CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Próxima Por que se consagrar à Virgem Maria?Consagração Total a Nossa Senhora
Cancelar
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Consagração Total a Nossa Senhora

Os bens espirituais (II)

Muitas pessoas têm medo de consagrar-se a Maria, pois pensam que, entregando-lhe tudo, ficarão pobres e desamparadas. Quem pensa assim não só põe em dúvida a bondade de Nossa Senhora, que jamais abandona seus filhos, mas parece se esquecer de que aquele que dá tudo o que tem à sua Mãe na verdade não perde nada. Pelo contrário, sai ganhando, e muito, porque confiou todos os seus bens a quem saberá administrá-los muitos melhor do que nós.

imprimir

Vimos que a consagração a Nossa Senhora, tal como explicada por São Luís Maria Grignion de Montfort, implica entregar-se à Virgem por inteiro, em corpo e alma, com seus bens materiais e espirituais. Entregamos casa, família, rendas etc., por um lado, e, por outro, o que na aula passada denominamos valor meritório, satisfatório e impetratório de nossas obras. Tudo isto integra o conjunto de bens consagrados a Maria. Há, porém, que fazer algumas distinções.

O valor meritório, pelo qual adquirimos novas graças atuais e aumentamos nossa glória no céu, é per se incomunicável e intransferível. Por isso, só podemos entregá-lo à Virgem Santíssima para que ela o guarde, ou seja, a fim de que, tendo em mãos estes dons que ao longo da vida fomos entesourando, ela nos conceda a graça de uma contrição o mais perfeita possível se, desgraçadamente, cairmos num pecado mortal e, assim, perdermos tudo o que até então possuíamos.

De fato, é sabido que os méritos perdidos por um pecado grave podem reviver a partir do momento em que voltamos a estar em graça. No entanto, é sentença provável, defendida por ninguém menos que Santo Tomás de Aquino [1], que esses méritos não revivem sempre e necessariamente no mesmo grau que antes, mas conforme as disposições em que se encontrava o pecador ao readquirir a graça. É, portanto, “pura ilusão a que sofre o pecador quando peca tranquilamente, pensando que, depois do pecado, irá recuperar pela penitência tudo o que havia perdido” [2].

Entregando, porém, o valor de nossas obras aos cuidados de Maria, podemos ter a esperança de que, se porventura tivermos a infelicidade de pecar de tal maneira, poderemos contar com seu auxílio e intercessão para, arrependidos de todo coração, recuperarmos a graça e não perdermos nada do que lhe confiáramos. Isto, é claro, de modo nenhum nos autoriza a pecar com tranquilidade. Seria ofender o Coração bondoso de nossa Mãe Santíssima dormir placidamente em vícios de iniquidades sob o pretexto de ser devoto da Virgem, como se ela estivesse obrigada a socorrer os que, durante toda uma vida, pouco se importaram em ferir, traspassar, crucificar e ultrajar impiedosamente a Jesus Cristo, seu Filho [3].

O valor satisfatório, como já foi visto, está vinculado às diversas práticas de reparação, que se ordenam, em último termo, a satisfazer a pena devida pelo pecado, próprio ou alheio. Assim, por exemplo, um fiel pode fazer penitência já nesta vida, a fim de diminuir as penas que ele mesmo ou um terceiro teria de padecer no Purgatório. Pode-se também oferecer sacrifícios a Deus para que ele não puna neste mundo os gravíssimos pecados da humanidade, que tanta injúria fazem ao Criador e reclamam os justos castigos da ira divina. Portanto, ao entregarmos a Nossa Senhora o valor satisfatório de nossas boas obras — jejuns, mortificações, indulgências, vigílias, orações, adorações etc. —, estamos abdicando do direito de oferecê-las por quem quer que seja. A partir de agora, é a Virgem Santíssima que decidirá a quem o valor delas será aplicado. Já não temos mais poder nenhum sobre ele.

