CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
14 Dez 2019 - 26:06

A nossa liberdade é redimida pela de Deus

“O Senhor está próximo”: eis a alegria que a Igreja quer nos colocar diante dos olhos no meio do Advento. Mas está próximo porque Ele mesmo quis vir ao encontro de nossa miséria, no Natal. Nesta meditação para o domingo “Gaudete”, Padre Paulo Ricardo reflete sobre estas duas liberdades: a divina, que escolheu morrer por nós, escravos, justamente a fim de redimir a nossa, da qual havíamos abusado pelo pecado. É dessa redenção que nasce a alegria cristã.
00:00 / 00:00
Homilia Dominical - 14 Dez 2019 - 26:06

A nossa liberdade é redimida pela de Deus

“O Senhor está próximo”: eis a alegria que a Igreja quer nos colocar diante dos olhos no meio do Advento. Mas está próximo porque Ele mesmo quis vir ao encontro de nossa miséria, no Natal. Nesta meditação para o domingo “Gaudete”, Padre Paulo Ricardo reflete sobre estas duas liberdades: a divina, que escolheu morrer por nós, escravos, justamente a fim de redimir a nossa, da qual havíamos abusado pelo pecado. É dessa redenção que nasce a alegria cristã.
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Mateus
(Mt 11, 2-11)

Naquele tempo, João estava na prisão. Quando ouviu falar das obras de Cristo, enviou-lhe alguns discípulos, para lhe perguntarem: “És tu, aquele que há de vir, ou devemos esperar um outro?”

Jesus respondeu-lhes: “Ide contar a João o que estais ouvindo e vendo: os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados. Feliz aquele que não se escandaliza por causa de mim!”

Os discípulos de João partiram, e Jesus começou a falar às multidões sobre João: “O que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? O que fostes ver? Um homem vestido com roupas finas? Mas os que vestem roupas finas estão nos palácios dos reis. Então, o que fostes ver? Um profeta? Sim, eu vos afirmo, e alguém que é mais do que profeta. É dele que está escrito: ‘Eis que envio o meu mensageiro à tua frente; ele vai preparar o teu caminho diante de ti’. Em verdade vos digo, de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João Batista. No entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele”.

Meditação. — 1.  Neste 3.º Domingo do Advento, chamado também de Domingo Gaudete (ou Domingo da Alegria), a Igreja permite que os sacerdotes vistam paramentos róseos para expressarem, com isso, a felicidade do Natal que se aproxima. A antífona de entrada da Missa canta justamente as palavras de São Paulo aos Filipenses: “Gaudete in Domino semper”. 

A realidade central do cristianismo é o mistério da Encarnação, o “admirável intercâmbio” pelo qual Jesus fez-se Deus conosco, para nos comunicar as suas riquezas e assumir as nossas misérias. Tal realidade deu-se de uma forma absolutamente inesperada, porque nós, embora esperássemos desde sempre a vinda de um Salvador, jamais imaginaríamos que o próprio Senhor do céu e da terra viria ao nosso encontro. Mas Ele mesmo, em Pessoa, veio até nós. E essa deve ser a razão principal da nossa grande alegria.

A primeira leitura da Missa, contudo, parece sugerir outra sensação para além da alegria. Diz assim o profeta Isaías: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”. De que se trata essa vingança, afinal? E o que podemos fazer diante dela?

Na verdade, Deus vem com o propósito de destruir toda maldade e escravidão do pecado. É nisso que consiste a sua vingança. Ele não vem, como podem pensar alguns, para “estragar” a diversão de seus filhos, ao estilo de um pai ou uma mãe que flagram suas crianças fazendo bagunça. O que Jesus deseja, no mais fundo de seu coração, é a nossa libertação, a vingança contra o coração egoísta, que não quer se doar pelo bem do próximo, que age à revelia da própria vocação, num ato de escandalosa desobediência.

Nós, homens carnais, somos prisioneiros de nossas próprias opiniões, de nossos próprios apetites e desejos, de modo que, muitas vezes, agimos contra a grande vocação de todo ser humano, que é a união mística com Cristo. Somos como um olho que se recusa a enxergar, um ouvido que não quer ouvir ou uma perna que se nega a andar; ou seja, contrariamos o propósito de nossa existência simplesmente por nossos caprichos egoístas. O nosso coração foi feito para amar, mas nos recusamos a dar amor.

