CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Misericórdia para mim, severidade para os outros

Só o amor a Cristo, unido às suas dores e humilhações, pode dar-nos aquela justa medida e aquele bom senso de quem sabe julgar todas as coisas com os olhos de Deus.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
(Mt 7,1-5)

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Não julgueis, e não sereis julgados. Pois vós sereis julgados com o mesmo julgamento com que julgardes; e sereis medidos com a mesma medida com que medirdes. Por que observas o cisco no olho do teu irmão, e não prestas atenção à trave que está no teu próprio olho? Ou, como podes dizer a teu irmão: ‘Deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu mesmo tens uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu próprio olho, e então enxergarás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão”.

“Não julgueis, e não sereis julgados”. Com o Evangelho de hoje, Jesus nos chama a atenção para o fato de sermos míopes e condescendentes com os nossos erros, mas rápidos e “precisos” para identificar e condenar os do próximo. Sempre que pecamos, buscamos uma justificativa — a nosso ver, muito razoável — para o que fizemos; mas se foi um nosso irmão quem pecou, não há desculpa possível: julgamo-nos em condições não só de o condenar sem direito a recurso, mas de saber em detalhes o que o motivou a fazer o que fez.

Esse fenômeno tão comum é um sinal claro de que o nosso amor próprio desordenado afeta nossa capacidade de julgamento. Isso se vê com ainda maior clareza quando sofremos de fato alguma injustiça, por leve que seja. Nosso mundo cai, sentimo-nos a mais pobre vítima da história, ferida em sua honra e em seus mais nobres sentimentos; mas quando somos nós os injustos, dizemos sem piscar: “Isso acontece, ninguém é de ferro”. Essa excessiva indulgência para com nós mesmos e essa desmedida severidade para com os outros prova que não vemos as coisas com os olhos de Deus.

Eis por que temos de lhe pedir a graça de poder vê-las com o seu olhar, sempre justo e compreensivo. Trata-se, é verdade, de uma graça rara, que só vemos realizada perfeitamente nos grandes santos; mas nós, que desejamos atender ao chamado: “Sede perfeitos”, não podemos medir esforços para ser parecidos com Nosso Senhor, que tudo via e julgava com olhar limpo, reto e misericordioso. Que Ele nos dê um Coração como o seu, disposto a tudo suportar — mesmo as injustiças — por amor ao Pai e aos homens. 

* * *

O juízo temerário (cf. Mt 7,1-5; 10,24s; 15,14; Mc 4,24b). — Tendo lançado os fundamentos da caridade fraterna, o escritor sagrado refere agora um alerta de Cristo aos que, sem fazer caso dos próprios defeitos, acusam duramente os alheios. — (Lc 6,37): Não julgueis, i.e., não condeneis a conduta e a intenção dos outros, e não sereis julgados (μὴ καταδικάζετε, subentende-se: ‘por Deus’) [1]. Mateus acrescenta (7,2): Pois segundo o juízo com que julgardes, sereis julgados, i.e., assim como tratardes os outros, assim também vos tratará Deus (cf. Sl 17 [18],25s). Logo, fala-se antes da qualidade do juízo que do objeto julgado. — Escreve Agostinho: “Julguemos o que é manifesto, mas sobre o que está oculto deixemos o juízo para Deus. Não censuremos o que não soubermos com que intenção foi feito, nem repreendamos de tal forma o que é manifesto, que julguemos [o próximo] sem esperança de salvação” (De serm. Domini in monte II 18, 60).

Lucas é mais rico. Além do λόγιον sobre o não julgar, exposto de três formas diferentes (v. 37: não julgueis, não condeneis, perdoai), traz ainda outro (v. 38), sobre o dar aos demais: Dai (aos outros), e dar-se-vos-á (por Deus). Exprime com três adjetivos a grandeza do prêmio: com efeito, se derdes ao próximo, uma medida boa (καλόν = considerável, não parca), cheia (πεπιεσμένον = comprimida) [2], recalcada (σεσαλευμένον = agitada, batida, para que se encha melhor) e acogulada (ὑπερεκχυννόμενον = lit. sobre-exsudante, i.e., transbordante), ou seja, uma medida além da medida [3] vos será lançada nas dobras do vosso vestido [4]; conforme a vossa benignidade para com os outros, Deus vos há de retribuir, não de mão fechada e avara, mas larga e generosa. — Porque com a mesma medida etc. não se deve entender, como entenderam alguns intérpretes antigos, como igualdade absoluta (= ‘de tanto por tanto’), mas a modo de provérbio, como certa proporção entre o trato dispensado aos outros e o que Deus dispensará a nós: ‘Quanto mais benigno fores com os outros, quer no dar, quer no perdoar, tanto mais benigno acharás a Deus; quanto mais severo fores, mais severo ele será contigo’.

