Amor com amor se paga
CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Amor com amor se paga

É com amor e gratidão que devemos retribuir a caridade infinita com que o Sagrado Coração do nosso Redentor nos ama e amou, desde o frio de seu berço em Belém até sua entrega total no patíbulo da Cruz.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 14, 1-6)

Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. Diante de Jesus, havia um hidrópico. Tomando a palavra, Jesus falou aos mestres da Lei e aos fariseus: “A Lei permite curar em dia de sábado, ou não?” Mas eles ficaram em silêncio.

Então Jesus tomou o homem pela mão, curou-o e despediu-o. Depois lhes disse: “Se algum de vós tem um filho ou um boi que caiu num poço, não o tira logo, mesmo em dia de sábado?” E eles não foram capazes de responder a isso.

Quando se trata de amar, não há descanso, nem para Deus nem para nós. É o que Jesus nos ensina no Evangelho de hoje, em que o vemos jantar na casa de um dos chefes dos fariseus. Ali se encontrava também um hidrópico, a quem, embora fosse dia de sábado, o Senhor fez questão de curar, para espanto e confusão dos mais convivas. Pois o amor de Deus nem tem limites de tempo ou de espaço, nem está constrangido pelos preceitos que ele mesmo impusera ao povo eleito. Prova disso é a caridade ardentíssima que o Coração de seu Filho, feito homem na plenitude dos tempos, tinha e ainda tem por cada um de nós, não de forma genérica e impessoal, mas de modo único e singular. Sendo ele Deus como o Pai e, enquanto homem, iluminado com a ciência de visão com que os bem-aventurados contemplam a essência divina, Jesus Cristo era capaz, desde o primeiro instante de sua concepção no seio virginal de Maria, de ter-nos individualmente presentes a seus puríssimos olhos e de amar-nos com um amor sem par. No pesebre de Belém, durante a fuga para o Egito, em sua vida oculta em Nazaré, pelos caminhos da Galiléia e, de maneira extrema, em meios às dores de sua Paixão, era em mim, como se fora a única alma existente, que o Verbo encarnado pensava e amava, desejoso de que eu fosse salvo. Do mesmo modo, ao curar hoje o hidrópico, é o nosso rosto que o Senhor nele enxerga, é a nossa cura pessoal que ele deseja ali operar. Que nós, portanto, não correspondamos à caridade de Cristo com nossa costumada e grosseira indiferença; antes, pedindo o auxílio da graça, devolvamos com amor o amor que o Senhor nos tem, pois ele não só o merece, mas ainda o deseja ardentemente. — Ó doce Coração de Jesus, sede o nosso amor!

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.