CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

É inegável a existência dos anjos. O próprio Jesus assim o atestou nos evangelhos, enquanto o Catecismo da Igreja Católica, no número 328, dissipa toda dúvida possível: “A existência dos seres espirituais, não-corporais, que Sagrada Escritura chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura a respeito é tão claro quanto a unanimidade da Tradição.”

A Revelação já seria suficiente. No entanto, a Igreja houve por bem esclarecer esse tema em diversos documentos. Podemos citar o Concílio de Latrão, cuja definição contra os cátaros e os albigenses fala claramente sobre a existência dos anjos, do mundo espiritual e do mundo material, do angelical e do mundano, afirmando que o ser humano está no meio dessas duas realidades (DH 800).

Os anjos não são forças cósmicas ou realidades alegóricas, metafóricas. São seres pessoais. A Encíclica Humani Generis, do Papa Pio XII, refuta a heresia modernista, simbolizada pela dificuldade que os teólogos liberais têm de aceitar a existência dos anjos: “Alguns também põem em discussão se os anjos são criaturas pessoais e se a matéria difere essencialmente do espírito” (DH 3891). Os anjos são realmente criaturas pessoais, dotadas de inteligência e vontade. Assim, a pergunta que resta é: eles ajudam o homem ou não, protegem-no ou não?

A Tradição da Igreja e os dados fornecidos pela Sagrada Escritura são claros em afirmar que cada homem possui o seu anjo da guarda. O anjo não está somente com o homem, mas também com Deus: “Guardai-vos de menosprezar um só destes pequenos, porque eu vos digo que seus anjos no céu contemplam sem cessar a face de meu Pai que está nos céus” (Mt 18, 10). Os anjos cuidam dos pequeninos, mas também dos grandes, como nos recorda esta interessantíssima passagem dos Atos:

De repente, apresentou-se um anjo do Senhor, e uma luz brilhou no recinto. Tocando no lado de Pedro, o anjo despertou-o: Levanta-te depressa, disse ele. Caíram-lhe as cadeias das mãos. O anjo ordenou: Cinge-te e calça as tuas sandálias. Ele assim o fez. O anjo acrescentou: Cobre-te com a tua capa e segue-me. Pedro saiu e seguiu-o, sem saber se era real o que se fazia por meio do anjo. Julgava estar sonhando. Passaram o primeiro e o segundo postos da guarda. Chegaram ao portão de ferro, que dá para a cidade, o qual se lhes abriu por si mesmo. Saíram e tomaram juntos uma rua. Em seguida, de súbito, o anjo desapareceu. Então Pedro tornou a si e disse: Agora vejo que o Senhor mandou verdadeiramente o seu anjo e me livrou da mão de Herodes e de tudo o que esperava o povo dos judeus (At 12, 7–11).

Ante essa verdade de fé, por que algumas pessoas ainda têm dificuldades em aceitar a existência e a proteção dos anjos? Porque não conhecem a si mesmas. Há uma grande barreira que impede o homem moderno de distinguir a imaginação da compreensão racional. Para ele, o que não se pode imaginar não pode existir nem ser compreendido. Uma coisa, porém, não implica a outra.

Os anjos são espíritos puros, razão por que eles não podem, ao menos de modo ordinário, ser “experimentados” pelo homem, o que não quer dizer, obviamente, que eles não possam ser conhecidos, compreendidos e cridos.

Eles são também, ao menos no caso dos anjos bons, guardiões dos homens, o que não desmerece nem diminui a proteção de Nosso Senhor Jesus Cristo; antes, pelo contrário, aumenta-lhe a glória, pelo fato de pôr ao lado de cada homem um custódio e executor de sua dulcíssima Providência. Os anjos guardiões, em todo o caso, não são criaturas fofas com asas e auréola, como costumam ser representados pela piedade popular. Não, são criaturas terríveis, segundo as SS. Escrituras. Tanto é assim que a primeira coisa que eles dizem ao se aproximar do homem é: “Não tenhas medo”, porque, embora venham em nosso auxílio da parte de Deus, pertencem a um âmbito da realidade muito mais próximo de Deus e, portanto, muito acima de nossos conceitos e experiências ordinárias.

Os anjos são maiores do que qualquer realidade visível experimentada pelo homem: são tremendos, fascinantes, sábios, inteligentes e presentes. São, poderíamos dizer, uma presença ministerial de Deus ao lado de cada homem, que o inspira a conhecê-lO, a temê-lO e a confiar nele pela proteção de seus emissários celestes. Dizia S. Pio de Pietrelcina que os anjos da guarda são imensamente humildes e só ajudarão o homem após receberem dele o consentimento para tal, e nisso diferem completamente dos demônios, que entram sem ser convidados. É por isso que é preciso rezar a eles todos os dias e pedir-lhes que venham cobrir-nos com sua proteção. Eis uma das grandes maravilhas de Deus, que manifesta o seu cuidado para com os homens também por intermédio dos santos anjos.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.