CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
11 Dez 2015 - 25:40

A alegria de estar na graça de Deus

Só descobre o caminho da felicidade quem ama a Deus. Por isso, a liturgia deste domingo diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor!”. Se você quer descobrir o segredo da alegria cristã e começar a percorrer essa estrada, não perca este Testemunho de Fé. Saiba por que, como dizia São Josemaría Escrivá, “não há nada melhor no mundo do que estar em graça de Deus”.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 11 Dez 2015 - 25:40

A alegria de estar na graça de Deus

Só descobre o caminho da felicidade quem ama a Deus. Por isso, a liturgia deste domingo diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor!”. Se você quer descobrir o segredo da alegria cristã e começar a percorrer essa estrada, não perca este Testemunho de Fé. Saiba por que, como dizia São Josemaría Escrivá, “não há nada melhor no mundo do que estar em graça de Deus”.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas 

(Lc 3, 10-18)

Naquele tempo, as multidões perguntavam a João: "Que devemos fazer?" João respondia: "Quem tiver duas túnicas, dê uma a quem não tem; e quem tiver comida, faça o mesmo!" Foram também para o batismo cobradores de impostos, e perguntaram a João: "Mestre, que devemos fazer?" João respondeu: "Não cobreis mais do que foi estabelecido". Havia também soldados que perguntavam: "E nós, que devemos fazer?" João respondia: "Não tomeis à força dinheiro de ninguém, nem façais falsas acusações; ficai satisfeitos com o vosso salário!" O povo estava na expectativa e todos perguntavam no seu íntimo se João não seria o Messias. Por isso, João declarou a todos: "Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. Ele virá com a pá na mão: vai limpar sua eira e recolher o trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga". E ainda de muitos outros modos, João anunciava ao povo a Boa Nova.

*

"Eu vos batizo com água, mas virá aquele que (...) vos batizará no Espírito Santo e no fogo" (v. 16). Diferentemente do batismo de João Batista, que preparava as almas para a chegada de Cristo, o sacramento instituído por Nosso Senhor verdadeiramente confere a graça santificante [1], transformando aqueles que o recebem em filhos de Deus.

É justamente essa filiação a grande fonte da alegria cristã, tema da liturgia deste domingo. "Canta de alegria, cidade de Sião; rejubila, povo de Israel! Alegra-te e exulta de todo o coração, cidade de Jerusalém!", diz a Primeira Leitura (Sf 3, 14); "Gaudete in Domino semper. Iterum dico: Gaudete! – Alegrai-vos sempre no Senhor; eu repito, alegrai-vos", diz a Segunda (Fl 4, 4).

Para compreender exatamente o que significa "alegrar-se no Senhor", todavia, é preciso entender a íntima ligação que há entre a alegria e o amor, pois é justamente desta paixão que nasce aquela outra. Alegra-se quem entra em posse do objeto que ama, e este, por sua vez, determina o tipo de amor que se tem: quem se afeiçoa ao que é terreno e passageiro, terá uma alegria terrestre e efêmera; quem, ao contrário, ama Aquele que é eterno e imperecível, terá uma alegria celeste e permanente. Nosso Senhor aludiu a essas verdades quando disse aos Seus discípulos: "Permanecei no meu amor. (...) Eu vos disse isso, para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa" (Jo 15, 9.11).

Para permanecer no amor de Cristo, porém, é preciso guardar os Mandamentos. "Se observardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor" (Jo 15, 10), diz Jesus. Isso significa converter-se, mudar de vida, purificar-se dos próprios pecados.

A esse processo doloroso de passagem da morte para a vida, comparado pelo Evangelho a um parto (cf. Jo 16, 21), segue-se outra batalha também intensa, que é a luta por conservar-se na graça de Deus. De fato, quando uma pessoa se arrepende de seus pecados e se reconcilia com Ele, a Trindade habita dentro de sua alma, amando-a com amor de amizade (cf. Jo 15, 15). Essa inabitação divina é uma realidade extraordinária, a qual todo cristão deve estar disposto a morrer para guardar, pois constitui o sentido de sua felicidade neste mundo – felicidade que, embora não seja plena, já é um antegozo do Céu. Esse "tesouro escondido" da vida cristã é comparado por Tertuliano a "uma lâmpada que ilumina o ambiente": "Quem olha de fora só vê o fogo, mas lá dentro está o óleo da unção".

Neste Advento, abasteçamos as nossas lâmpadas com o óleo da graça divina e tenhamos sempre acesa em nosso coração a chama do divino amor, o único fogo que conduz à alegria e à glória do Céu.

Referências

  1. Cf. Suma Teológica, III, q. 38, a. 3.
Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.