CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Na iminência da sanção presidencial ao PLC 03/2013, alguns setores manifestaram-se pela sugestão de veto parcial a alguns artigos do projeto. Essa postura foi adotada também pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil que, a título de informação, emitiu uma nota aos seus membros.

Porém, aquela opinião não é unânime. Alguns setores entendem que o projeto é nefasto e que, caso seja sancionado sem veto ou mesmo vetado parcialmente, significará um caminho sem volta para a prática irrestrita do aborto no Brasil.

A história do avanço da cultura da morte no mundo e da liberação do aborto em países latino-americanos comprovam que basta uma pequena faísca perto de um punhado de pólvora para que o fogo se espalhe. Foi o que aconteceu no Uruguai, e é o que acontecerá no Brasil caso o PLC 03/2013 não seja TOTALMENTE vetado pela presidente Dilma.

No Programa Ao Vivo, veiculado excepcionalmente na data de 19 de julho de 2013, Padre Paulo Ricardo faz uma grave denúncia: o que parece ser uma medida que trará benefícios às vítimas de violência sexual, na verdade não passa de um "cavalo de Tróia" que introduzirá de maneira irreversível o aborto no Brasil.

Mais que isso, Padre Paulo Ricardo pede aos setores que estão apoiando o veto parcial, inclusive para a CNBB, que reconsiderem, que levem em conta o que a história demonstra com os fatos e que não se deixem levar por opiniões baseadas na letra da lei, afinal, um papel em branco aceita qualquer palavra. O dia a dia pode ser bem diferente do que a academia diz e o sangue dos bebês abortados poderá manchar, sem dúvida alguma, as mãos de todos os envolvidos. O pecado do aborto é um crime que clama aos céus.

Obedeçamos ao Papa Francisco: defendamos a vida "desde a concepção até o seu fim natural." Obedeçamos.

Notas

Download do Material

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.