CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
PropagandaPropaganda

Conheça os sacramentos da Igreja com o Padre Paulo Ricardo

Conteúdo gratuito
Assistir à aula
Preencha seu e-mail
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Erro ao criar a conta. Por favor, tente novamente.
Verifique seus dados e tente novamente.
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Verifique seus dados e tente novamente.
Boas-vindas!
Desejamos um ótimo aprendizado.
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Consagração Total a Nossa Senhora

A imitação das virtudes de Maria

A devoção à Virgem Santíssima, além de ter por fim a Jesus Cristo, deve ser também um exercício constante de imitação das virtudes de nossa Mãe do Céu. Pois assim como Deus, ao fazer-se homem, quis ser gerado e formado no ventre de Maria, assim também nós, para sermos conformes à imagem do Filho unigênito, devemos nos lançar neste molde perfeitíssimo que é Nossa Senhora, em quem encontramos o exemplar mais semelhante ao nosso Salvador.

242

Vimos na aula passada que a verdadeira devoção mariana funda-se num princípio cristocêntrico. Ou seja: é Jesus Cristo, e não a Virgem Santíssima, o fim último da devoção a Nossa Senhora. Esse princípio é de grande importância não apenas por ser a rocha sólida sobre a qual se ergue o nosso amor a Maria, mas também porque nele encontramos o melhor remédio para os escrúpulos de que padecem alguns falsos devotos que, temendo desonrar o Filho, deixam de honrar a Mãe [1]. Trata-se de um receio, aliás, que atormentou na juventude até mesmo o futuro Papa São João Paulo II, e foi justamente o Tratado de São Luís Maria que lhe dissipou qualquer sombra de medo de consagrar-se por inteiro — Totus tuus era o seu lema — à Virgem Santíssima. Não custa lembrar, além disso, que a própria fórmula de consagração que o santo de Montfort nos propõe chama-se “Consagração de si mesmo a Jesus Cristo, Sabedoria encarnada, pelas mãos de Maria”.

Aludimos também, ainda que brevemente, a um segundo princípio sobre o qual repousa esta devoção e que aponta para o fato de que, se queremos ser devotos de nossa Mãe do Céu, devemos imitar as virtudes que ela mesma praticou na terra. Se, com efeito, a...

Conteúdo gratuito, inscreva-se e assista!
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos