CNP
Christo Nihil Præponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 2,1-12)

Alguns dias depois, Jesus entrou de novo em Cafarnaum. Logo se espalhou a notícia de que ele estava em casa. Reuniram-se ali tantas pessoas, que já não havia lugar, nem mesmo diante da porta. E Jesus anunciava-lhes a Palavra.
Trouxeram-lhe, então, um paralítico, carregado por quatro homens. Mas não conseguindo chegar até Jesus, por causa da multidão, abriram então o teto, bem em cima do lugar onde ele se encontrava. Por essa abertura desceram a cama em que o paralítico estava deitado.
Quando viu a fé daqueles homens, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados estão perdoados”. Ora, alguns mestres da Lei, que estavam ali sentados, refletiam em seus corações: “Como este homem pode falar assim? Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus”.
Jesus percebeu logo o que eles estavam pensando no seu íntimo, e disse: “Por que pensais assim em vossos corações? O que é mais fácil: dizer ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levanta-te, pega a tua cama e anda’?
Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem, na terra, poder de perdoar pecados, — disse ele ao paralítico: eu te ordeno: levanta-te, pega tua cama, e vai para tua casa!”
O paralítico então se levantou e, carregando a sua cama, saiu diante de todos. E ficaram todos admirados e louvavam a Deus, dizendo: “Nunca vimos uma coisa assim”.

No Evangelho de hoje, Jesus perdoa pecados e cura um paralítico. Aqui Jesus está nos dando uma lição: quando vemos um paralítico, vemos uma pessoa com uma deficiência física, ou com uma debilidade material — falta de dinheiro, fome, seja o que for, uma doença —, e nós imediatamente temos a tendência de achar que aquele é o principal problema da pessoa.

Porém Jesus, que vê os corações, enxerga que o principal problema daquele paralítico não é a doença física, mas o pecado. Já nós, para enxergarmos a gravidade do pecado, precisamos de um auxílio divino. Por quê? Porque nós, seres humanos, por nós mesmos, dificilmente iremos enxergar quanto o pecado é grave. 

Há várias razões. A primeira delas é o fato de que o pecado é uma “invenção” dos anjos. Foram os anjos que inventaram o pecado, que é uma realidade espiritual, e exatamente por isso, nós, que estamos no dia a dia tão preocupados com as coisas materiais, não somos capazes de enxergar com profundidade o quanto o pecado é terrível. É claro que, fazendo um esforço, refletindo, pedindo luzes divinas, nós podemos ver algo disso; mas não é uma coisa automática.

Os santos — muitos santos — receberam a graça de ver o que é uma alma em pecado mortal. Santa Teresa d’Ávila diz na sua autobiografia que, se as pessoas soubessem quão terrível, repugnante, imunda e fétida fica a alma de uma pessoa em pecado mortal, jamais cometeriam um pecado mortal, nem haveria nada nesse mundo que nos obrigasse a fazer um pecado mortal. Nós preferiríamos morrer a cometer um pecado mortal. Então, essa é uma das graças que ela recebeu.

Nós, infelizmente, não recebemos essa graça e tratamos o pecado como se fosse ninharia, um nada: “Ah, depois eu confesso”. É assim que muita gente lida com o pecado, sem enxergar o que o pecado realiza de destruição nelas, porque pecar é romper a amizade com aquele que é a fonte do ser. O que acontece quando se corta a fonte de energia? Ora, quando se corta a fonte de energia de um ventilador, por exemplo, ele vai parar; quando se corta a fonte de energia de uma geladeira, os alimentos vão apodrecendo; quando se corta a fonte que é Deus, não há mais o relacionamento que deveríamos ter com Ele, que a todos sustenta no ser e dá a capacidade de amar. Acontece, portanto, uma destruição.

É por isso que São Paulo nos recorda que “o salário do pecado é a morte”. Estar em pecado é estar na situação de ter algo apodrecendo dentro de si, ou já completamente podre e sujeito à morte.

Jesus, ao ver aquele aleijado baixar diante dos seus olhos, viu que o maior pecado dele não era o fato de não saber caminhar com as pernas, mas de não saber caminhar com o coração, não saber amar. Na verdade, o que havia ali, muito mais do que um corpo paraplégico, era uma alma incapaz de amar, incapaz de responder a Deus com verdadeiro amor.

Por isso Jesus diz: “Teus pecados estão perdoados”, e para mostrar que esse perdão invisível era verdadeiro, Ele faz o milagre visível de o fazer voltar a caminhar. Nós não precisamos esperar milagres visíveis. Nós, que antes estávamos com a alma apodrecida, temos à disposição o confessionário, de onde saímos ressuscitados por Cristo.

