João Batista e o projeto de Deus
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 7,24-30)

Depois que os mensageiros de João partiram, Jesus começou a falar sobre João às multidões: “Que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? Que fostes ver? Um homem vestido de roupas finas? Ora, os que se vestem com roupas preciosas e vivem no luxo estão nos palácios dos reis. Então, que fostes ver? Um profeta? Eu vos afirmo que sim, e alguém que é mais do que um profeta. É de João que está escrito: ‘Eis que eu envio o meu mensageiro à tua frente; ele vai preparar o meu caminho diante de ti’. Eu vos digo: entre os nascidos de mulher, ninguém é maior do que João. No entanto, o menor no Reino de Deus é maior do que ele. Todo o povo ouviu e até mesmo os cobradores de impostos reconheceram a justiça de Deus, e receberam o batismo de João. Mas os fariseus e os mestres da Lei, rejeitando o batismo de João, tornaram inútil para si mesmos o projeto de Deus”.

Comentário exegético

Múnus de João (cf. Mt 11,7-11). — V. 7-9a (Lc 7,24-26b). Pressupostos o ministério de João e o afluxo das multidões (vindas inclusive da Galileia), Jesus põe em evidência com três perguntas (retóricas) qual fora o objetivo dessa confluência extraordinária de pessoas. — 1.ª Que fostes vós ver (θεάσασθαι = presenciar, como algo novo e digno de admiração) ao deserto? Fostes porventura ver uma cana agitada pelo vento, i.e. (simbolicamente) um homem leviano e inconstante? Faz esta pergunta a fim de que os circunstantes, com base no que haviam perguntado antes os legados de João (cf. Mt 11,2-6), não suspeitassem que o Batista mudara de opinião a respeito de Cristo. Todos tinham ainda bem presentes a coragem e a firmeza de João perante Herodes Antipas, razão por que Jesus não dá nenhuma resposta, deixando-a porém subentendida.

Para alguns aa., a pergunta é proposta em sentido próprio, e não simbólico, i.e.: ‘Acaso fostes ao deserto ver canas às margens do Jordão?’ A resposta, óbvia, subentende-se: ‘De modo algum. Por tão pequeno motivo ninguém empreenderia uma viagem ao deserto’. Este parece ser o sentido exigido pela gradação das sentenças e pelas perguntas subsequentes. Mas isso não é necessário.

V. 8 (Lc 7,25). 2.ª Nem com o fito de contemplar um homem vestido de roupas delicadas foram ao deserto, pois homens desta laia vivem nos palácios, não nos desertos. Nada, pois, mais contrário à índole de João, cuja penitência e austeridade de vida são indiretamente trazidas à mente.

V. 9s (Lc 7,26). 3.ª Foi para verdes um profeta que saístes para o deserto? Também (gr. ναί = sim, com efeito), vos digo eu, e ainda mais do que profeta (terminastes encontrando). Quem portanto é João? É o mensageiro (ἄγγελος) ou precursor do Messias, sobre o qual cf. Ml 3,1, onde Javé (ou o Messias?) promete um mensageiro que precederá sua manifestação ao mundo; Cristo, recitando palavras da boca do Pai, dirigidas porém a ele mesmo, interpreta a profecia em clara referência a João, mas insinua ao mesmo tempo, com igual clareza, que o advento (manifestação) de Javé vaticinado pelo profeta cumpriu-se com o seu próprio advento.

V. 11. Na verdade vos digo que entre os nascidos das mulheres não veio ao mundo (ἐγήγερται) outro maior que João Batista. O texto de Lc traz a seguinte variante: Porque eu vos digo: Entre os nascidos das mulheres, não há maior (a Vg acrescenta profeta, omitido no texto gr.) que João Batista (7,28). Toda a dificuldade do v. repousa na interpretação do qualificativo maior (gr. μείζων), sobre o qual há duas opiniões principais: 1) para alguns, tratar-se-ia da santidade pessoal do Batista. Mas essa leitura é insustentável levando-se em conta o trecho restante: Entretanto, o menor no reino dos céus é maior do que ele, onde ‘maior’ e ‘menor’ devem (provavelmente) tomar-se no mesmo sentido. — 2) Para outros, e são maioria, Jesus alude não à santidade de vida, mas à dignidade do ofício profético e da missão do precursor, como indica o verbo ἐγήγερται (o qual, mais do que ‘vir ao mundo’, significa ‘ser levantado’, ‘suscitado’ [por Deus]), e se depreende do contexto (cf. Mt 11,9s.16).

Com efeito, os LXX vertem por ἐγείρω o hebr. הֵקִים, com o qual se costuma significar a ação de Deus de suscitar ou mandar alguém vir a público, especialmente profetas, servidores etc. (cf. Jz 2,16.18; 3,15; Is 45,13; Pr 10,12).

Entretanto, a excelência de João é estimada apenas em relação ao passado, i.e. aos demais profetas do AT, pois o que é menor do reino de Deus é maior do que ele, quer dizer, o menor de todos na Igreja (‘menor’ em sentido superlativo = mínimo), de dignidade inferior, i.e. o simples fiel, é maior do que João Batista, que foi o maior (porque precursor do Messias) na antiga Lei. Trata-se, por conseguinte, de simples paralelo entre a antiga e a nova economias, que se distinguem como o imperfeito do perfeito: a nova supera tanto a antiga, que o último (o que é menor) no NT supera em dignidade o primeiro (o que é maior) no AT.

NB — Esta parece a interpretação mais provável, ao menos relativamente às que costumam ser propostas, e.g.: dizem que reino dos céus deve entender-se aqui como reino celeste, não como reino terrestre, de modo que o menor dos santos é maior que João Batista (assim São Jerônimo e Beda); ou que Cristo fala de si mesmo, que era menor que João no reino de Deus em razão da idade e na opinião de muitos, embora fosse na verdade maior do que ele por seu poder, divindade etc. (assim Santo Hilário, Crisóstomo, Teofilacto, Eutímio, Caetano, Jansênio etc.).

Texto do episódioComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.