CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
8 Fev 2019 - 24:12

Profissão não, vocação!

Jesus encontrou Pedro ocupado com os próprios afazeres e deu à sua existência um novo sentido: agora ele seria “pescador de homens”. Do mesmo modo, Cristo vem nos visitar também em nossas tarefas, a fim de nos manifestar a verdadeira vocação e sentido de nossas vidas. É o que nos ensina Padre Paulo Ricardo nesta meditação, mostrando como podemos converter nossa vida comum em um apostolado eficaz para a salvação das almas.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 8 Fev 2019 - 24:12

Profissão não, vocação!

Jesus encontrou Pedro ocupado com os próprios afazeres e deu à sua existência um novo sentido: agora ele seria “pescador de homens”. Do mesmo modo, Cristo vem nos visitar também em nossas tarefas, a fim de nos manifestar a verdadeira vocação e sentido de nossas vidas. É o que nos ensina Padre Paulo Ricardo nesta meditação, mostrando como podemos converter nossa vida comum em um apostolado eficaz para a salvação das almas.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 5, 1-11)

Naquele tempo, Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus. Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.

Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.

Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”. Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

Meditação. — 1. No Evangelho deste domingo, São Lucas apresenta-nos um relato todo particular da vocação de São Pedro. Diz o evangelista que Jesus estava na margem do lago de Genesaré e a multidão apertava-se ao redor dEle para ouvir a Palavra de Deus. Bem próximo dali, Simão, Tiago e João lavavam as suas redes, depois de uma noite inteira de pescaria. As suas barcas também estavam paradas na margem do lago. Jesus então subiu à barca de Simão e pediu-lhe para que se afastasse um pouco, a fim de que o povo pudesse escutar a sua pregação. Depois disso, Cristo ordenou-lhe que lançasse as redes em águas mais profundas. E em atenção àquelas palavras, ainda que ele e seus companheiros tivessem passado a noite toda sem pescar um só peixe, Simão jogou as redes.

As redes apanharam tantos peixes que Simão precisou da ajuda de seus companheiros para retirá-las do lago. A partir desse momento, ele passou a enxergar Jesus não mais como um “mestre” ou “pessoa elevada”, mas como Senhor, diante do qual ele tinha de se curvar, reconhecendo a própria indigência: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” E Jesus, aproveitando-se de uma situação corriqueira, acalmou o coração do futuro apóstolo, dizendo-lhe: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”.

Como lemos na primeira leitura da Missa, Simão descobriu a sua vocação de maneira semelhante à do profeta Isaías. Ambos se espantaram com a grandiosidade do Deus que os atraía para serem instrumentos da providência divina e, com efeito, reconheceram as próprias limitações: “Ai de mim, estou perdido! Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu vi com meus olhos o rei, o Senhor dos exércitos”, exclama o profeta.

2. É interessante notar como Simão se comporta diante da descoberta da própria vocação. Antes, ele tinha uma ocupação que talvez nem o preenchesse tanto, motivo pelo qual se mostra tão assustado com o milagre de Cristo. Simão percebeu que, a partir daquele momento, faria parte de algo muito maior, e passaria a chamar-se Pedro. A pescaria não seria mais uma finalidade, mas o meio pelo qual ele e seus amigos levariam homens para Deus.

Na vida do cristão, o chamado de Deus não pode ser confundido com uma mera ocupação ou profissão para a qual se dedicam algumas horas do dia. Na verdade, as várias profissões não têm finalidade em si mesmas, mas existem como instrumentos de santificação para as pessoas. Em outras palavras, a vocação é o caminho que Deus escolheu para que você se salve e, assim, chegue ao céu. Desse modo, o médico, o professor, o advogado, a doméstica etc. devem viver suas profissões com esmero, aproveitando as ocasiões para levar seus colegas e familiares até Deus. Na santificação da vida ordinária, os cristãos evangelizam o mundo e abrem caminhos para que outros também encontrem Deus nos seus afazeres.

3. A liturgia contemplou há poucos dias a memória de São Francisco de Sales, um santo que devotou a sua vida a ensinar a “vocação universal à santidade”. Na sua famosa Introdução à vida devota, ele escreve o seguinte:

É um erro, senão até mesmo uma heresia querer excluir a vida devota, ou seja, esse caminho da santidade dos quartéis dos soldados, das oficinas dos operários, dos palácios dos príncipes, do lar das pessoas casadas. Confesso, porém, caríssima Filotéia, que a devoção puramente contemplativa, monástica e religiosa de modo algum pode ser praticada em tais ocupações ou condições. Mas, para além destas três espécies de devoção, existem muitas outras próprias para o aperfeiçoamento daqueles que vivem no estado secular. Portanto, onde quer que estejamos, devemos e podemos aspirar à vida perfeita (I, 3).

Não há dúvida, portanto, de que todos podem ser santos, desde o faxineiro até o economista. Em qualquer lugar, a coisa realmente importante deve ser o apostolado. Se cada pessoa viver a sua vocação ordinária como meio para levar os irmãos até o céu, então realmente haverá uma santificação pessoal e comunitária. Trata-se de deixar-se alcançar por Cristo, como aconteceu com Pedro no seu trabalho, e, em resposta, lançar-se de volta para Ele, seguindo os ensinamentos preciosos de São Paulo: “Já que eu fui alcançado por Cristo, deixando o que está para trás, eu me lanço para alcançar Aquele que me alcançou” (Fl 3, 12-13).

Oração. — Senhor Jesus, fazei de mim um pescador de homens, assim como fizestes de Simão Pedro. Nas minhas horas de trabalho, acabo muitas vezes me distraindo e esquecendo vossa presença íntima em meu coração. Alcançai-me, então, Senhor, para que eu seja um apóstolo do Evangelho no meio da minha família e colegas de trabalho. Assim seja.

Propósito. — Vencer o respeito o humano e iniciar um apostolado concreto com algum colega de trabalho, amigo da faculdade ou familiar.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.