* * *

COMENTÁRIO EXEGÉTICO

Explicação do texto. — O Evangelho de hoje apresenta a cura de um paralítico. Segundo Mc, o episódio teve lugar em Cafarnaum: Jesus entrou novamente em Cafarnaum, cidade em que vivia, e souberam que ele estava em casa (2,1), não se sabe se na sua própria ou, possivelmente, na de Simão Pedro. Reuniu-se uma tal multidão, continua o evangelista, que não podiam encontrar lugar nem mesmo junto à porta (2,2), i.e., a casa estava tão abarrotada, que era preciso ficar do lado de fora para poder ver e ouvir Jesus. Este os instruía, e o poder de Deus o fazia realizar várias curas (cf. Lc 5,17). Ora, como não pudessem entrar na casa devido à multidão, quatro amigos que traziam consigo um paralítico subiram ao teto e, arrancadas as telhas [1], desceram o doente pela abertura deitado num leito (gr. κράβατος, expressão macedônica para liteira) e o puseram diante de Jesus (cf. Lc 5,18s; Mc 2,4). Vendo-lhes a fé e a confiança em seu poder, disse o Senhor ao paralítico [2]: Filho, perdoados te são os pecados (Mc 2,5; cf. Lc 5,20), i.e., acabou a causa que deu origem à tua enfermidade.

Ora, alguns escribas e fariseus que assistiam à cena escandalizaram-se diante da aparente blasfêmia, já que só Deus (murmuravam entre si) tem o poder de perdoar pecados, pois só quem foi injuriado pode desculpar as injúrias sofridas. Mas Jesus, penetrando-lhes o pensamento, repreendeu-os duramente: Por que murmurais em vossos corações? (Lc 5,22) ou, como se lê em Mc: Por que pensais isto em vossos corações? (2,8), i.e., por que pensais mal de mim, atribuindo-me más intenções? O que é mais fácil dizer: Teus pecados estão perdoados, ou dizer: Levanta-te e anda? (Lc 5,23). Cristo lhes pergunta não o que é mais fácil fazer, mas saber. De fato, parecia-lhes mais fácil dizer: Os teus pecados te são perdoados porque ninguém poderia saber com certeza se os pecados haviam sido perdoados; o que era realmente difícil era dizer: Levanta e anda porque, se Jesus não possuísse de fato autoridade divina, ficaria claro para todos que se tratava de um impostor e falso profeta. Por isso, para que saibais que o Filho de homem [3] tem esse poder, i.e., o de perdoar pecados, vede o que posso fazer (e disse ao paralítico): Levanta-te, pega o leito e vai para casa (Lc 5,24) [4]. O doente levantou-se no mesmo instante, o que encheu a todos de profunda admiração, a ponto de dizerem: Nunca vimos coisa semelhante (Mc 2,12) e Hoje vimos coisas maravilhosas! (Lc 5,26) (5).

Pontos de meditação.a) Sentido simbólico da cura: ‘A cura deste paralítico indica a salvação da alma que, inerte após passar muito tempo atada aos pecados da carne, clama por fim a Cristo. Esta alma, antes de tudo, precisa de ministros que a elevem e apresentem diante de Cristo, ou seja, de bons mestres que lhe infundam a esperança de ser curada e lhe sirvam de intercessores’ (São Beda, in Luc.) — b) Os quatro amigos: ‘Todo doente deve ter quem reze por sua salvação, intercessores pelos quais nossos excessos e desvios possam ser remediados pela palavra celeste. É preciso pois que haja quem aconselhe e advirta, quem eleve o coração dos homens às coisas superiores, ainda que eles estejam debilitados no corpo. É assim, com a ajuda de homens como esses, que podemos nos apresentar e humilhar facilmente diante de Jesus e comparecer com menos indignidade ante os seus olhos’ (Santo Ambrósio). — c) Devem-se curar primeiro as doenças do espírito: ‘O olhar de Jesus, ao ver neles tanta fé, perdoou primeiro os pecados ao doente, e depois lhe restituiu a saúde do corpo; entrementes, ensinava que muitas doenças têm origem no pecado e que convém, portanto, curá-las diretamente em sua causa . . . e mostrava assim que era Deus. Pois curar enfermidades corporais, também os santos o podem fazer; mas perdoar pecados só está ao alcance de Deus’ (Eutímio, In Matth.). — d) Toma o teu leito e vai: ‘Pelo leito, no qual repousa a carne, significa-se a própria carne, ao passo que a casa, por sua vez, representa a consciência . . . Toma o teu leito, i.e., toma o catre em que foste carregado, pois é preciso que, uma vez curado, o homem suporte os ataques da carne na qual antes jazia enfermo. Com efeito, o que significa dizer: Toma o teu leito e vai para tua casa senão: Resiste às tentações da carne, sob as quais até agora estivestes prostrado, e volta à tua consciência, para que vejas assim o que fizeste?” (São Gregório, Hom. in Ez.). — e) Subiram ao telhado e desceram com o leito: O teto aberto por onde descem o doente é símbolo do céu aberto pelo qual, na encarnação, desceu o nosso Médico, unido a uma carne como a nossa, mas dotada do poder de curar todas as doenças, espirituais e corporais, graças à virtude divina do Verbo. Renovemos pois a fé na divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e no seu poder de perdoar qualquer pecado, por intermédio dos ministros que instituiu para conceder essa graça: Coragem, filho, os teus pecados estão perdoados!f) Coragem, filho: ‘Ao mesmo tempo se retrata a benignidade de Jesus e sua caridade verdadeiramente divina para com os miseráveis. Oh! admirável humildade, que chama filho ao desprezado e débil, desfeito em todos os membros e articulações, em quem não se dignavam tocar nem os sacerdotes’ (São Jerônimo) [6].

