírito imundo, i.e., sob o poder de um espírito imundo (ἐν πνεύματι ἀϰαϑάρτῳ). Trata-se de um hebraísmo preservado em gr. pelo evangelista, frequente também em lt. (e.g., esse in armis = lit. ‘estar em armas’, i.e., ‘armado’). Chama-se ao demônio espírito imundo (ἀϰαϑάρος, impuro) porque repugna maximamente à santidade de Deus. — Mt escreve que, como Jesus percorresse a Galileia pregando o Evangelho, e a fama de seus milagres se espalhasse por toda a Síria (cf. 4,23s), traziam-lhe para os curar, aonde quer que fosse, todos os doentes e possessos do demônio. Por isso dizem alguns autores que o endemoniado de que fala Mc foi um daqueles que, segundo Mt, lhe eram apresentados, o qual não teria ido, só, à sinagoga, mas levado por parentes ou amigos. É provável, mas incerto.

E ele clamou, dizendo… Mc e Lc narram o mesmo porque, opina Maldonado, não quiseram omitir um detalhe importante, a fim de indicar que o testemunho do demônio a respeito de Cristo não foi obscuro nem dissimulado, mas tão claro e distinto, que o espírito chegou a vociferar (ἀνέϰραξεν = gritou; Lc. acrescenta: φωνῇ μεγάλῃ = em voz alta), para que o ouvissem quantos estavam na sinagoga. Não se sabe ao certo, porém, se ele clamou antes ou depois de Cristo mandá-lo sair; ou porque sentiu dores maiores que antes, devido à presença de Jesus, como parece dizer Crisóstomo (cf. Hom. v); ou porque, tendo-o reconhecido, começou a temer que ele também o expulsaria, como vinha fazendo a outros demônios. É mais provável que, aguilhoado por algum tormento espiritual, o demônio tenha clamado ao ver que teria de sair do homem.

V. 24. Que há entre nós e ti, ó Jesus Nazareno?, ou: “Por que vieste intrometer-te em nossas coisas?” [1]. Fala um só na pessoa dos demônios em geral, indicando que Cristo declarara guerra ao inferno inteiro, ou em nome de todos os que estavam naquele homem; é verossímil, com efeito, que nele houvesse muitos espíritos maus, como no caso de Madalena (cf. Lc 8,2) e de outros possessos (cf. Mc 5,9; Lc 8,30). Que o espírito chame a Cristo pelo nome e o gentílico, Jesus Nazareno, é para demonstrar o que dirá em seguida: Sei quem és etc., i.e., que o conhece bem. — Vieste (antes do tempo, em alguns códices lt.) nos perder, i.e., a) destruir nosso reino não só em Cafarnaum, mas em todo o mundo, b) tirar de nós o poder que temos sobre os homens, ou c) mandar-nos para o inferno. A terceira leitura é mais provável, porque tanto Mc quanto Lc usam o verbo ἀπολέσαι (lt. perdere), e em Lc (cf. 8,31) os demônios rogam a Cristo que não os mande ir para o abismo, mas lhes permita entrar nos porcos. Há quem interprete essas palavras em sentido interrogativo (“vieste para nos perder?”) por paralelismo com a cláusula anterior (cf. Lc 4,34). 

Sei quem és, o Santo de Deus (ὁ ἅγιος τοῦ Θεοῦ), i.e., homem de especial santidade, consagrado a Deus de modo singular. “Por si só, esse título não contém uma profissão da divindade de Jesus” (Knabenbauer), mas não há dúvida de que os demônios o utilizaram em sentido messiânico, visto que logo depois (cf. Mc 3,12) chamarão abertamente a Jesus Filho de Deus. — Na esteira de Eutímio e Teofilacto, Maldonado pensa que as palavras do demônio contêm, de fato, uma declaração da divindade de Jesus, o que seria confirmado pela uso de ὁ ἅγιος, com art. definido = ‘aquele santo determinado’. Nesse sentido, Jesus não seria santo como o foram os profetas, mas como o é o próprio Deus, i.e., santo por antonomásia. Com efeito, os hebreus costumavam chamar a Deus santo de modo absoluto, sem nenhum acréscimo (cf., e.g., Is 1,4; 31,1; 37,23; 40,25; Dn 4,10.20). À objeção de que o demônio diz o santo de Deus, e não santo Deus, responde Maldonado que a primeira expressão equivaleria a santo Filho de Deus, que é essencialmente santo como o Pai (cf. Lc 1,35).