Deus vem, pois, com sua vingança, e então, como diz o profeta Isaías, “se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos”. Sim, vem a vingança do Senhor porque vem para nos libertar, vem para libertar o nosso coração escravo do egoísmo, escravo de nós mesmos.

2. Inspirada pelo seu fundador, a Igreja Católica não deixa de lutar pela liberdade de seus filhos, a fim de que possam amar livremente a Deus e ao próximo.

Por outro lado, há uma tendência no mundo de hoje — e inclusive dentro de certas confissões cristãs, que pregam o predestinacionismo — de negar que o homem possa ser livre. Com isso, os adeptos desse falso juízo negam a responsabilidade dos atos humanos, dizendo que o pecado não pode ser imputado à consciência, porque todo ser humano é obrigado a pecar contra a lei de Deus. Desse modo, eles encontram qualquer desculpa para não assumirem o próprio erro: vale apelar para problemas familiares, dependência química, dificuldades financeiras, opressão da sociedade etc. Enfim, tudo serve para fugir da própria responsabilidade.

Para a Igreja Católica, no entanto, todo homem é livre porque Deus assim o fez. Aliás, Deus amou tanto os seus filhos que os criou livres justamente para que pudessem escolher entre a bênção e a maldição. Isso significa que somos, sim, responsáveis pelos nossos atos e merecemos as consequências pelas nossas escolhas erradas. Com a nossa liberdade, fomos capazes de inventar cadeias tão severas, ao ponto de aprisionarmos a nós mesmos. De fato, nós somos as mais miseráveis vítimas do mais terrível crime: nós somos a vítima e somos o criminoso, porque fizemos essa opção pelo caminho do mal.

Nesse sentido, a liberdade humana é, por um lado, um maravilhoso presente de Deus e, por outro, uma triste miséria pela qual podemos encerrar-nos em fortes prisões. A alegria destes dias de Advento é, por isso, uma alegria ainda misturada ao fel do pecado; uma mistura do branco da liberdade com o roxo da escravidão, representados pelos paramentos róseos da liturgia. Apenas no Natal é que poderemos cantar com toda a Igreja a liberdade definitiva, trazida por Aquele cuja graça é a única capaz de romper as cadeias do mal.

3.  Naturalmente, o modo como Deus vem ao nosso encontro para nos libertar é bastante desconcertante. Diferentemente do que alguns acreditam, Jesus não veio como um mestre apenas, uma espécie de Confúcio ou Maomé; Jesus Cristo, o Filho de Deus encarnado, veio a esse mundo com uma missão, com a missão de morrer. Eis a verdade católica: Deus é tão livre, que é livre para vir a esse mundo e morrer por nós. Sabendo disso, São João Batista enviou seus discípulos a Nosso Senhor, a fim de que vissem seus prodígios e passassem a segui-lo. João Batista cumpriu, desse modo, a profecia de Malaquias, agindo como um mensageiro, ou seja, um anjo de Deus que anuncia a vinda do Salvador; ele é, por isso, mais que um profeta, porque não anuncia coisas de um futuro ainda distante, mas algo que já viu e contemplou: o Deus encarnado que veio para morrer e salvar a humanidade.

A alegria cristã é, com efeito, uma alegria dramática, porque passa pela dor do sacrifício vicário de Deus. G. K. Chesterton assim notava que o cristianismo consegue unir duas coisas bastante disparatadas, alegria e sofrimento, numa mesma realidade. E, de fato, todo cristão tem algo do temperamento sanguíneo, dada a sua capacidade de enxergar graça em tudo, e, ao mesmo tempo, é melancólico, porque enxerga o drama no qual a humanidade padece por conta do pecado. Nessa dinâmica, a alegria de sabermos que seremos salvos pelo Menino que vem, deve nos fazer enxergar com coragem a nossa própria miséria, implorando a Deus para que, com sua morte, Ele nos dê nova vida. 

O Natal, então, será mais do que alegre; será verdadeiramente feliz, porque a liberdade do homem, restaurada pela liberdade de Deus que morreu por nós, prepara-nos para a liberdade do amor que iremos cantar no Céu.

Oração.Ó Menino Jesus, cujo nascimento já é marcado pela sombra da cruz, ajudai-nos a romper as cadeias do pecado, para que, neste Natal, sejamos verdadeiramente felizes pela graça da liberdade. Assim seja!

Material para Download
Texto do episódioMaterial para downloadComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.