CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
15 Set 2017 - 25:34

O pecado não é uma trivialidade

No Evangelho deste domingo, Nosso Senhor conta a seus discípulos a parábola do credor incompassivo, explicando-lhes a necessidade do perdão. Nosso Senhor demonstra, com isso, que o ato de perdoar não é uma realidade corriqueira, mas algo que exige de nós uma profunda conversão. Nos dias de hoje, contudo, ao invés de perdoar de verdade, são muitos os que adotam o discurso da tolerância, receitando remédios falsos para um mal que leva à morte.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 15 Set 2017 - 25:34

O pecado não é uma trivialidade

No Evangelho deste domingo, Nosso Senhor conta a seus discípulos a parábola do credor incompassivo, explicando-lhes a necessidade do perdão. Nosso Senhor demonstra, com isso, que o ato de perdoar não é uma realidade corriqueira, mas algo que exige de nós uma profunda conversão. Nos dias de hoje, contudo, ao invés de perdoar de verdade, são muitos os que adotam o discurso da tolerância, receitando remédios falsos para um mal que leva à morte.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
( Mt
18, 21-35)

Naquele tempo, Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: "Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?"

Jesus respondeu: "Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. Quando começou o acerto, levaram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.

O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrado, suplicava: 'Dá-me um prazo, e eu te pagarei tudo!' Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida.

Ao sair dali, aquele empregado encontrou um de seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: 'Paga o que me deves'.

O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: 'Dá-me um prazo, e eu te pagarei!' Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.

Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo.

Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: 'Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. Não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?'

O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida.

É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão".

O Evangelho deste domingo é um grande comentário àquela parte do Pai-Nosso em que pedimos a Deus o perdão de nossos pecados, e se insere no chamado discurso eclesiológico, em cujo conteúdo se encontram todos os ensinamentos de Cristo para a formação da Igreja. O perdão, ensina Jesus, é imprescindível à comunhão com Deus, porque apaga de nossos corações as rixas do pecado e nos vincula outra vez ao seu corpo místico.

Jesus narra a parábola do credor incompassivo para demonstrar que o perdão não é uma realidade trivial, mas algo que exige de nós uma profunda conversão. Não pode receber o perdão divino quem não perdoa igualmente aos seus irmãos.

No mundo atual, porém, constitui um grande obstáculo à verdadeira misericórdia o surgimento de uma ideologia que propaga uma falsa espécie de perdão. Trata-se da chamada "tolerância". Em nome de um bem-estar social, nega-se a existência do pecado e as suas consequências malignas para a alma humana.

Imagine a seguinte situação: você se sente mal e vai a um médico para que descubra as causas de suas dores. O médico faz o diagnóstico e você, então, fica sabendo que está com câncer. O doutor o acalma, explica que o câncer tem cura, mas que será necessária, porém, uma longa e dolorosa série de tratamentos: cirurgia para retirada do tumor, sessões de quimioterapia e, depois, fisioterapia para que você recupere seus movimentos.

A notícia o escandaliza e, por isso, você decide buscar o diagnóstico de outro médico. Mas, para sua desgraça, esse outro médico não é sincero como o primeiro e, pensando simplesmente em poupá-lo da dor, diz-lhe que sua doença é apenas um mal-estar corriqueiro. Ele receita-lhe uma pílula de morfina para cortar o desconforto e você, achando-se saudável, vai para casa tranquilo.

A tolerância é o remédio desse segundo médico. Infelizmente, não estamos dispostos a enxergar nossa doença profunda, o que nos leva a procurar qualquer solução fácil, qualquer morfina que retire nossas dores, que acabe com nossas crises de consciência. Porém, a única cura verdadeira para nossas enfermidades encontra-se nos méritos da cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. O bom médico deve, sim, receitar-lhe um longo e doloroso tratamento: a frequência aos sacramentos, a penitência, a mortificação, as obras de caridade... E depois de tudo isso, você ainda terá de crescer em virtudes até que, enfim, morra o homem velho e nasça o homem novo, cujo coração é capaz de perdoar.

Um grande número de cristãos, porém, não quer mudar de vida e prefere ficar com os remédios dos charlatões, que os livram de sua situação "opressora" sem que seja necessário, por outro lado, adequar-se às exigências do Evangelho. Os bons médicos, enquanto isso, são continuamente acusados de "rigorismo", "radicalismo", "fanatismo" etc. E com isso as almas se perdem.

Em 1946, o Papa Pio XII dedicou uma de suas radiomensagens a um Congresso Nacional sobre Catequese, realizado em Boston, nos EUA. Nessa radiomensagem, o papa dizia o seguinte: Perhaps the greatest sin in the world today is that men have begun to lose the sense of sin — "Talvez o maior pecado do mundo de hoje seja que o homem tenha começado a perder o sentido do pecado". Essa declaração do Santo Padre ficou famosa e ainda vale para os dias atuais, embora mereça uma atualização: o homem já perdeu totalmente o sentido do pecado. Hoje, o único pecado intolerável é dizer que existe pecado.

Na mesma radiomensagem, o servo de Deus recorda que o pecado deve ser entendido a partir da crucificação de Cristo, onde se revelou todo o amor de Deus. Para nos perdoar, Deus precisou sacrificar seu Filho unigênito, precisou submeter-se a uma terrível terapia para curar nossas doenças. Isso demonstra a gravidade do pecado, e que o perdão não é algo banal.

O servo impiedoso da parábola, portanto, precisaria voltar seus olhos para a grande misericórdia de seu patrão. A extensão de sua dívida, conforme está no Evangelho, seria algo na casa dos bilhões de reais hoje em dia. Mas ele achava que o perdão era uma trivialidade, que nada custava.

Pela fé, no entanto, nós sabemos: o perdão de nossos pecados custou o preciosíssimo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, somente o acolhimento humilde e generoso das terapias de Deus poderá curar verdadeiramente os nossos corações.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.