CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®

Último dia!

Seguimos com 40% off na assinatura anual.

  • Aproveite o último dia da nossa promoção;
  • Mais de 40 cursos à sua disposição;
  • Acesso a transmissões exclusivas para alunos;
  • Condição especial na pré-venda da HQ "Padre Pio: a História do Santo de Pietrelcina";
Assine agora
  • 38
  • 39
  • 40
  • 41
  • 42
  • 43
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc
11, 15-26)

Naquele tempo, Jesus estava expulsando um demônio. Mas alguns disseram: "É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios".

Outros, para tentar Jesus, pediram-lhe um sinal do céu. Mas, conhecendo seus pensamentos, Jesus disse-lhes: "Todo reino dividido contra si mesmo será destruído; e cairá uma casa por cima da outra. Ora, se até Satanás está dividido contra si mesmo, como poderá sobreviver o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que eu expulso os demônios. Se é por meio de Belzebu que eu expulso demônios, vossos filhos os expulsam por meio de quem? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus.

Quando um homem forte e bem armado guarda a própria casa, seus bens estão seguros. Mas, quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava, e reparte o que roubou.

Quem não está comigo, está contra mim. E quem não recolhe comigo, dispersa. Quando o espírito mau sai de um homem, fica vagando em lugares desertos, à procura de repouso; não o encontrando, ele diz: 'Vou voltar para minha casa de onde saí'. Quando ele chega encontra a casa varrida e arrumada. Então ele vai, e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele. E, entrando, instalam-se aí. No fim, esse homem fica em condição pior do que antes".

É diante de uma controvérsia entre Jesus e os fariseus a respeito do modo de Nosso Senhor agir que o Evangelho desta 6.ª-feria nos coloca. Donde vêm — perguntam-se, maliciosos, os doutores da Lei — as obras daquele nazareno: será pelo dedo Deus que Jesus expulsa os espíritos malignos ou será pelo poder de Belzebu que Ele o faz? Cristo lhes dá uma resposta tão contundente quanto sóbria; afinal, como pode o Diabo agir contra si mesmo? um reino internamente dividido não está fadado a ruir? Há, no entanto, um detalhe neste episódio que por vezes escapa à mentalidade de hoje. Se contemplarmos, pois, os quatro Evangelhos em conjunto, perceberemos com toda clareza que a missão de Jesus é compreendida como uma luta entre o Reino de Deus, na pessoa mesma de Nosso Senhor, e o reinado de Satanás. Esta realidade do embate entre Cristo e o príncipe das trevas só é plenamente revelada no Novo Testamento, cuja insistência na ação dos demônios no mundo e no poder do Messias sobre eles é de fato intrigante, se comparada com o silêncio do Antigo Testamento a esse respeito. Aliás, o fato de a própria Plenitude da Revelação nos dar a conhecer, em termos vivos e incontestáveis, a atividade demoníaca que nos rodeia não deixa de causar certo incômodo em alguns teólogos e exegetas modernos que, para contornar o problema e tornar-nos a figura do diabo mais "palatável", chegam a negar-lhe a existência ou a considerá-lo mero artifício de linguagem.

Como quer que seja, é importante termos consciência de que, como nos alerta o Evangelho de hoje, nós, pelo pecado, nos tornarmos sim escravos de Satanás, nosso verdadeiro inimigo. Não é, pois, contra o sangue ou contra a carne que temos de lutar, diz São Paulo (cf. Ef 6, 12), mas contra os espíritos malignos espalhados pelos ares. É preciso ter bem claro, portanto, quem é de fato o nosso adversário, porque só assim poderemos viver a verdadeira fraternidade. É apenas pelo combate ao demônio e às suas tentações que poderemos divisar o bem que devemos fazer aos outros, a necessidade de perdoar a todos os que nos fazem mal, o dever, enfim, de fazer exatamente aquilo que o diabo não deseja que façamos: a vontade de Deus. Satanás, com efeito, está toda hora a pôr-nos uns contra os outros, a fazer-nos achar que é pela vingança e pelo ódio que venceremos nossos malfeitores; e assim ele nos faz esquecer de que, na verdade, é contra ele mesmo que deveríamos estar lutando.

Jesus chama hoje a nossa atenção para o real combate do homem. Ele, que nos veio libertar deste cativeiro, chama cada um de nós a pegar das armas da fé e da oração, a fim de combatermos as forças que realmente nos podem levar para o Inferno: os principados, as potestades, os príncipes das trevas deste século, as hostes espirituais da maldade.

Material para Download
Texto do episódio
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.