E não há desvantagem nenhuma nisto, pois nossa Mãe amada sabe muito melhor do que nós quem tem necessidade desse valor. Ela, que ama e abraça com ternura todos aqueles a quem gostaríamos de socorrer com nossas obras e sacrifícios, ao aceitar-nos como consagrados, aceita também, como coisa sua, nossos amigos, familiares, nossas intenções, projetos etc. De fato,

Não é crível que nossos amigos, parentes ou benfeitores sofram prejuízo por nos termos devotado e consagrado sem reserva ao serviço de Nosso Senhor e de sua Mãe Santíssima. Seria fazer uma injúria ao poder e bondade de Jesus e Maria, que saberão muito bem valer os nossos parentes, amigos e benfeitores, aproveitando o nosso crédito espiritual, ou por outro meio qualquer [4].

Quanto ao valor impetratório, pelo qual rogamos novas graças e mercês a Nossa Senhora, também ele lhe é entregue sem reservas. Tudo o que pedimos, pedimo-lo agora com a consciência de que está, total e integralmente, nas mãos de Maria. Não temos garantia, é verdade, de que receberemos o que pedimos, porque tampouco sabemos pedir o que e como convém (cf. Rm 8, 26; Tg 4, 3). Mas ela, sim, saberá o que nos dar, como nos dar, quando nos dar e em que circunstâncias nos dar. Ela irá não só purificar o egoísmo que tantas vezes subjaz às nossas petições, mas ainda enriquecer com seus próprios méritos os nossos pedidos, apresentando-os ao seu Filho com um novo valor. Além do que,

[...] esta prática não impede que rezemos pelos outros, vivos ou mortos, se bem que a aplicação de nossas boas obras dependa da vontade da Santíssima Virgem; e, bem ao contrário, esta circunstância nos levará a rezar com muito mais confiança, do mesmo modo que uma pessoa rica, que tivesse doado a um grande príncipe todos os seus bens, rogaria com redobrada confiança a esse príncipe que beneficiasse a algum amigo necessitado. Seria até causar prazer a esse príncipe dar-lhe ocasião de demonstrar seu reconhecimento a uma pessoa que de tudo se tivesse despojado para engrandecê-lo, que se tivesse reduzido a completa pobreza para honrá-lo. O mesmo se deve dizer de Nosso Senhor e da Santíssima Virgem: eles jamais se deixarão vencer em reconhecimento [5].

Um consagrado, ao dar tudo, nada perde. Antes, ganha muito por estar nas mãos da Rainha do céu e da terra, da mais gloriosa, exaltada e generosa das criaturas, daquela que pode apresentar ao Rei, como uma oferenda agradável, tudo o que somos e possuímos [6].

Referências

  1. Cf. S. Th., Suppl. q. 14, a. 4.
  2. A. Royo Marín, Teología de la Perfección Cristiana. Madrid: BAC, 2012, p. 424, n. 285.
  3. São Luís M.ª G. de Montfort, Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem. 39.ª ed., Petrópolis: Vozes, 2009, p. 103, n. 98.
  4. Id., p. 128, n. 132.
  5. Id., pp. 128-129, n. 132.
  6. São Luís responde ainda, a seguir, a outra objeção importante, cujo teor vale a pena deixar aqui registrado: "Outros dirão, talvez: Se eu der à Santíssima Virgem todo o valor de minhas ações para que ela o aplique a quem quiser, terei de sofrer talvez muito tempo no purgatório. Esta objeção, produto do amor-próprio e da ignorância da liberalidade de Deus e de sua Mãe Santíssima, destrói-se por si mesmo. Uma alma cheia de fervor e generosa, que antepõe os interesses de Deus aos seus próprios, que tudo que tem dá a Deus inteiramente, sem reserva, que só aspira à glória e ao reino de Jesus Cristo por intermédio de sua Mãe Santíssima, e que se sacrifica completamente para obtê-lo, esta alma generosa, repito, e liberal, será castigada no outro mundo por ter sido mais liberal e desinteressada que as outras? Muito ao contrário, é a esta alma, como veremos a seguir, que Nosso Senhor e sua Mãe Santíssima se mostram mais generosos neste mundo e no outro, na ordem da natureza, da graça e da glória."
Material para Download
Aulas do curso
Passaporte de acesso

A assinatura inclui

  • Acesso ilimitado aos 44 cursos da plataforma
  • Participação das aulas ao vivo exclusivas
  • Garantia de acesso aos lançamentos de novos cursos
  • Bibliografia
  • Download das aulas (.mp3)
  • Suporte personalizado
Assine Agora
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.