CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 2, 13-17)

Naquele tempo, Jesus saiu de novo para a beira do mar. Toda a multidão ia a seu encontro, e Jesus os ensinava. Enquanto passava, Jesus viu Levi, o filho de Alfeu, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: “Segue-me!” Levi se levantou e o seguiu.

E aconteceu que, estando à mesa na casa de Levi, muitos cobradores de impostos e pecadores também estavam à mesa com Jesus e seus discípulos. Com efeito, eram muitos os que o seguiam. Alguns doutores da Lei, que eram fariseus, viram que Jesus estava comendo com pecadores e cobradores de impostos. Então eles perguntaram aos discípulos: “Por que ele come com os cobradores de impostos e pecadores?” Tendo ouvido, Jesus respondeu-lhes: “Não são as pessoas sadias que precisam de médico, mas as doentes. Eu não vim para chamar justos, mas sim pecadores”.

1. A Palavra de Deus (Hb 4, 12-13). — O autor sagrado, por certa digressão, passa das penas cominadas por Deus para os prevaricadores a uma rápida descrição das propriedades do Verbo divino. — V. 12. Convém perguntar-se em primeiro lugar o que a expressão “Palavra de Deus” (gr. ὁ λόγος τοῦ θεοῦ) significa nessa passagem:

a) Muitos a interpretam como sendo a vontade de Deus revelada aos homens, ou seja, a palavra ou a mensagem que Deus lhes transmite, seja por exortações, promessas ou advertências. Os que seguem essa interpretação, com efeito, se baseiam em que, primeiro, o termo λόγος, no léxico teológico de S. Paulo, não costuma ser aplicado ao Verbo de Deus e, segundo, não é preciso afastar-se do sentido usual das palavras só porque algumas coisas se aplicam mais propriamente a Deus do que à sua palavra, uma vez que a locução “palavra de Deus” (lt. sermo Dei) significa, no fundo, o mesmo que “Deus que fala” (lt. Deus loquens).

b) Outros, entre os quais se contam Ecumênio, S. Tomás de Aquino, Caetano, Cornélio a Lápide etc., são da opinião de que é ao Verbo de Deus que S. Paulo se refere neste versículo, e isso por três razões: 1.ª) não consta que o nome λόγος, como forma de designar o Filho de Deus, tenha sido inventado por S. João nem que fosse de uso exclusivo dele; 2.ª) não há dúvida de que as propriedades aqui enumeradas pelo Apóstolo convêm perfeitissimamente ao Verbo de Deus; 3.ª) a cláusula final do v. 13, “é a ela (lt. ad quem) que devemos prestar contas”, refere-se evidentemente a Jesus Cristo, Verbo de Deus, pois o emprego do pronome relativo indica com toda clareza que se trata do mesmo sujeito das orações precedentes. — Contudo, não há por que negar, tendo em vista o contexto inteiro, que as propriedades que no v. 12 se dizem da Palavra eterna de Deus podem aplicar-se também à palavra promissória, exortatória, cominatória etc. de Deus.

“É viva (gr. Ζῶν),  eficaz [...]”, ou seja, não carece de atividade nem pode frustrar-se em seus efeitos, senão que alcança sempre o seu objetivo, quer na retribuição do prêmio aos justos, quer na aplicação das penas que prescreveu para os ímpios, seja ainda para atrair a vontade humana ao bem por meio de inspirações e auxílios interiores. — “[...] mais cortante do que qualquer espada de dois gumes” (gr. ὑπὲρ πᾶσαν μάχαιραν δίστομον), que é mais apta para cortar e atravessar a carne, “penetra até dividir (gr. ἄχρι μερισμοῦ) alma e espírito, articulações e medulas”, isto é, a) penetra até as operações mais ocultas pelas quais se caracterizam e dinstinguem a ψυχή (alma racional, princípio da vida natural), de um lado, e o πνεύμα (alma enquanto elevada pela graça), de outro; ou b), segundo uma metáfora tomada do corpo humano, penetra até o mais íntimo da alma e do espírito, das articulações, e medulas etc., ou seja, até os recônditos mais escondidos da interioridade humana em sua completude, inclusive os que nos são ocultos inclusive a nós mesmos.

V. 13. “Ela julga os pensamentos e as intenções do coração. E não há criatura que possa ocultar-se diante dela. Tudo está nu e descoberto (gr. τετραχηλισμένα) a seus olhos”: o verbo grego τραχηλίζω significa torcer ou tomar pelo pescoço ou incliná-lo a fim de matar mais facilmente uma vítima; em sentido metafórico, significa abrir, manifestar. — “E é a ela que devemos prestar contas” (gr. πρὸς ὃν ἡμῖν ὁ λόγος), isto é, à Palavra de quem vem tratando o autor sagrado ao longo da Epístola e à qual, como ao nosso Juiz, daremos conta de todas nossas ações, palavras e omissões nesta vida.

2. Cristo, Sumo Pontífice (Hb 4, 14-16). — Dito isto, o autor sagrado passa a tratar do sacerdócio supremo de Jesus Cristo: Ele, por ter sido constituído Sumo Pontífice entre Deus e a humanidade, foi verdadeiramente enriquecido de poderes sacerdotais. Pois bem, a dignidade sacerdotal de Nosso Senhor, à qual já fizera duas menções o autor sagrado em capítulos precedentes (cf. Hb 2, 17; 3, 1), deve excitar em nossas almas um duplo afeto: a) em primeiro lugar, de constância (“permaneçamos firmes na fé que professamos”), pois o nosso Pontífice é realmente grande, por ser Filho natural de Deus, e porque penetrou, não o Santo dos Santos, como Aarão e seus sucessores, mas o próprio céu; b) em segundo, de confiança, pois Cristo está sempre disposto a compadecer-se de nós, já que experimentou em si mesmo, graças à Encarnação, as nossas fraquezas e debilidades. De fato, “Ele mesmo foi provado em tudo como nós”, isto é, em todo gênero de dores e males da vida presente, como o cansaço, o ser injustiçado e perseguido etc., “com exceção do pecado” e, obviamente, da concupiscência que leva ao pecado. Assim, Ele quis sofrer o que sofremos para que, movido de misericórdia, viesse em socorro dos nossos males, quaisquer que sejam eles.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.