CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
29 Set 2017 - 24:32

“Minha vocação é o amor”

Se Jesus nos pedisse para imitá-lO apenas por justiça, o cristianismo seria um peso muito grande e uma tarefa muito difícil de cumprir. Com o amor e a graça, porém, tornamo-nos capazes de cumprir plenamente a vontade de Deus, como cumpriram Mateus e Maria Madalena depois da conversão. É por isso que Jesus diz, no Evangelho de hoje, aos sacerdotes e anciãos do povo: “Os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus”.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 29 Set 2017 - 24:32

“Minha vocação é o amor”

Se Jesus nos pedisse para imitá-lO apenas por justiça, o cristianismo seria um peso muito grande e uma tarefa muito difícil de cumprir. Com o amor e a graça, porém, tornamo-nos capazes de cumprir plenamente a vontade de Deus, como cumpriram Mateus e Maria Madalena depois da conversão. É por isso que Jesus diz, no Evangelho de hoje, aos sacerdotes e anciãos do povo: “Os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus”.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt
21, 28-32)

Naquele tempo, Jesus disse aos sacerdotes e anciãos do povo: "Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: 'Filho, vai trabalhar hoje na vinha!' O filho respondeu: 'Não quero'. Mas depois mudou de opinião e foi.

O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: 'Sim, senhor, eu vou'. Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade do pai?"

Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: "O primeiro".

Então Jesus lhes disse: "Em verdade vos digo que os cobradores de impostos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus. Porque João veio até vós, num caminho de justiça, e vós não acreditastes nele. Ao contrário, os cobradores de impostos e as prostitutas creram nele. Vós, porém, mesmo vendo isso, não vos arrependestes para crer nele".

O Evangelho deste domingo se passa no contexto da Semana Santa, quando Jesus entra de maneira triunfal em Jerusalém e enfrenta sua derradeira controvérsia com os fariseus.

Cristo quer desmascarar a hipocrisia dos doutores da lei e, para isso, narra-lhes a parábola dos dois filhos, que diz: "Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: 'Filho, vai trabalhar hoje na vinha!' O filho respondeu: 'Não quero'. Mas depois mudou de opinião e foi" (v. 28-29). Esse primeiro filho representa os "cobradores de impostos" e as "prostitutas" que, apesar da hesitação inicial, entregaram-se fielmente ao caminho indicado por Jesus, como no caso de São Mateus e Santa Maria Madalena. Há, no entanto, o segundo filho, que ao pedido do pai responde: "Sim, senhor, eu vou", mas não cumpre sua obrigação (v. 30-31). Este representa os fariseus. Jesus mostra-lhes, assim, porque os "cobradores de impostos" e as "prostitutas" os precedem no Reino de Deus: porque, de fato, eles viviam o Evangelho, ao passo que os fariseus louvavam a Deus apenas com os lábios.

No Antigo Testamento os profetas já denunciavam essa atitude indolente do povo escolhido. Apesar da revelação divina, e mesmo diante das inúmeras prescrições da lei mosaica, Israel apartou-se da vontade de Deus, passando a cultuá-lO apenas exteriormente. O Senhor promete-lhes, então, um novo coração para que possam voltar a amar de verdade e cumprir piedosamente a sua vontade. E esse novo coração é justamente o Coração de Jesus, por meio do qual entramos em comunhão com a família trinitária.

Os fariseus, no entanto, recusam-se a aceitar Jesus e, quanto mais Ele se revela o Filho de Deus, mais demonstram para com Ele hostilidade e rancor. É por esse motivo que Cristo os chama de "sepulcros caiados"; porque viviam o culto divino de forma estereotipada, ofereciam sacrifícios externos mas não tinham uma alma penitente nem estavam dispostos a mudar por isso. Os cobradores de impostos e as prostitutas, por outro lado, abandonavam tudo e, movidos por esse novo coração, decidiam obedecer ao Senhor. Jesus nota essa diferença de atitude e, por meio da parábola, expõe aos seus interlocutores a realidade infame do "culto oficial das sinagogas", que se praticava apenas com os lábios, e o fenômeno discreto da conversão dos pecadores, como realização da profecia de Ezequiel: "Dar-vos-ei um coração novo e em vós porei um espírito novo; tirar-vos-ei do peito o coração de pedra e dar-vos-ei um coração de carne" ( Ez 36, 26).

