Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 1,26-38)

Naquele tempo, no sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da virgem era Maria. O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”
Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, porque para Deus nada é impossível”.
Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

O objeto da solenidade que alegra hoje toda a santa Igreja Católica, contido na saudação que ouvimos da boca de São Gabriel Arcanjo: Ave, cheia de graça, é o singular privilégio com que a bem-aventurada Virgem Maria, desde o primeiro instante de sua concepção, foi preservada imune por Deus onipotente, em atenção aos méritos futuros de Cristo, Redentor do gênero humano, de toda a mancha do pecado original. Trata-se do mistério da Imaculada Conceição, em virtude do qual Maria Santíssima teve sempre, apenas saiu das mãos do Criador, o dom da graça santificante. Como todo descendente de Adão segundo a carne, também a Virgem deveria contrair o pecado original, tão-logo fosse concebida por seus pais, São Joaquim e Sant’Ana, mas foi dele preservada a fim de tornar-se digna Mãe do Salvador. A causa eficiente deste privilégio, como diz um teólogo do século passado (1), foi o amor singularíssimo com que Deus amou desde o princípio sua futura Mãe, eximindo-a da lei comum do pecado sob a qual todo homem vem ao mundo. Tal privilégio — como definido pelos magistério eclesiástico na bula Ineffabilis Deus, do Papa Pio IX, em 8 de dezembro de 1854 — foi-lhe concedido em atenção aos méritos futuros de Nosso Senhor Jesus Cristo, de modo que também a Virgem Maria, ao contrário do que dizem hereges e cismáticos (2), foi verdadeiramente redimida por Cristo, e de maneira mais sublime. Com efeito, enquanto aos outros homens o mérito redentor de Cristo é aplicado para os libertar de um mal já contraído, à Virgem Santíssima foi aplicado para a preservar de todo contágio. Ora, não é melhor médico o que é capaz de impedir a contração da doença do que aquele que só pode curar os que já estão enfermos? Não foi portanto mais perfeita a redenção preservadora de Maria do que a restauradora dos outros homens? Como não louvar Deus por ter nela preparado, enriquecendo-a de todos os tesouros divinos, uma morada digna para o Filho encarnado? Se hoje os coros angélicos saúdam a Virgem Mãe com aquelas sublimes palavras: Ave, cheia de graça, como não iremos nós, unidos a todas as gerações de fiéis, proclamar para maior honra e glória da santíssima e indivisível Trindade que Maria é realmente a Imaculada Conceição? — Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

Referências

  1. Cf. Gabriel M.ª Roschini, Mariologia. 2.ª ed., Romæ, Angelus Belardetti (ed.), 1948, vol. 3, p. 20s.
  2. Está suficientemente demonstrado que os “ortodoxos” orientais defenderam com voz praticamente unânime, até o final do séc. XVI (entre os bizantinos) e meados do XVII (entre os eslavos), o que os católicos entendemos por Imaculada Conceição, embora não o expressassem, é óbvio, da mesma forma que nós. Estudiosos como Gagarin (cf. L’Église Russe et l’Immaculée Conception, Paris, 1875, p. 9s), atribuem essa mudança doutrinal à influência protestante, que encontrou peculiar ressonância entre os russos. Um dos primeiros a escrever contra a doutrina tradicional foi Teófanes Prokopovič, para quem a Virgem Maria teria não só contraído o pecado original como sido culpada de alguns (leves) defeitos pessoais. Essa opinião prevaleceu entre os russos até meados do séc. XIX. No entanto, após a solene definição da Igreja Católica, também os russos e, por influência deles, muitos outros dissidentes passaram a defender a tese, propugnada então pelos cismáticos bizantinos, segundo a qual Maria teria sido purificada da culpa original no dia da Anunciação. Não faltou quem afirmasse que esta purificação teria ocorrido ainda mais tarde, aos pés da cruz do Senhor. Assim pensava Lebedev, que chegou a atribuir essa opinião, inaudita até ele mesmo formulá-la, a toda a “Igreja Ortodoxa Oriental” (cf. M. Gordillo, SJ, Mariologia Orientalis, Roma, 1954, pp. 107-149).
Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.