CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

52. Por que alguns nascem pagãos ou ateus, se Deus quer a salvação de todos?

Deus, em sua infinita bondade, quer que o homem seja sempre livre. E exercer a liberdade significa amar sem ser subjugado.

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Deus, em sua infinita onipotência, não poderia ter criado um mundo sem males, sem o Mal? A resposta é positiva. Sim, Ele poderia ter criado um mundo no qual todos os homens O amassem e Lhe fossem fiéis. Bastaria ter revelado Sua face. Por que não o fez? O Catecismo da Igreja Católica, em seus números 310 e 311, diz que:

Deus sempre poderia criar algo melhor. Todavia, em sua sabedoria e bondade infinitas, Deus quis livremente criar um mundo em estado de caminhada para sua perfeição última.
Os anjos e os homens, criaturas inteligentes e livres, devem caminhar para seu destino último por opção livre e amor preferencial. Podem, no entanto, desviar-se. E, de fato, pecaram. Foi assim que o mal moral entrou no mundo, incomensuravelmente mais grave do que o mal físico. Deus não é de modo algum, nem direta nem indiretamente, a causa do mal moral. Todavia, permite-o, respeitando a liberdade de sua criatura e, misteriosamente, sabe auferir dele o bem. (CIC 310-311)

Portanto, a resposta para a pergunta: por que alguns nascem pagãos ou ateus? passa, necessariamente pela questão da liberdade do homem. Do desejo de Deus em que o homem O ame livremente.

Deus é uma verdade tal, que no momento em que o homem o vir face a face não terá como resistir, será irremediavelmente atraído para o Seu amor. Se isso acontecesse, o homem perderia a liberdade. O Catecismo segue ensinando:

Deus criou o homem dotado de razão e lhe conferiu a dignidade de uma pessoa agraciada com a iniciativa e o domínio de seus atos. 'Deus deixou o homem nas mãos de sua própria decisão' (Eclo 15,14), para que pudesse ele mesmo procurar seu Criador e, aderindo livremente a Ele, chegar a plena e feliz perfeição." (CIC 1730)
A liberdade é o poder, baseado na razão e na vontade, de agir ou não agir, de fazer isto ou aquilo, portanto, de praticar atos deliberados. Pelo livre-arbítrio, cada qual dispõe sobre si mesmo. A liberdade é, no homem, uma força de crescimento e amadurecimento na verdade e na bondade. A liberdade alcança sua perfeição quando está ordenada para Deus, nossa bem-aventurança. (1731)

Assim, o ser humano é livre para estar em Deus ou não. E isto foi querido por Ele, sendo mais uma demonstração de seu imenso amor pela humanidade. Contudo, engana-se quem pensa que o não-crer é um estado natural. Pelo contrário, o estado natural do homem é crer, é buscar o sentido de sua vida no Bem Maior. Essa busca é o que molda a trajetória do homem na terra. Santo Agostinho, em sua obra “Confissões", profere uma frase célebre a esse respeito:

Grande és tu, Senhor, e sumamente louvável: grande a tua força, e a tua sabedoria não tem limite. E quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação; o homem carregado de sua condição mortal, carregado com o testemunha de seu pecado e com o testemunho de que resistes aos soberbos; e, mesmo assim, quer louvar-te o homem, esta parcela de tua criação. Tu o incitas para sinta prazer em louvar-te; fizeste-nos para ti, e inquieto está o nosso coração, enquanto não repousa em ti.

O ateísmo não é a condição natural do homem. Para ser ateu e manter-se assim, é necessário um esforço, pois essa postura é anti-natural. “O desejo de Deus está inscrito no coração do homem, já que o homem é criado por Deus e para Deus; e Deus não cessa de atrair o homem para si, e somente em Deus o homem há de encontrar a verdade e a felicidade que não cessa de procurar", sabiamente ensina o Catecismo em seu nº 27. Porém, um pouco mais à frente, ele nos diz que a tão almejada união íntima e vital com Deus “pode ser esquecida, ignorada ou até rejeitada explicitamente pelo homem", que realmente é capaz disso ao fazer a opção pelo ateísmo. O Catecismo fala claramente sobre esse tipo de rejeição ao amor de Deus. Eis:

Muitos de nossos contemporâneos não percebem de modo algum esta união íntima e vital com Deus, ou explicitamente a rejeitam, a ponto de o ateísmo figurar entre os mais graves problemas do nosso tempo.

O termo 'ateísmo' abrange fenômenos muito diversos. Uma forma frequente é o materialismo prático, de quem limita suas necessidades e suas ambições ao espaço e ao tempo. O humanismo ateu considera falsamente que o homem é o seu própro fim e o único artífice e demiurgo de sua própria história. Outra forma de ateísmo contemporâneo espera a libertação do homem pela via econômica e social, sendo que a religião por sua própria natureza, impediria esta libertação, na medida em que, ao estimular a esperança do homem numa quimérica vida futura, o desciaria da construção da cidade terrestre.

Na medida em que rejeita ou recusa a existência de Deus, o ateísmo é um pecado contra a virtude da religião. A Imputabilidade desta falta pode ser seriamente diminuída em virtude das intenções e das circunstâncias. Na gênese e difusão do ateísmo, grande parcela da responsabilidade pode caber aos crentes, na medida em que negligenciando a doutrina da fé, ou por uma exposição enganosa da doutrina, ou por deficiência em sua vida religiosa, moral e social, se poderia dizer deles que mais escondem do que manifestam o rosto autêntico de Deus e da religião.

Muitas vezes o ateísmo se funda em uma concepção falsa da autonomia humana, que chega a recusar toda dependência em relação a Deus. Contudo, o reconhecimento de Deus não se opõe de modo algum à dignidade do homem, já que esta dignidade se fundamenta e se aperfeiçoa no próprio Deus. A Igreja sabe perfeitamente que sua mensagem se coaduna com as aspirações mais íntimas do coração humano. (CIC 2123-2126)

Infelizmente, o ateísmo não é o maior dos males modernos. O neo-paganismo se mostra ainda mais nefasto, pois, logo o ateísmo é abraçado, abre caminho para que, no lugar de Deus, outros deuses sejam colocados (dinheiro, sexo, poder, juventude etc).

O neo-paganismo, pelo que se vê, leva à idolatria definida como “uma perversão ao sentimento religioso inato do homem". E o idólatra é, portanto, aquele que refere a qualquer coisa que não seja Deus a sua indestrutível noção de Deus. (2144)

Assim, com base nas palavras do Catecismo: “Alegre-se o coração dos que buscam o Senhor". Se o homem pode esquecer ou rejeitar a Deus, este de sua parte, não cessa de chamar todo homem a procurá-lo, para que viva e encontre a felicidade. Mas esta busca exige do homem todo o esforço de sua inteligência, a retidão de sua vontade, um coração reto e também o testemunho de outros, que o ensinam a procurar a Deus." (30), peçamos a graça de valorizarmos sempre mais a liberdade concedida por Deus, amando-O livremente e intensamente nessa vida, para que, ao seu término, possamos contemplar-Lhe face a face e para todo o sempre.

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.