Para os dias atuais, o cumprimento da vontade de Deus não é mais fácil do que no tempo dos Apóstolos. Como naquela época, também o homem moderno precisa receber esse novo coração. Neste sentido, vejamos o exemplo de Santa Teresinha do Menino Jesus, cuja memória litúrgica costuma ser celebrada justamente na data de hoje, dia 1.º de outubro. No chamado Manuscrito B, de sua autobiografia A história de uma alma, essa nossa santinha conta sua espiritualidade e explica como descobriu sua vocação no seio da Igreja. Ela escreve:

Sinto em mim a vocação de sacerdote, com que amor, ó Jesus, te levaria nas minhas mãos quando à minha voz descesses do Céu… Com que amor te daria às almas!.. Mas ai! ao mesmo tempo em que desejo ser sacerdote, admiro e invejo a humildade de S. Francisco de Assis e sinto a vocação de imitá-lo recusando a sublime dignidade do sacerdócio. ( Manuscrito B, 3r).

Santa Teresinha sente-se perdida em meio ao turbilhão de sentimentos e desejos, que ora dirigem sua vontade para o martírio, ora para o apostolado, e, por isso, busca incansavelmente uma resposta de Deus, a fim de melhor servi-lO dentro da Igreja. Ela então abre as Sagradas Escrituras e se depara com a epístola de São Paulo aos coríntios, que fala dos diferentes membros da Igreja:

E o apóstolo explica como todos os dons mais perfeitos não são nada sem o amor… Que a caridade é o caminho excelente que conduz seguramente a Deus.

Enfim, tinha encontrado o repouso… Considerando o corpo místico da Igreja, não me tinha reconhecido em nenhum dos membros descritos por S. Paulo, ou melhor queria reconhecer-me em todos… A caridade deu-me a chave de minha vocação. Compreendi que se a Igreja tinha um corpo, composto de diferentes membros, o mais necessário, o mais nobre de todos não lhe faltava, compreendi que a Igreja tinha o coração, e esse coração estava ardendo de amor. ( Manuscrito B, 3v).

A descoberta do coração da Igreja fez com que Santa Teresinha descobrisse, por conseguinte, a sua primeiríssima vocação, a qual precisa estar na base de todas as outras e deve ser vivida por todos os cristãos:

Então no excesso de minha alegria delirante, exclamei: Ó Jesus, meu amor… minha vocação, enfim eu a encontrei, minha vocação é o amor.

Sim encontrei meu lugar na Igreja e esse lugar, ó meu Deus, foste tu que mo deste… no Coração da Igreja, minha mãe, eu serei o amor… assim serei tudo… assim meu sonho será realizado!!! ( Manuscrito B, 3v).

A descoberta de Santa Teresinha ensina que todo aquele que quiser servir a Deus precisa, antes, estar nesse coração amoroso da Igreja, pois, sem o amor, absolutamente tudo se torna inútil e ridículo. Sem amor não haveria São Paulo nem os mártires, não haveria os missionários nem qualquer outra obra de apostolado realmente válida. Daí que Pio XII tenha atribuído à pequena Teresinha o mérito de ter redescoberto, com charme e frescor, o coração do Evangelho: "C'est l'Évangile même, le cœur de l'Évangile qu'elle a retrouvé, mais avec combien de charme et de fraîcheur" (Radiomensagem para consagração da Basílica de Santa Teresinha, 11 de julho de 1954).

De fato, o amor evangélico nos previne contra um falso moralismo, que destrói o seguimento de qualquer cristão. Se Jesus nos pedisse para imitá-lO apenas por justiça, o cristianismo seria um peso muito grande e uma tarefa muito difícil. Com o amor e a graça, porém, tornamo-nos capazes de cumprir plenamente a vontade de Deus, como cumpriram Mateus e Maria Madalena depois da conversão.

Peçamos, portanto, a intercessão de Santa Teresinha para que ela nos faça enxergar a luz da graça e nos alcance um coração novo e cheio de amor.

Referências

  • Santa Teresinha do Menino Jesus, História de uma alma: nova edição crítica por Conrad de Meester. 4. ed. São Paulo: Paulinas, 2011. p. 309-312.
Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.