CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

161. Por que devemos rezar, se Deus não vai mudar Sua Vontade?

A oração cristã é cooperação com a Providência, com o plano de amor que Deus tem para com os homens. Nossos pedidos não são para mudar a vontade de Deus, mas sim para que mereçamos receber aquilo que, desde toda a eternidade, Ele já determinou que nos daria.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Se Deus não vai mudar a sua vontade por que é necessária a oração? Este é um problema teológico dos mais difíceis. Para resolvê-lo é preciso contar com o auxílio do grande doutor da Igreja, Santo Tomás de Aquino que, na Suma Teológica II-II, q. 83, a.2, explica:

"Para esclarecimento desta doutrina, deve-se considerar que a providência divina não somente determina os efeitos, mas também de quais causas, e em que ordem são causados. Entre as múltiplas causas, há também as que são atos humanos. Donde ser necessário, não que os homens façam alguma coisa para, pelos seus atos, mudarem o que foi disposto pela providência divina, mas que, pelos seus atos, realizem alguns efeitos, segundo a ordem disposta por Deus. Isto acontece também nas causas naturais e algo semelhante na oração. Não oramos para mudar o que foi disposto pela graça divina, mas para que façamos o que Deus dispôs para ser realizado devido à oração dos santos. Por isso, escreve Gregório: "Pedindo, os homens mereçam receber aquilo que Deus onipotente determinou conceder-lhes desde a eternidade.
(...), portanto, deve-se dizer que não é necessário apresentar as preces a Deus para torná-Lo ciente dos nossos desejos ou indigências, mas para que nós mesmos consideremos que, nesses casos, se deve recorrer ao auxílio divino.
(...), deve-se dizer, como foi dito acima que a nossa oração não objetiva mudar aquilo que foi disposto por Deus, mas conseguir d´Ele, pelas orações, o que Ele dispôs.
(...), deve-se dizer que muitas coisas Deus concede por liberdade mesmo que não pedidas. Mas quando nos concede o que Lhe pedimos, o faz para nossa utilidade, a saber, para que consigamos a confiança para recorrer a Deus e tenhamos o reconhecimento de que Ele é o autor dos nossos bens. A respeito, escreve Crisóstomo: 'Considera quanta felicidade te foi concedida; quanta glória te foi atribuída; pelas orações, dialogar com Deus, conversar com Cristo, aspirar ao que querer e pedir o que desejas.'"

Assim, não procede a mentalidade deísta de que Deus criou o mundo e nele não intervém, portanto, rezar é inútil. O determinismo deísta não é cristão. Os cristãos sabem que é necessário rezar, é preciso suplicar a Deus, porém, isso levanta um outro problema: se a oração, a súplica é necessária e ela muda o agir de Deus, Ele é um Deus mutável, um Deus que instável em seus desígnios? A resposta é dada também pelo Doutor Angélico, conforme visto acima: a oração do homem faz parte do modo de a Providência divina operar.

O Catecismo da Igreja Católica ensina na mesma linha quando diz que "a oração cristã é cooperação com sua Providência, com seu plano de amor para com os homens". (2738) Portanto, Deus não determina, na sua Providência, somente o efeito final, mas também as causas através das quais Ele irá realizar, Ele determina também o caminho pelo qual o Seu desejo irá acontecer.

Deus é a fonte de todo o amor, mas Ele não quer ser o único que ama, Ele quer amar também com as suas criaturas. Quando Jesus conta a parábola da viúva, São Lucas esclarece logo no início que o que Ele queria era "mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, sem nunca desistir." (Lc 18, 1) Esta é a lição a ser aprendida dessa parábola.

Uma outra pergunta poderia ser feita então: e se eu não rezasse, a vontade de Deus não aconteceria? A resposta se encontra no Livro de Ester quando Mardoqueu diz a ela que fora ali colocada providencialmente para salvar o povo, mas que nem por isso era 'necessária', pois mesmo se ela se calasse, Deus faria vir a salvação e a libertação do povo de outro lugar (conf. 4, 14).

Existe, portanto, uma grande dificuldade em sintonizar a Providência de Deus (bondosa, sábia e imutável) e a liberdade humana, pois são duas realidades aparentemente antagônicas: o homem é tão livre que pode dizer não a Deus; Deus há de realizar o seu projeto para cada indivíduo. Trata-se de uma dificuldade teólogica, porém, é sabido que na vida de oração o homem coopera com a Providência divina.

Atualmente, muitos teólogos têm negado a Providência divina, alegando que ela nada mais é do que uma "visão platônica" do Cristianismo. Tal posicionamento é inaceitável. O Concilio Vaticano I, na Constituição Dei Filius, diz que:

"Ora, tudo o que criou, Deus o conserva e governa com sua providência, 'alcançando com força de uma extremidade a outra e dispondo com suavidade todas as coisas'. Pois, 'tudo está nu e descoberto aos seus olhos', mesmo que há de acontecer por livre ação das criaturas." (DH 3003)

A Resposta Católica, portanto, é esta: Deus, por sua providência, fará prevalecer a sua vontade, mas Ele providencia também as orações dos homens.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.