V. 39. Dizia-lhes também esta comparação (gr. παραβολήν, lt. similitudinem): Pode porventura um cego guiar outro cego? Não cairão ambos no barranco? A imagem é tirada da vida cotidiana da Palestina, onde às margens das ruas e estradas não era difícil deparar com buracos e cisternas escavadas, que só um homem atento e de boa visão podia evitar; os cegos, porém, corriam sempre o risco de cair. — Sentido: ‘Não te é lícito julgar os outros, enquanto tu mesmo precisas de correção’, sobretudo porque (v. 40) o discípulo não é mais que o mestre; mas todo (gr. πᾶς = lt. quivis, i.e., qualquer discípulo) será perfeito (gr. κατηρτισμένος = bem instruído), se for [no máximo] como seu mestre [5], i.e., sobretudo porque ‘se tu, sendo mestre, também és cego, não poderás dar luz a teu discípulo’.

V. 41s (cf. Mt 7,3ss). Em seguida, por meio da imagem (tirada talvez de algum provérbio popular [6]) de alguém que corrige o irmão por ter um cisco no olho, embora ele mesmo tenha no seu não um cisco mas uma trave, condena o Senhor a hipocrisia [7] dos que veem os defeitos mais leves do próximo, mas não os próprios [8]. — Esse dardo tem por alvo especialmente os fariseus; mas a doutrina aqui contida, como se vê, é universal, englobando todos os que padecem este vício, sobretudo os ministros da Igreja que, quando cumprem o dever de corrigir, mostram às vezes ter as mesmas manchas — e até mais feias! — do que as repreendidas.

Notas

  1. As formas impessoais passivas (μὴ κριθῆτε = não sereis julgados; μὴ καταδικασθῆτε = não sereis condenados; μὴ ἀπολυθήσεσθε = não sereis perdoados) aqui empregadas têm a Deus por sujeito intencional. Entre os rabinos são mais frequentes as formas ativas impessoais com o mesmo significado (cf. Lc 6,38: δώσουσιν = darão, i.e., ‘Deus dará’; 16,9: ἵνα δέξωντα ὑμᾶς = para que vos recebam, i.e., ‘para que Deus vos receba’).
  2. A metáfora alude ao costume de comprimir com as mãos o trigo para encher o recipiente com mais grãos.
  3. Essa descrição tão detalhada lembra graficamente alguns costumes dos comerciantes palestinos: “A boa medida já é algo mais do que a quantidade estritamente exigida; o alimento é pressionado, para que no recipiente caiba mais; sacudido, para que os espaços sejam preenchidos (se se trata, por exemplo, de frutas), e ainda transborda quando é derramado [no saco]” (J.-M. Lagrange, Évangile selon saint Luc. 5.ª ed., Paris, 1941, p. 198).
  4. Lançar nas dobras do vestido, ou no seio da túnica (gr. εἰς τὸν κόλπον, lt. in sinum [sc. vestis]), é uma expressão hebr. (נָתַן בֵּחֵיךְ) que significa ‘retribuir’, ‘compensar’, ‘devolver’ (cf. Is 65,7; Jr 32,18; Sl 79,12, em sentido negativo; 2Sm 18,8, em sentido positivo).
  5. Alguns intérpretes preferem ler o pron. πᾶς em sentido adverbial (como sinônimo de ‘completamente’, ‘de todo’ etc. = lt. omnino), o que é possível em gr. segundo certos gramáticos. O sentido, pois, seria: “Não está o discípulo acima do mestre; quando estiver completamente instruído, será <no máximo> como o seu mestre”.
  6. Cf. Baba Bathra (f. 15b), apud *Strack–Billerbeck, I, p. 446: “Está escrito: no dia em que julgarem os juízes […], quando disser <o juiz> a alguém: ‘Tira o cisco do teu olho’, responderá ele: ‘Tira tu a trave do teu’”.
  7. Agostinho, De serm. Domini in monte II 19, 64: “Denunciar vícios é dever próprio dos bons e benevolentes; mas quando são os maus que o fazem, então agem como se o não fossem, assim como os hipócritas, que ocultam sob a máscara o que são e com ela ostentam o que não são”.
  8. Em Mt 7,5 e Lc 6,42, reconhecer e corrigir os próprios defeitos é precondição para poder ajudar o próximo a reconhecer e corrigir os seus: E então verás (gr. διαβλέψεις) etc., i.e., ‘então terás a acuidade, finura, delicadeza de olhos necessária para tirar a aresta do outro’.
Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.