CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Conteúdo gratuito
Assistir à aula
Preencha seu e-mail
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Erro ao criar a conta. Por favor, tente novamente.
Verifique seus dados e tente novamente.
Use seis ou mais caracteres com uma combinação de letras e números
Verifique seus dados e tente novamente.
Boas-vindas!
Desejamos um ótimo aprendizado.
Texto da aula
Aulas do curso
Texto da aula
Consagração Total a Nossa Senhora

É necessário ser devoto da Virgem Maria?

Deus quis precisar de Maria para vir ao mundo. Foi por meio dela que recebemos o Filho unigênito e é só por suas mãos de Mãe que seremos entregues aos braços do Pai. Eis porque a devoção a Nossa Senhora é, segundo os desígnio de Deus, necessária a todo aquele que deseja ser salvo e santificar-se.

Mas como entender que Maria seja assim tão necessária? Isto não seria usurpar de Jesus o seu papel de único e exclusivo mediador e salvador? São estas as inquietantes perguntas que o Padre Paulo Ricardo aborda em mais uma aula do curso sobre a verdadeira devoção à Virgem Santíssima.

325

Depois de termos visto os princípios fundamentais que subjazem à verdadeira devoção e os tipos de falsos devotos que existem, podemos perguntar-nos agora: será que, ao fim e ao cabo, a devoção à Virgem Maria, ainda que útil e recomendável, é verdadeiramente necessária para a nossa salvação? A pergunta pode parecer um pouca ociosa e do interesse, quem sabe, de um pequeno círculo de teólogos. Trata-se, no entanto, de uma questão de fundamental importância, já que nos permite dissipar alguns erros concernentes à noção de “salvação” que circulam hoje em dia.

Sabemos pela Revelação divina que nossos primeiros pais, ao desobedecerem a ordem de não comer do fruto da árvore do bem e do mal (cf. Gn 3, 3), perderam a felicidade que Deus lhes havia concedido nesta terra. É o que vemos representado de maneira clara na expulsão de Adão e Eva do jardim do Éden, guardado desde então por “querubins armados de uma espada flamejante” (Gn 3, 24). Ora, Deus, se assim o tivesse querido, poderia ter perdoado livre e gratuitamente esta primeira transgressão e, assim, devolver a nossos pais a felicidade que eles, por culpa própria, perderam para si e toda a sua descendência.

O Senhor,...

Conteúdo gratuito, inscreva-se e assista!
Aulas do curso
Texto da aula
Material para download
Comentários dos alunos