Notas

Entre os judeus e, de modo geral, entre os orientais, o teto das casas era plano e sólido, feito de terra batida, de forma que era possível andar sobre ele. Podia-se subir por uma escada posta no átrio interior ou na parte de fora. Para alguns estudiosos, o teto das casas judaicas não era coberto de tégulas (telhas de barro), mas de pedras, costume comum na Palestina, especialmente nas regiões em que abundava o material. Seja como for, o texto parece supor que a abertura feita no teto não foi difícil para os amigos nem perigosa para os que estavam dentro da casa.

R. Cornely et al., Cursus Scripturæ Sacræ. 3.ª ed., Paris: P. Lethielleux (ed.), 1922, p. 396s: ‘Quão grande fosse esta fé, mostra-se por aquela tentativa insólita de descer pelo teto aberto um doente e pô-lo aos pés de Jesus. Era grande a fé dos que o carregavam, mas também a do doente; do contrário, não teria permitido que o descessem assim. Querem alguns autores restringir [a cláusula] a fé que eles tinham somente aos que carregavam [o doente]; mas sem razão, ao que parece. De fato, como Jesus, vendo a fé que eles tinham, faz imediatamente ao próprio doente, com palavras amáveis, um enorme favor, é necessário concluir do modo da narração que ele falou amavelmente ao paralítico e lhe concedeu o dom mais precioso porque se agradara com a sinceridade e o fervor de sua fé. Ora, fé aqui significa persuasão sobre o poder e a benignidade de Cristo, das quais nasce a maior confiança. Cristo costuma exigir fé antes de operar milagres; age assim . . . não só para recomendar a fé, mas porque é próprio da fé impetrar e conseguir aquilo que crê e espera’.

Esse é o primeiro lugar nos sinóticos em que aparece a famosa expressão ‘Filho de homem’, utilizada 50 vezes (78, se se contam os lugares paralelos) por Cristo e 1 vez por Santo Estêvão (cf. At 7,55). — a) Forma gramatical. ‘O υιός τοῦ ανθρώπου é a versão literal da locução aram. bar’enasha, usada frequentemente sem determinativo para significar ‘homem’. Com art. significa algum ‘filho de homem’, i.e., algum homem determinado. (Considerando-se a índole do aram., a determinação do art. não afeta ‘de homem’, mas apenas ‘filho’; por isso a tradução correta é ‘o filho de homem’, e não ‘o filho do homem’.) — b Origem. Esta designação de Cristo tem origem em Dn 7, 13s: Eu estava, pois, observando estas coisas durante a visão noturna, e eis que vi um que parecia um Filho de homem etc. Este Filho de homem, para a maior parte dos judeus ortodoxos, é o próprio Messias. — c) Sentido teológico. Jesus usava essa expressão no singular, em parte porque era costume entre os hebreus referir-se a si mesmo na terceira pessoa, em parte porque, com essa inusitada denominação, desejava trazer à memória deles a profecia de Daniel acima referida e, desse modo, insinuar-lhes que era ele o Filho de homem, i.e., o Messias anunciado pelo profeta. De mais a mais, esse título é tão humilde e modesto para designar o Messias, que os Apóstolos e a subsequente tradição da Igreja se abstiveram de usá-lo.

Tomás de Vio Caetano, In Matth. 9,6: ‘Responde Jesus à objeção esclarecendo o mistério. Não nega ser próprio de Deus perdoar pecados nem diz abertamente: Eu sou Deus, por isso tenho o poder de perdoar pecados, mas: Com isto sabereis que o Filho de homem, não somente homem, mas o Filho de homem que está convosco na terra tem o poder de perdoar pecados, e por isso não é apenas homem, não é apenas Filho de homem, mas também aquele que tem o poder de perdoar pecados, o que significa que é Deus, como vós mesmos dizeis, conscientes de que ninguém pode perdoar pecados a não ser Deus’; v. 7: ‘A evidência do milagre foi muito maior que o esperado. Bastava que, por um milagre, o paralítico se levantasse curado, mas foi dito ainda: Pega o teu leito, para que aparecesse não só a saúde, mas também a força para levar o leito no qual fora carregado por quatro homens. E além disso se acrescenta: Vai para casa, a fim de que não só os presentes, mas quantos te virem comprovem a evidência do milagre’ (ed. Lyon, 1639, vol. 4, p. 46).

Embora Mc e Lc digam que todos se admiraram, é improvável que os escribas e fariseus tenham se unido aos louvores das turbas, as únicas a que Mt atribui expressamente essa atitude: Vendo isso, a multidão ficou com medo e glorificou a Deus, por ter dado tal poder aos homens (9,8).

R. Cornely et al., op. cit., loc. cit.

Texto do episódio
Comentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.