CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
29 Abr 2016 - 25:55

A alma dos justos é morada de Deus

Deus está em todas as coisas, está real e substancialmente presente na Eucaristia, mas há ainda outro lugar privilegiado em que Ele mesmo disse que viria e faria morada: a sua alma!
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 29 Abr 2016 - 25:55

A alma dos justos é morada de Deus

Deus está em todas as coisas, está real e substancialmente presente na Eucaristia, mas há ainda outro lugar privilegiado em que Ele mesmo disse que viria e faria morada: a sua alma!
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo
14, 23-29)

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou.

Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito.

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração.

Ouvistes o que eu vos disse: 'Vou, mas voltarei a vós'. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu.

Disse-vos isso, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.

*

As primeiras palavras de Cristo no Evangelho deste domingo — "Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada" (v. 23) — referem-se ao grande mistério da inabitação trinitária, que consiste no seguinte: toda alma que tenha recebido a graça de Deus pelo Batismo e que não a tenha perdido pelo pecado, tem dentro de si a presença da própria Santíssima Trindade — Pai, Filho e Espírito Santo.

Convém explicar, em primeiro lugar, a natureza dessa presença, diversa de todas as outras que se observam na ordem criada.

Como sabemos, Deus criou todas as coisas, deu a existência a tudo o que existe, chamou do nada ao ser todas as criaturas. Embora o ato pelo qual cria as coisas seja um só — não se trata de uma "evolução gradual" —, para que as coisas sigam existindo, é necessário que Ele sustente continuamente todas as coisas no ser, mais ou menos como uma usina elétrica que mantém todas as lâmpadas de uma cidade permanentemente acesas. Assim como, se essa usina para de funcionar, as lâmpadas se apagam, se Deus deixasse de amparar as Suas criaturas, elas imediatamente deixariam de existir. Esse tipo de presença divina nas criaturas nós a chamamos de presença de imensidade, e não é a presença à qual Jesus está fazendo alusão nesse Evangelho.

Tampouco se refere Nosso Senhor aqui à Sua presença eucarística, quando Seu corpo, sangue, alma e divindade estão localizados nas espécies do pão e do vinho, no Santíssimo Sacramento.

O que Ele está falando, na verdade, é de uma presença de amizade na alma dos justos — presença muito superior àquela de imensidade e que faz com que sejamos capazes de nos comunicar com Ele a qualquer tempo e onde quer que estejamos. Essa presença traz consigo a nota da reciprocidade: "se alguém me ama, (...) o meu Pai o amará", pois toda verdadeira amizade é uma "via de mão dupla".

Aqueles que, sendo batizados, perderam essa divina presença em suas almas porque, com o pecado, deixaram de amar a Deus, precisam voltar à vida da graça. Para tanto, é necessário arrepender-se dos próprios pecados e recorrer ao sacramento da Confissão, por meio do qual o Verbo encarnado mesmo infunde novamente a graça na alma do penitente, absolvendo consequentemente os seus pecados.

Aqueles que já estão na amizade com Deus devem preocupar-se não só em fugir decididamente do pecado, mas também em crescer na vida da graça. Para tanto, são necessárias: a , para que vejamos Cristo, a fonte de água viva que jorra dentro de nós (cf. Jo 4, 14); e a caridade, por meio da qual respondemos ao amor de Deus e saciamos a sede que Ele tem do nosso amor, mesmo que seja com o vinagre amargo da nossa vida infiel.

O exercício da fé é a oração e é por isso que a vida de intimidade com Deus é tão necessária para qualquer cristão: nós até podemos ter a fonte de água viva dentro de nós, mas, sem oração, tragicamente continuaremos morrendo de sede. O amor que devolvemos a Deus, por sua vez, precisa transbordar para uma outra presença Sua, no próximo — a Sua presença vicária. Foi Ele mesmo quem o ensinou quando disse: "Todas as vezes que fizestes isso a um destes mais pequenos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes" (Mt 25, 40).

Para quem toma consciência dessas realidades, já não existe solidão. Ainda que materialmente nada tenhamos e humanamente não tenhamos ninguém, se Deus é nosso amigo, temos a presença mais importante de todas, a Presença, diante da qual todas as outras não passam de sombra passageira.

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.