V. 25. Mas Jesus o ameaçou, objurgou, repreendeu imperando e dizendo: Cala-te… A expressão em gr. (φιμώϑητι = ‘põe freio na boca’, ‘ata a língua!’) denota desprezo. Cristo não quer ser preconizado por demônios, ou porque recusava tê-los por testemunhas, ou porque não queria dar motivo para se pensar que tinha familiaridade com espíritos imundos, ou porque ainda não chegara o tempo de manifestar-se publicamente como o Filho de Deus. — E sai desse homem!, quer dizer, não quero a glória que me atribuis, o que quero é saias do homem. Eu não busco a minha glória; há quem tome cuidado dela, e quem fará justiça (Jo 8,50), quero libertar o homem de tua tirania, por isso levarei comigo os cativos (cf. Sl 67,19). 

V. 26s. Então o espírito imundo, agitando-o violentamente (Lc: depois de o ter lançado por terra no meio de todos), e dando um grande grito, saiu dele, no que se põem em evidência a malícia de quem é expulso e a potência de quem o expulsa, pois o demônio não fez mal algum ao homem (Lc). Os presentes, porém, diziam atônitos uns aos outros: Doutrina nova! (segundo o texto gr.), i.e., um novo método de ensino! Com autoridade (gr. ϰατ’ ἐξουσίαν, lt. in potestate) manda até aos espíritos imundos etc. Outros leem assim o texto gr.: Doutrina nova com autoridade, manda até os espíritos imundos etc.

V. 28. E divulgou-se logo a sua fama por toda a terra da Galileia, a saber, por todas as regiões que se incluem na Galileia; para outros intérpretes, pelas regiões vizinhas da Galileia, e.g., a Síria (cf. Mt 4,23).

Notas

Maldonado argumenta que a pergunta do demônio não significa: Que há de comum ou semelhante entre nós, i.e., não tem o sentido do que Paulo escreve em 2Cor 6,14s: Que união pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que sociedade entre a luz e as trevas? Que concórdia entre Cristo e Belial? De fato, se o houvesse dito, o demônio tornaria ainda mais grave sua culpa, ao reconhecer não ter nada de bom em comum com Cristo. Tampouco significa: Que temos a ver contigo, porque tinham muito a ver com ele, enquanto criaturas suas, o que parecem confessar ao chamá-lo o Santo de Deus, i.e., verdadeiro Deus. A pergunta do demônio, portanto, só pode significar aqui: Que te fizemos de mal?, ou: Por que fazes guerra contra nós? Por que nos atormentas? Afligimos, não a ti, que és o Santo de Deus, mas os pecadores, a quem, como se fossem direito nosso, tentamos levar para o inferno! Também nós costumamos falar assim, quando um amigo ou desconhecido se intromete em alguma discussão nossa, mas a favor da outra parte: “O que você tem a ver com isso?”, o que equivale a dizer: “Saia daqui e deixe-me cuidar dos meus próprios assuntos!” Neste mesmo sentido disse Davi aos filhos de Sarvia: Que importa a mim e a vós, filhos de Sarvia? (2Sm 16,10), i.e., “Que vos fiz de mal para que sempre me frustreis os planos?” Confirmam esta interpretação as palavras que seguem: Sei quem és, o Santo de Deus, como se dissesse: “Não maquinamos nada contra ti, pois sabemos que não és do número dos homens pecadores, os únicos sobre os quais temos direito”.

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.