CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 6, 16-21)

Pela tarde, desceram seus discípulos à beira do mar. Entrando numa barca, dirigiram-se para a outra margem do mar, rumo a Cafarnaum. Já estava escuro e Jesus não tinha ido juntar-se a eles. Soprava um forte vento e o mar estava agitado. Já tinham remado uns cinco ou seis quilômetros, quando viram Jesus que se aproximava da barca, caminhando sobre o mar. Tiveram medo. Ele os tranquilizou: “Não temais! Sou eu”. Queriam recolhê-lo na barca, mas esta logo tocou a terra, no lugar para onde iam.

O Evangelho de ontem nos chamava a atenção para um fato de capital importância para compreendermos o sentido profundo das leituras que faremos ao longo dos próximos dias: Jesus continua o seu ministério público e, como destaca o evangelista S. João, está próxima a festa da Páscoa, instituída para comemorar a saída do povo hebreu da escravidão do Egito. Moisés, séculos antes do nascimento de Cristo, conduzira os israelitas pelo deserto em direção à terra prometida, depois de os ter feito atravessar a pé enxuto o Mar Vermelho, cujas águas foram separadas pelo sopro de Deus (cf. Ex 14, 24-31). Hoje, enquanto se aproxima a Páscoa judaica, Nosso Senhor caminha sobre as águas do mar da Galiléia, numa clara alusão à travessia milagrosa em que o povo eleito experimentou a sua passagem da escravidão para a liberdade. Lida dessa perspectiva, a travessia do Mar Vermelho nos remete intuitivamente à passagem que nós, novo Israel, experimentamos no nosso Batismo: da vida antiga, de pecado e servidão ao demônio, passamos a uma vida nova, de filhos de Deus e co-herdeiros da glória eterna.

De fato, através das águas batismais, vivificadas pelo poder do Espírito Santo, os membros da Igreja, uma vez libertados da escravidão da iniquidade, dirigimo-nos a passo firme e sob a guia de Cristo, novo Moisés, à terra prometida, onde repousa imarcescível a nossa herança. Ontem, ao multiplicar os pães e saciar a multidão, Jesus anunciou profeticamente a que preço Ele nos daria o viático de que precisamos para percorrer essa jornada rumo ao céu. Hoje, ao caminhar triunfante sobre o mar da Galiléia, símbolo da morte, Ele nos indica que é pelas águas dos Batismo que, regenerados, podemos ter acesso a esse alimento de vida eterna, que não é senão o seu Corpo, cheio de força, doçura e sabor e de todo suave deleite. A conexão entre essas três Páscoas — a dos judeus, mera figura; a de Cristo, realização e cumprimento da Lei; e a nossa, renascimento místico — nos impele a cantar as glórias do Senhor, que precipitou no mar os nossos inimigos (cf. Ex 15, 1-3), e a pedir-lhe que, pela regeneração do Batismo, conceda ao mundo inteiro ser contado entre os filhos de Abraão e partícipe da dignidade dos filhos do novo Israel [1].

Referências

  1. Cf. a oração correspondente à segunda leitura que, na liturgia antiga, se fazia depois do Elogio do círio na Vigília Pascal.
Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.