CNP
Christo Nihil Praeponere"A nada dar mais valor do que a Cristo"
Evangelize compartilhando!
Todos os direitos reservados a padrepauloricardo.org®
Homilia Dominical
12 Ago 2014 - 00:28

Solenidade da Assunção de Nossa Senhora - A realeza de Maria Santíssima

0:00 / 00:00
Homilia Dominical - 12 Ago 2014 - 00:28

Solenidade da Assunção de Nossa Senhora - A realeza de Maria Santíssima

Texto do episódio

Texto do episódio

imprimir

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo
Lucas (Lc 1, 39-56)

Em 1950, o Papa Pio XII, por meio da constituição apostólica Munificentissimus Deus, definiu “ser dogma divinamente revelado que a imaculada Mãe de Deus, a sempre virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial” [1]. Ou seja, Deus, em sua bondade, dispôs que o corpo de Maria, que carregou em seu ventre o próprio Verbo humanado, fosse poupado da corrupção do túmulo. Por mais que se usem argumentos para explicar logicamente esse mistério, a Assunção de Maria é um ato gratuito e livre de amor do Todo-Poderoso, que quis elevar a bem-aventurada Virgem Maria primeiro à glória do Céu.

O argumento mais convincente para a elevação de Nossa Senhora é o da ausência. Não existe nenhum lugar onde se possa dizer que o seu corpo esteja enterrado. Como é possível que os primeiros cristãos, que conservavam os sepulcros dos grandes santos e padres da Igreja primitiva, não tenham guardado o túmulo da mãe de Cristo? De fato, existe um túmulo no Getsêmani, mas ele frequentemente é referido como um “túmulo vazio”, pois os fiéis católicos, desde o começo, creem que Maria está ressuscitada na glória dos céus.

É interessante que, no mosaico da abside da Basílica de Santa Maria em Trastevere, em Roma, Nossa Senhora não só está à direita de Nosso Senhor – como indicam as palavras do salmista: “À vossa direita se encontra a rainha com veste esplendente de ouro de Ofir” [2] –, mas os dois se encontram sentados no mesmo trono. Jesus tem seu braço direito envolvendo Sua mãe e ela, que tem em uma mão um manuscrito do Cântico dos Cânticos, mantém os seus dedos apontados para Jesus – a Rainha que aponta para o Rei. É uma imagem do que acontece nas bodas de Caná, quando ela diz: “Fazei tudo o que ele vos disser” [3], e do que rezamos na Salve Rainha: Et Iesum, benedictum fructum ventris tui, nobis post hoc exsilium ostende. Depois deste desterro, ela realmente nos mostra Jesus.

Essa figura de Jesus e Maria sentados no mesmo trono está profundamente enraizada na teologia bíblica. No livro Queen Mother: A Biblical Theology of Mary’s Queenship [“Rainha Mãe: Uma Teologia Bíblica da Realeza de Maria”][4], Edward Sri explica como, no reino de Judá, o rei sempre reinava juntamente com sua mãe. Assim, por exemplo, Salomão, ao ser entronizado como rei, colocou sua mãe, Betsabéia, à sua direita: “Betsabéia foi até o rei Salomão para falar a respeito de Adonias. O rei levantou-se e veio a seu encontro, prostrou-se diante dela e, depois, sentou-se no trono. Puseram também um trono para a mãe do rei, a qual sentou-se à sua direita” [5]. Essa cerimônia do Antigo Testamento nada mais é que prefiguração do reinado de Cristo e de Sua mãe, Maria Santíssima, para quem também foi colocado um trono no Céu. Apenas São Gabriel Arcanjo diz a Maria que “o Senhor Deus lhe dará [a Jesus] o trono de Davi, seu pai” [6], ela tomou consciência de que seria rainha.

Santo Afonso Maria de Ligório ensina, citando São Pedro Damião, que o mistério da subida de Maria aos céus foi mais solene do que a ascensão de Jesus, “porque só os anjos saíram ao encontro de Jesus Cristo, mas Nossa Senhora foi assunta ao céu na presença do Senhor da glória e de toda a sociedade bem-aventurada dos anjos e dos santos” [7]. A Igreja recorda a realeza de Maria na Liturgia, quando lê a passagem do Apocalipse de São João que fala de “uma Mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas (...). E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro” [8].

Quando celebramos o mistério da Assunção, não estamos simplesmente lembrando a elevação de Nossa Senhora, como também o mistério de Sua presença. Em uma introdução à encíclica Redemptoris Mater, de São João Paulo II, o cardeal Joseph Ratzinger, comentando o método usado pelo Papa para escrever esse documento, diz que ele nos apresenta uma “mariologia histórico-dinâmica”. Ou seja, ao invés de seguir a esteira da mariologia do século XIX e início do XX, a encíclica prefere apresentar os mistérios, não como realidades estáticas, mas como um dom que nos alcança:

“Maria não habita apenas no passado ou em altas esferas do céu sob a imediata ação divina; ela permanece presente neste momento histórico real; ela é uma pessoa agindo aqui e agora. Sua vida não é apenas uma realidade que está atrás de nós, ou acima de nós; mas ela vai à nossa frente, como o Papa faz questão de enfatizar” [9].

De fato, fazendo menção do ensinamento do Concílio Vaticano II [10], o Papa recorda que:

“Maria contribui de maneira especial para a união da Igreja peregrina na terra com a realidade escatológica e celeste da comunhão dos santos, tendo já sido ‘elevada ao Céu’. (...) No mistério da Assunção exprime-se a fé da Igreja, segundo a qual Maria está ‘unida por um vínculo estreito e indissolúvel a Cristo’, pois, se já como mãe-virgem estava a Ele unida singularmente na sua primeira vinda, pela sua contínua cooperação com Ele o estará também na expectativa da segunda: ‘Remida dum modo mais sublime, em atenção aos méritos de seu Filho’, ela tem também aquele papel, próprio da Mãe, de medianeira de clemência, na vinda definitiva, quando todos os que são de Cristo forem vivificados e quando ‘o último inimigo a ser destruído será a morte’ (1 Cor 15, 26).” [11]

É como “medianeira de clemência” que os cristãos invocam a Virgem Santíssima na oração da Salve Rainha: depois de manifestar a nossa condição de pecadores e “degredados filhos de Eva” “neste vale de lágrimas”, o texto pede à toda santa Mãe de Deus – eis a única graça que nos importa pedir – que nos mostre Jesus.

Essa bela prece, escrita pelo bem-aventurado Hermano Contractus, monge na abadia de Reichenau, no século XI, foi popularizada quando Pedro, o Venerável, abade de Cluny, ordenou que ela fosse cantada nas festas da Assunção. Rezemo-la com fervor, proclamando a realeza de Maria no Céu e a sua presença como mãe e medianeira em nossas vidas.

Referências

Download do Material
Texto do episódioDownload do áudio e textoComentários dos alunos

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.