CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
18, 21—19, 1)

Naquele tempo, Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: "Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?" Jesus respondeu: "Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna.

Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. O empregado, porém, caiu aos pés do patrão, e, prostrado, suplicava: 'Dá-me um prazo! e eu te pagarei tudo'. Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: 'Paga o que me deves'.

O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: 'Dá-me um prazo! e eu te pagarei'. Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: 'Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. Não devias tu também, ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?'

O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão". Ao terminar estes discursos, Jesus deixou a Galileia e veio para o território da Judeia além do Jordão.

Ao sermos perdoados pela misericórdia divina, contraímos para com Deus um dever de justiça, que é a gratidão. Com efeito, não podemos retribuir ao Senhor todos os favores que Ele nos dispensa; não há meio de estarmos "quites" com Ele, pois o que dEle recebemos em muito supera — seja em bondade, seja em compaixão — o que a nós é devido. Por isso, quando Deus concede ao homem o perdão de suas dívidas, o homem, de sua parte, deve corresponder perdoando, por gratidão a Ele, as dívidas de seu irmão. É o que Cristo nos ensina no Evangelho deste dia, quando diz a Simão Pedro que devemos perdoar-nos mutuamente, não já sete vezes, mas setenta vezes sete, o que equivale a perdoar sempre, por maiores e mais amargas que sejam as faltas cometidas e os débitos em questão.

Este ensinamento vai ilustrado, de resto, na parábola com que Jesus conclui hoje o seu discurso. Encontramo-nos todos na condição daquele empregado que, devendo a seu senhor uma soma incalculável, não tem donde arranjar recursos para pagá-la. O empregador, porém, não se deixando vencer em generosidade, perdoa-lhe tudo, com a única condição de que o empregado, por ter sido ele mesmo perdoado, perdoe também aos que lhe devem algo: "Não devias tu também", diz ele, "ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?" Essa é a regra de vida de quantos se querem discípulos de Cristo: esforçar-se por perdoar aos que nos ofendem, desde o primeiro instante, já que, por maior que seja o prejuízo ou a ofensa que nos façam, mais nos tem perdoado Deus a nós (cf. Josemaría Escrivá, Caminho, n. 452). Que a Virgem Santíssima nos ajude, pois, a ter um coração mais grato a seu Filho, que padeceu dores indizíveis para que o Pai, esquecendo-se do muito que Lhe devíamos, nos recebesse no número de seus filhos adotivos.

Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.